Em Apocalipse 3, vemos a referência a cidade de Sardes (atual Sart) que estava localizada a cerca de 45 quilômetros a sudeste de Tiatira e a 75 quilômetros a leste de Esmirna.

Jesus observa que algumas pessoas em Sardes não haviam contaminado suas roupas (v. 4). Isso significa que essas pessoas se mantinham puras de influências externas e que não haviam adotado as práticas religiosas de então.

Enquanto ambas as cartas às igrejas de Esmirna e Filadélfia mencionam a “sinagoga de Satanás” e pessoas “que se dizem judeus, mas não o são” (2.9; 3.9), Sardes não sofreu nenhuma oposição de judeus.

O evangelho que os cristãos locais proclamavam e aplicavam era fraco demais para ofender os judeus. Além disso, os templos pagãos dedicados a Cibele, Zeus Lídio, Héracles e Dionísio exerciam grande influência sobre a religião do povo.

Portanto, o evangelho que os habitantes de Sardes ouviram dos cristãos não representava nenhuma ameaça a suas religiões pagãs.

Entre as sete igrejas, a de Sardes era a que apresentava menos fervor espiritual. Sua adaptação ao ambiente religioso evitou que a igreja fosse perseguida, pois quase ninguém a percebia. Seu estilo de vida inofensivo garantia uma paz religiosa, mas resultou na morte espiritual aos olhos de Deus.

Com a exceção de alguns poucos membros fiéis, que mantinham a chama do evangelho acesa, a igreja estava morrendo aos poucos, como um fogo que não é reabastecido. No entanto, entre as cinzas ainda se encontravam algumas brasas ardentes. (1)

Filadélfia

Localizada cerca de 45 quilômetros a sudeste de Sardes e a aproximadamente 90 quilômetros a leste de Esmirna, Filadélfia (atual Alaşehir) foi fundada em 140 a.C. por Átalo II.

Seu nome de família era Filadelfo, e por amor a seu irmão Eumenes, ele chamou a cidade de Filadélfia, a cidade do amor fraternal. Ela estava estrategicamente situada ao longo da muito frequentada estrada que ligava o leste (Ásia) ao oeste (Europa).

Era uma cidade com portas abertas pela qual o comércio, a língua e a cultura gregas se espalhavam da Grécia e da Macedônia para a Ásia Menor e a Síria. A palavra de Jesus: “Coloquei diante de você uma porta aberta” (v. 8) foi bem recebida pelos cristãos locais que ativamente espalhavam o evangelho de Jesus Cristo.

A área ao redor de Filadélfia era vulcânica e conhecida como “terra queimada”. Cinzas vulcânicas caíram nela e isso fez com que o solo ficasse extremamente fértil. Vinhais rodeavam a cidade, e a tornava famosa pelos seus vinhos e bebidas.

Mas devido à atividade vulcânica, a cidade era com frequência atingida por terremotos. Um grande terremoto destruiu a cidade no ano 17 a.C., após o qual o imperador Tibério eximiu Filadélfia da obrigação de pagar impostos. Ele doou certa quantia de dinheiro para a reconstrução da cidade.

Os repetidos terremotos fizeram com que os habitantes preferissem viver fora da cidade, no campo. Assim, a promessa de Jesus era significativa para seus seguidores naquela cidade: eles nunca mais teriam que sair de novo (v. 12).

Não só a igreja de Esmirna, mas também os santos em Filadélfia eram exemplos da fidelidade a Jesus Cristo. Ele os elogia por sua perseverança, e em toda a carta não expressa uma única palavra de repreensão.

Existem muitas evidências da influência cristã em Filadélfia, pois a igreja permaneceu fiel a Jesus durante séculos, até mesmo quando o Islã se tornou a religião dominante na região.

Na primeira parte do século 20, cinco congregações cristãs ainda floresciam em Filadélfia. De todas as sete igrejas na província da Ásia, apenas a de Filadélfia sobreviveu aos séculos. (2)

Laodiceia

Laodiceia ficava a aproximadamente 70 quilômetros a sudeste de Filadélfia, a quase 18 quilômetros a oeste de Colosso e a quase 10 quilômetros ao sul de Hierápolis (Cl 4.13), no vale do Lico. Ela servia como porta de entrada para Éfeso, que ficava a 160 quilômetros ao leste e era a porta de entrada para a Síria.

A carta à igreja de Laodiceia nada revela sobre uma presença judaica, o que pode significar que essa igreja, como a de Sardes, pregava um evangelho que não representava nenhuma ameaça para os judeus.

Os cristãos de Laodiceia também não sofriam nenhum tipo de perseguição por parte população gentia, e tampouco havia profetas falsos, nem nicolaítas, nenhum Balaão ou Jezabel na igreja. O templo de adoração a César ocupava a praça central na cidade de Laodiceia.

A igreja se adaptou a outras religiões, gozava de riquezas materiais, se contentava com sua vida fácil e não avançava a causa de Cristo. Consequentemente, Jesus não tem nenhuma palavra de elogio para essa igreja e igrejas semelhantes que não proclamam sua mensagem de salvação.

Um último aspecto deve ser mencionado neste breve resumo. A água vinha de uma distância de 100 quilômetros da cidade de Hierápolis e era transportada por um aqueduto.

Suas fontes eram termas e sua água era rica em carbonato de cálcio; quando a água chegava a Laodiceia, ela estava morna. Embora essas termas tivessem valor medicinal e os balneários atraíssem as pessoas, Jesus compara as águas tépidas com a vida espiritual morna dos crentes em Laodiceia.(3)

Esboço de Apocalipse 3:

Apocalipse 3.1 – 6: Carta à Igreja de Sardes

Apocalipse 3.7 – 13: Carta à Igreja de Filadélfia

Apocalipse 3.14 – 22: Carta à Igreja de Laodiceia

Apocalipse 3.1 – 6: Carta à Igreja de Sardes

1 Ao anjo da igreja em Sardes escreva: Estas são as palavras daquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto.

2 Esteja atento! Fortaleça o que resta e que estava para morrer, pois não achei suas obras perfeitas aos olhos do meu Deus.

3 Lembre-se, portanto, do que você recebeu e ouviu; obedeça e arrependa-se. Mas se você não estiver atento, virei como um ladrão e você não saberá a que hora virei contra você.

4 No entanto, você tem aí em Sardes uns poucos que não contaminaram as suas vestes. Eles andarão comigo, vestidos de branco, pois são dignos.

5 O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos.

6 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Apocalipse 3.7 – 13: Carta à Igreja de Filadélfia

7 Ao anjo da igreja em Filadélfia escreva: Estas são as palavras daquele que é santo e verdadeiro, que tem a chave de Davi. O que ele abre ninguém pode fechar, e o que ele fecha ninguém pode abrir.

8 Conheço as suas obras. Eis que coloquei diante de você uma porta aberta que ninguém pode fechar. Sei que você tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome.

9 Veja o que farei com aqueles que são sinagoga de Satanás e que se dizem judeus e não são, mas são mentirosos. Farei que se prostrem aos seus pés e reconheçam que eu o amei.

10 Visto que você guardou a minha palavra de exortação à perseverança, eu também o guardarei da hora da provação que está para vir sobre todo o mundo, para pôr à prova os que habitam na terra.

11 Venho em breve! Retenha o que você tem, para que ninguém tome a sua coroa.

12 Farei do vencedor uma coluna no santuário do meu Deus, e dali ele jamais sairá. Escreverei nele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce dos céus da parte de Deus; e também escreverei nele o meu novo nome.

13 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Apocalipse 3.14 – 22: Carta à Igreja de Laodiceia

14 Ao anjo da igreja em Laodicéia escreva: Estas são as palavras do Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o soberano da criação de Deus.

15 Conheço as suas obras, sei que você não é frio nem quente. Melhor seria que você fosse frio ou quente!

16 Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca.

17 Você diz: “Estou rico, adquiri riquezas e não preciso de nada”. Não reconhece, porém, que é miserável, digno de compaixão, pobre, cego, e que está nu.

18 Dou-lhe este conselho: Compre de mim ouro refinado no fogo, e você se tornará rico; compre roupas brancas e vista-se para cobrir a sua vergonhosa nudez; e compre colírio para ungir os seus olhos e poder enxergar.

19 Repreendo e disciplino aqueles que eu amo. Por isso, seja diligente e arrependa-se.

20 Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo.

21 Ao vencedor darei o direito de sentar-se comigo em meu trono, assim como eu também venci e sentei-me com meu Pai em seu trono.

22 Aquele que tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas.

Referências

  1. Kistemaker, S. (2014). Apocalipse. (J. Hack, M. Hediger, & M. Lane, Trads.) (2a edição, p. 198–201). São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã.
  1. Kistemaker, S. (2014). Apocalipse. (J. Hack, M. Hediger, & M. Lane, Trads.) (2a edição, p. 210–211). São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã.
  1. Kistemaker, S. (2014). Apocalipse. (J. Hack, M. Hediger, & M. Lane, Trads.) (2a edição, p. 225–226). São Paulo, SP: Editora Cultura Cristã.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here