Moisés, em Deuteronômio 2, prossegue recapitulando as providências de Deus a respeito de Israel, no seu caminho a Canaã, mas não preserva o registro de nada que aconteceu durante a sua tediosa marcha de volta ao Mar Vermelho, em que passaram quase trinta e oito anos.

Mas ignora este período, em silêncio, como uma época obscura, e recomeça a sua narrativa quando já se viraram outra vez para Canaã (v.v. 1-3), e se dirigiam às regiões que estavam habitadas, a cujo respeito Deus aqui lhes dá orientações sobre que nações eles não deveriam incomodar.

Os edomitas, v.v. 4-8. 2. Os moabitas (v.9). Sobre os tempos antigos deste país, bem como o dos edomitas, ele aqui fornece alguma informação, v.v. 10-12. E aqui aparece uma narrativa da sua passagem pelo ribeiro de Zerede, v.v. 13-16.

Os amonitas, sobre cujo país aqui é fornecida alguma informação, v.v. 17-23. Quais nações eles deveriam atacar e conquistar. Eles deveriam começar com Seom, rei dos amorreus, v.v. 24,25.

E consequentemente eles tiveram uma boa oportunidade de lutar contra ele, v.v. 26-32. Deus lhes concedeu uma vitória completa sobre ele, v. 33ss. (Henry, Matthew, Comentário do Pentateuco)

Esboço de Deuteronômio 2:

Deuteronômio 2.1 – 7: A semente de Esaú e a de Ló são poupadas

Deuteronômio 2.8 – 23: Moisés e os filhos de Esaú

Deuteronômio 2.24 – 37: A história dos moabitas 

 

Deuteronômio 2.1 – 7: A semente de Esaú e a de Ló são poupadas

1 Então demos meia-volta e partimos para o deserto pelo caminho do mar Vermelho, como o Senhor me havia ordenado. E por muitos anos caminhamos em redor dos montes de Seir.

2 Então o Senhor me disse:

3 “Vocês já caminharam bastante tempo ao redor destas montanhas; agora vão para o norte.

4 E diga ao povo: Vocês estão passando pelo território de seus irmãos, os descendentes de Esaú, que vivem em Seir. Eles terão medo de vocês, mas tenham muito cuidado.

5 Não os provoquem, pois não darei a vocês parte alguma da terra deles, nem mesmo o espaço de um pé. Já dei a Esaú a posse dos montes de Seir.

6 Vocês lhes pagarão com prata a comida que comerem e a água que beberem”.

7 Pois o Senhor, o seu Deus, os tem abençoado em tudo o que vocês têm feito. Ele cuidou de vocês em sua jornada por este grande deserto. Nestes quarenta anos o Senhor, o seu Deus, tem estado com vocês, e não lhes tem faltado coisa alguma.

Deuteronômio 2.8 – 23: Moisés e os filhos de Esaú

8 Assim, passamos ao largo de nossos irmãos, os descendentes de Esaú, que habitam em Seir. Saímos da rota da Arabá, de Elate e de Eziom-Geber. Voltamos e fomos pela rota do deserto de Moabe.

9 Então o Senhor me disse: Não perturbem os moabitas nem os provoquem à guerra, pois não darei a vocês parte alguma da terra deles, pois já entreguei a região de Ar aos descendentes de Ló.

10 (Antigamente os emins habitavam nessa terra; eram um povo forte e numeroso, alto como os enaquins.

11 Como os enaquins, eles também eram considerados refains, mas os moabitas os chamavam emins.

12 Também em Seir antigamente habitavam os horeus. Mas os descendentes de Esaú os expulsaram e os exterminaram e se estabeleceram no seu lugar, tal como Israel fez com a terra que o Senhor lhe deu. )

13 “Agora levantem-se! Atravessem o vale de Zerede.” Assim atravessamos o vale.

14 Passaram-se trinta e oito anos entre a época em que partimos de Cades-Barnéia, e a nossa travessia do vale de Zerede, período no qual pereceu do acampamento toda aquela geração de homens de guerra, conforme o Senhor lhes havia jurado.

15 A mão do Senhor caiu sobre eles e por fim os eliminou completamente do acampamento.

16 Depois que todos os guerreiros do povo tinham morrido,

17 o Senhor me disse:

18 “Vocês estão prestes a passar pelo território de Mo­abe, pela região de Ar,

19 e vão chegar perto da fronteira dos amonitas. Não sejam hostis a eles, pois não darei a vocês parte alguma da terra dos amonitas, pois eu a entreguei aos descendentes de Ló”.

20 (Essa região também era considerada terra dos refains, que ali habitaram no passado. Os amonitas os chamavam zanzumins.

21 Eram fortes, numerosos e altos como os enaquins. O Senhor os exterminou, e os amonitas os expulsaram e se estabeleceram em seu lugar.

22 O Senhor fez o mesmo em favor dos descendentes de Esaú que vivem em Seir, quando exterminou os horeus diante deles. Os descendentes de Esaú os expulsaram e se estabeleceram em seu lugar até hoje.

23 Foi o que também aconteceu aos aveus, que viviam em povoados próximos de Gaza; os caftoritas, vindos de Caftor[2], os destruíram e se estabeleceram em seu lugar. )

Deuteronômio 2.24 – 37: A história dos moabitas

24 Vão agora e atravessem o ribeiro do Arnom. Vejam que eu entreguei em suas mãos o amorreu Seom, rei de Hesbom, e a terra dele. Comecem a ocupação, entrem em guerra contra ele.

25 Hoje mesmo começarei a infundir pavor e medo de vocês em todos os povos debaixo do céu. Quando ouvirem da fama de vocês, treme­rão e ficarão angustiados.”

26 Do deserto de Quedemote enviei mensageiros a Seom, rei de Hesbom, oferecendo paz e dizendo:

27 Deixa-nos passar pela tua terra. Iremos somente pela estrada; não nos desviare­mos nem para a direita nem para a esquerda.

28 Por prata nos venderás tanto a comida que comermos como a água que bebermos. Apenas deixa-nos passar a pé,

29 como fizeram os des­cendentes de Esaú, que habitam em Seir, e os moabitas, que habitam em Ar. Assim chegaremos ao Jordão, e, atravessando-o, à terra que o Senhor, o nosso Deus, nos dá.

30 Mas Seom, rei de Hesbom, não quis deixar-nos passar; pois o Senhor, o Deus de vocês, tornou-lhe obstinado o espírito e endureceu-lhe o coração, para entregá-lo nas mãos de vocês, como hoje se vê.

31 O Senhor me disse: “Estou entregando a você Seom e sua terra. Comece a ocupação, tome posse da terra dele!”

32 Então Seom saiu à batalha contra nós em Jaza, com todo o seu exército.

33 Mas o Senhor, o nosso Deus, entregou-o a nós, e o derrotamos, a ele, aos seus filhos e a todo o seu exército.

34 Naquela ocasião conquistamos todas as suas cidades e as destruímos totalmente, matando homens, mulheres e crianças, sem deixar nenhum sobrevivente.

35 Tomamos como presa somente os animais e o despojo das cidades que conquistamos.

36 Desde Aroer, junto ao ribeiro do Arnom, e a cidade que fica no mesmo vale, até Gileade, não houve cidade de muros altos demais para nós. O Senhor, o nosso Deus, entregou-nos tudo.

37 Somente da terra dos amonitas vocês não se aproximaram, ou seja, toda a extensão do vale do rio Jaboque, e as cidades da região montanhosa, conforme o Senhor, o nosso Deus, tinha ordenado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here