2 Reis 12 Estudo: A Dedicação de Joás

Joás propôs-se a restaurar o templo de Salomão, que havia caído em desuso e havia sofrido grandes danos durante o reinado de Atalia (cf. 2 Crôn. 24:7). Este foi o primeiro projeto de restauração do templo registrado em 1 ou 2 Reis (2 Reis 12:4–8).

O rei planejava usar o dinheiro trazido pelo povo em ofertas regulares de incenso (Êx 30:11-16), ofertas de votos (Levítico 27; Num. 30) e ofertas voluntárias. Mas esse plano não funcionou. Aparentemente, a receita dessas fontes regulares era insuficiente para sustentar os sacerdotes e os levitas e também para pagar pelos reparos do templo.

A impaciência de Joás com os sacerdotes que foram responsáveis ​​pela coleta do dinheiro (1 Reis 12:7; 2 Crônicas 24:5) sugere que eles talvez não quisessem desviar fundos de seu próprio apoio. Eles estavam usando o dinheiro que os tesoureiros sacerdotes lhes davam para as despesas regulares do serviço no templo, o que era provavelmente legítimo.

Então Joás lhes disse que parassem de receber dinheiro das ofertas para esse propósito, pois ele estava instituindo um novo procedimento. Em vez disso, eles deviam entregar o que seria coletado de uma maneira nova para outros homens que seriam responsáveis ​​por supervisionar as reformas.

Os sacerdotes concordaram em separar este projeto do serviço regular do templo e deixar que outros homens fossem responsáveis ​​por ele. (1)

Esboço de 2 Reis 12:

12.1 – 3: Durante um tempo

12.4 – 16: A dedicação de Joás

12.17 – 21: A morte de Joás

 

2 Reis 12.1 – 3: Durante um tempo

1 “No sétimo ano do reinado de Jeú, Joás começou a reinar, e reinou quarenta anos em Jerusalém. O nome de sua mãe era Zíbia; ela era de Berseba.”

2 Joás fez o que o Senhor aprova durante todos os anos em que o sacerdote Joiada o orientou.

3 “Contudo, os altares idólatras não foram derrubados; o povo continuava a oferecer sacrifícios e a queimar incenso neles.”

2 Reis 12.4 – 16: A dedicação de Joás

4 Joás ordenou aos sacerdotes: “Reúnam toda a prata trazida como dádiva sagrada ao templo do Senhor: a prata recolhida no recenseamento, a prata recebida de votos pessoais e a que foi trazida voluntariamente ao templo.

5 Cada sacerdote recolha a prata de um dos tesoureiros para que seja usada na reforma do templo”.

6 Contudo, no vigésimo terceiro ano do reinado de Joás, os sacerdotes ainda não tinham feito as reformas.

7 Por isso o rei Joás chamou o sacerdote Joiada e os outros sacerdotes e lhes perguntou: “Por que vocês não estão fazendo as reformas no templo? Não recolham mais prata com seus tesoureiros, mas deixem-na para as reformas”.

8 Os sacerdotes concordaram em não mais receberem nenhuma prata do povo e em não serem mais os encarregados dessas reformas.

9 Então o sacerdote Joiada pegou uma caixa, fez um furo na tampa e colocou-a ao lado do altar, à direita de quem entra no templo do Senhor. Os sacerdotes que guardavam a entrada colocavam na caixa toda a prata trazida ao templo do Senhor.

10 Sem­pre que havia uma grande quantidade de prata na caixa, o secretário real e o sumo sacerdote vinham, pesavam a prata trazida ao templo do Senhor e a colocavam em sacolas.

11 Depois de pesada, entregavam a prata aos supervisores do trabalho no templo. Assim pagavam aqueles que trabalhavam no templo do Senhor: os carpinteiros e os construtores,

12 os pedreiros e os cortadores de pedras. Também compravam madeira e pedras lavradas para os consertos a serem feitos no templo do Senhor e cobriam todas as outras despesas.

13 “A prata trazida ao templo não era utilizada na confecção de bacias de prata, cortadores de pavio, bacias para aspersão, cornetas ou quaisquer outros utensílios de ouro ou prata para o templo do Senhor;”

14 era usada como pagamento dos trabalhadores, e eles a empregavam para o reparo do templo.

15 Não se exigia prestação de contas dos que pagavam os trabalhadores, pois agiam com honestidade.

16 Mas a prata das ofertas pela culpa e das ofertas pelo pecado não era levada ao templo do Senhor, pois pertencia aos sacerdotes.

2 Reis 12.17 – 21: A morte de Joás

17 Nessa época, Hazael, rei da Síria, atacou Gate e a conquistou. Depois decidiu atacar Jerusalém.

18 Então Joás, rei de Judá, apanhou todos os objetos consagrados por seus antepassados Josafá, Jeorão e Acazias, reis de Judá, e os que ele mesmo havia consagrado, e todo o ouro encontrado no depósito do templo do Senhor e do palácio real, e enviou tudo a Hazael, rei da Síria, que, assim, desistiu de atacar Jerusalém.

19 Os demais acontecimentos do reinado de Joás e as suas realizações estão todos escritos no livro dos registros históricos dos reis de Judá.

20 Dois de seus oficiais conspiraram contra ele e o assassinaram em Bete-Milo, no caminho que desce para Sila.

21 Os oficiais que o assassinaram foram Jozabade, filho de Simeate, e Jeozabade, filho de Somer. Ele morreu e foi sepultado junto aos seus antepassados na Cidade de Davi. E seu filho Amazias foi o seu sucessor.

 

Referências:

Constable, T. L. (1985). 2 Kings. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 561–562). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here