Início Bíblia de Estudo Online 2 Samuel 14 Estudo: Absalão Volta a Jerusalém

2 Samuel 14 Estudo: Absalão Volta a Jerusalém

2 Samuel - Bíblia de Estudo Online

Em 2 Samuel 14 lemos os fatos contínuos a rebelião de Absalão e o juízo sobre a casa de Davi. Lemos no capítulo anterior como Absalão se afastou da proteção e favor real do pai, que o deixou no exílio, foragido e relegado ao ostracismo.

Neste capítulo, lemos acerca dos artifícios que foram usados para uni-lo ao seu pai novamente, e como, finalmente, isso aconteceu. Temos esse registro aqui para mostrar a insensatez de Davi em poupá-lo e indultá-lo em sua maldade. Isso acabou gerando uma abominável rebelião da parte de Absalão.

Joabe, ao apresentar uma questão simulada (de acordo com os advogados) para ser julgada diante dele, no caso de uma pobre viúva de Tecoa, recebe dele um julgamento em geral: Que o caso seja apresentado de tal forma que um assassino seja eximido da morte (v.v. 1-20).

Em decorrência desse pedido, Joabe recebe de Davi uma ordem para trazer Absalão de volta a Jerusalém, embora fosse impedido de vir à corte (v.v. 21-24).

Depois de um relato de Absalão, sua pessoa e sua família, lemos como finalmente foi introduzido por Joabe à presença do rei, e houve uma reconciliação completa entre eles (v.v. 25-33). (Henry, Matthew, Comentário de Josué a Ester)

Esboço de 2 Samuel 14:

2 Samuel 14.1 – 20: Joabe intercede em favor de Absalão

2 Samuel 14.21 – 27: Absalão volta a Jerusalém

2 Samuel 14.28 – 33: Absalão diante de Davi

 

2 Samuel 14.1 – 20: Joabe intercede em favor de Absalão

1 Joabe, filho de Zeruia, percebendo que o rei estava com saudade de Absalão,

2 mandou buscar uma mulher astuta em Tecoa, e lhe disse: Finja que está de luto: vista-se de preto e não se perfume. Aja como uma mulher que há algum tempo está de luto.

3 Vá dizer ao rei estas palavras, e a instruiu sobre o que ela deveria dizer.

4 Quando a mulher apresentou-se ao rei, prostrou-se com o rosto em terra, em sinal de respeito, e lhe disse: “Ajuda-me, ó rei!”

5 “Qual é o seu problema?”, perguntou-lhe o rei, e ela respondeu: “Sou viúva, meu marido morreu

6 deixando-me com dois filhos. Eles brigaram no campo e, não havendo ninguém para separá-los, um acabou matando o outro.

7 Agora, todo o clã levantou-se contra a tua serva, exigindo: “Entregue o assassino, para que o matemos pela vida do irmão, e nos livremos também do herdeiro”. Eles querem apagar a última centelha que me restou, deixando meu marido sem nome nem descendência na face da terra.

8 O rei disse à mulher: “Vá para casa. Eu mandarei que cuidem do seu caso”.

9 Mas a mulher de Tecoa lhe disse: “Ó rei, meu senhor, é sobre mim e sobre a família de meu pai que pesará a iniquidade; não pesa culpa sobre o rei e sobre o seu trono”.

10 O rei respondeu: “Se alguém ameaçá-la, traga-o a mim, e ele não mais a incomodará”.

11 Ela acrescentou: “Peço então ao rei que, em nome do Senhor, o seu Deus, não permita que o vingador da vítima cause maior destruição, matando meu outro filho”. E disse ele: “Eu juro pelo nome do Senhor: Nem um só fio de cabelo da cabeça de seu filho cairá”.

12 Disse-lhe ainda a mulher: “Permite que a tua serva fale mais uma coisa ao rei, meu senhor”. “Fale”, respondeu ele.

13 Disse então a mulher: Por que terá o rei agido contra o povo de Deus? O rei está se condenando com o que acaba de dizer, pois não permitiu a volta do que foi banido.

14 Que teremos que morrer um dia, é tão certo como não se pode recolher a água que se espalhou pela terra. Mas Deus não tira a vida; ao contrário, cria meios para que o banido não permaneça afastado dele.

15 E eu vim falar sobre isso ao rei, meu senhor, porque o povo me ameaçou. Tua serva pensou que se falasse com o rei, talvez ele atendesse o seu pedido

16 e concordasse em livrar a sua serva das mãos do homem que está tentando eliminar tanto a mim como a meu filho da herança que Deus nos deu.

17 “E agora a tua serva diz: Traga-me descanso a decisão do rei, o meu senhor, pois o rei, meu senhor, é como um anjo de Deus, capaz de discernir entre o bem e o mal. Que o Senhor, o teu Deus, esteja contigo!”

18 Então o rei disse à mulher: “Não me esconda nada do que vou lhe perguntar”. “Fale o rei, meu senhor”, disse a mulher.

19 O rei perguntou: “Não é Joabe que está por trás de tudo isso?” A mulher respondeu: “Juro por tua vida, ó rei, ninguém é capaz de desviar-se para a direita ou para a esquerda do que tu dizes. Sim, foi o teu servo Joabe que me mandou aqui para dizer tudo isso.

20 O teu servo Joabe agiu assim para mudar essa situação. Mas o meu senhor é sábio como um anjo de Deus, e nada lhe escapa de tudo o que acontece no país.

2 Samuel 14.21 – 27: Absalão volta a Jerusalém

21 Depois o rei disse a Joabe: “Muito bem, atenderei esse pedido. Vá e traga de volta o jovem Absalão”.

22 Joabe prostrou-se com o rosto em terra, abençoou o rei e disse: “Hoje o teu servo ficou sabendo que o vês com bons olhos, pois o rei atendeu o pedido de seu servo”.

23 Então Joabe foi a Gesur e trouxe Absalão de volta para Jerusalém.

24 Mas o rei disse: “Ele irá para a casa dele; não virá à minha presença”. Assim, Absalão foi para a sua casa e não compareceu mais à presença do rei.

25 Em todo o Israel não havia homem tão elogiado por sua beleza como Absalão. Da cabeça aos pés não havia nele nenhum defeito.

26 Sempre que o cabelo lhe ficava pesado demais, ele o cortava e o pesava: eram dois quilos e quatrocentos gramas, segundo o padrão do rei.

27 Ele teve três filhos e uma filha, chamada Tamar, que se tornou uma linda mulher.

2 Samuel 14.28 – 33: Absalão diante de Davi

28 Absalão morou dois anos em Jerusalém sem ser recebido pelo rei.

29 Então mandou chamar Joabe para enviá-lo ao rei, mas Joabe não quis ir. Mandou chamá-lo pela segunda vez, mas ele, novamente, não quis ir.

30 Então Absalão disse a seus servos: “Vejam, a propriedade de Joabe é vizinha da minha, e ele tem uma plantação de cevada. Tratem de incendiá-la”. E os servos de Absalão puseram fogo na plantação.

31 Então Joabe foi à casa de Absalão e lhe perguntou: “Porque os seus servos puseram fogo na minha propriedade?”

32 Absalão respondeu: “Mandei chamá-lo para enviá-lo ao rei com a seguinte mensagem: Por que voltei de Gesur? Melhor seria que eu lá permanecesse! Quero ser recebido pelo rei; e, se eu for culpado de alguma coisa, que ele mande me matar”.

33 Então Joabe foi contar tudo ao rei, que mandou chamar Absalão. Ele entrou e prostrou-se com o rosto em terra, perante o rei. E o rei saudou-o com um beijo.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here