Em 2 Samuel 1 vemos a sequência dos escritos de Samuel. No término do livro anterior (com o qual este livro está conectado, dando continuidade à mesma história), lemos acerca da morte de Saul.

Ele morreu de forma vergonhosa, embora fosse o terror dos poderosos na terra dos vivos. Devemos agora voltar nossos olhos ao nascer do sol, e perguntar: “onde Davi está, e o que está fazendo?”

Neste capítulo temos as notícias levadas a ele em Ziclague, acerca da morte de Saul e Jônatas, por um amalequita, que se encarregou de apresentar uma narrativa específica desse fato, (v.v. 1-10). E a consequente, tristeza de Davi diante dessas notícias (v.v.11,12).

Vemos a designação de justiça feita ao mensageiro, que se orgulhava pelo fato de ter ajudado a executar Saul (v.v. 13- 16). E por fim, o poema que Davi escreveu nessa ocasião (v.v. 17-27).

Percebemos que Davi está completamente livre de qualquer sentimento de vingança e ambição, e mostra uma conduta muito apropriada. (Henry, Matthew, Comentário de Josué a Ester)

Esboço de 2 Samuel 1:

2 Samuel 1.1 – 10: A notícia da morte de Saul e Jônatas

2 Samuel 1.11 – 16: Davi se entristece profundamente

2 Samuel 1.17 – 27: O lamento de Davi por Saul e Jônatas

 

2 Samuel 1.1 – 10: A notícia da morte de Saul e Jônatas

1 Depois da morte de Saul, Davi retornou de sua vitória sobre os amalequitas. Fazia dois dias que ele estava em Ziclague

2 quando, no terceiro dia, chegou um homem que vinha do acampamento de Saul, com as roupas rasgadas e terra na cabeça. Ao aproximar-se de Davi, prostrou-se com o rosto em terra, em sinal de respeito.

3 Davi então lhe perguntou: “De onde você vem?” Ele respondeu: “Fugi do acampamento israelita”.

4 Disse Davi: “Conte-me o que aconteceu”. E o homem contou: “O nosso exército fugiu da batalha, e muitos morreram. Saul e Jônatas também estão mortos”.

5 Então Davi perguntou ao jovem que lhe trouxera as notícias: “Como você sabe que Saul e Jônatas estão mortos?”

6 O jovem respondeu: Cheguei por acaso ao monte Gilboa, e lá estava Saul, apoiado em sua lança. Os carros de guerra e os oficiais da cavalaria estavam a ponto de alcançá-lo.

7 Quando ele se virou e me viu, chamou-me gritando, e eu disse: Aqui estou.

8 Ele me perguntou: “Quem é você?” Sou amalequita, respondi.

9 Então ele me ordenou: “Venha aqui e mate-me! Estou na angústia da morte!”.

10 “Por isso aproximei-me dele e o matei, pois sabia que ele não sobreviveria ao ferimento. Peguei a coroa e o bracelete dele e trouxe-os a ti, meu senhor”.

2 Samuel 1.11 – 16: Davi se entristece profundamente

11 Então Davi rasgou suas vestes; e os homens que estavam com ele fizeram o mesmo.

12 E se lamentaram, chorando e jejuando até o fim da tarde, por Saul e por seu filho Jônatas, pelo exército do Senhor e pelo povo de Israel, porque muitos haviam sido mortos à espada.

13 E Davi perguntou ao jovem que lhe trouxera as notícias: “De onde você é?” E ele respondeu: “Sou filho de um estrangeiro, sou amalequita”.

14 Davi lhe perguntou: “Como você não temeu levantar a mão para matar o ungido do Senhor?”

15 Então Davi chamou um dos seus soldados e lhe disse: “Venha aqui e mate-o!” O servo o feriu, e o homem morreu.

16 Davi tinha dito ao jovem: “Você é responsável por sua própria morte. Sua boca testemunhou contra você, quan­do disse: “Matei o ungido do Senhor””.

2 Samuel 1.17 – 27: O lamento de Davi

17 Davi cantou este lamento sobre Saul e seu filho Jônatas,

18 e ordenou que se ensinasse aos homens de Judá; é o Lamento do Arco, que foi registrado no Livro de Jasar:

19 O seu esplendor, ó Israel, está morto sobre os seus montes. Como caíram os guerreiros!

20 Não conte isso em Gate, não o proclame nas ruas de Ascalom, para que não se alegrem as filhas dos filisteus nem exultem as filhas dos incircuncisos.

21 Ó colinas de Gilboa, nunca mais haja orvalho nem chuva sobre vocês, nem campos que produzam trigo para as ofertas. Porque ali foi profanado o escudo dos guerreiros, o escudo de Saul, que nunca mais será polido com óleo.

22 Do sangue dos mortos, da carne dos guerreiros, o arco de Jônatas nunca recuou, a espada de Saul sempre cumpriu a sua tarefa.

23 Saul e Jônatas, mui amados, nem na vida nem na morte foram separados. Eram mais ágeis que as águias, mais fortes que os leões.

24 Chorem por Saul, ó filhas de Israel! Chorem aquele que as vestia de rubros ornamentos, e suas roupas enfeitava com adornos de ouro.

25 Como caíram os guerreiros no meio da batalha! Jônatas está morto sobre os montes de Israel.

26 Como estou triste por você, Jônatas, meu irmão! Como eu lhe queria bem! Sua amizade era, para mim, mais preciosa que o amor das mulheres!

27 “Caíram os guerreiros! As armas de guerra foram destruídas!”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here