Eclesiastes 7 Estudo: O Valor de Um Bom Nome

A conexão entre as duas metades de Eclesiastes 7:1 não é tão incidental ou insignificante como alguns comentaristas afirmam. Usando a palavra hebraica para “óleo” (perfume), que era tanto um símbolo de alegria (cf. 9: 8) e prosperidade (cf. Jó 29: 6) e uma metáfora para a reputação (cf. Cântico 1: 3) Salomão combinou as idéias de alegria, prosperidade e reputação com as idéias de nascimento e morte.

Assim, ele sugeriu que é melhor chegar ao fim da vida com uma boa reputação (bom nome) do que ter um começo alegre e auspicioso que, por causa da insensatez, pode resultar em nada.

Isso deu o tom das palavras que se seguiram, nas quais Salomão recomendou como as pessoas deveriam responder sabiamente à adversidade e à prosperidade (cf. Ec 7:14) e advertiu-as a não responder tolamente.

Embora ele já tivesse demonstrado as limitações que a morte causou na reputação de alguém (2:16; cf. 9: 5) e embora ele demonstrasse brevemente as limitações da sabedoria (cf. 7: 23-24; 9:11), ele certamente não defendia viver insensatamente (cf. seu próprio exemplo em 2: 3, 9–11).

Afinal, ele disse que o gozo da vida era algo que Deus dava somente àqueles que O agradam (2:26), e ele advertiu que tal gozo deveria ser temperado pela consciência de que Deus julgará os feitos de todos (11: 9; 12:14). (1)

Esboço de Eclesiastes 7:

7.1 – 6: O valor de um bom nome

7.7 – 10: Tristeza e alegria

7.11 – 22: Vantagens da sabedoria

7.23 – 29: O mal do pecado 

Eclesiastes 7.1 – 6: O valor de um bom nome

1 O bom nome é melhor do que um perfume finíssimo, e o dia da morte é melhor do que o dia do nascimento.

2 É melhor ir a uma casa onde há luto do que a uma casa em festa, pois a morte é o destino de todos; os vivos devem levar isso a sério!

3 A tristeza é melhor do que o riso, porque o rosto triste melhora o coração.

4 O coração do sábio está na casa onde há luto, mas o do tolo, na casa da alegria.

5 É melhor ouvira repreensão de um sábio do que a canção dos tolos.

6 Tal como o estalo de espinhos debaixo da panela, assim é o riso dos tolos. Isso também não faz sentido.

Eclesiastes 7.7 – 10: Tristeza e alegria

7 A opressão transforma o sábio em tolo, e o suborno corrompe o coração.

8 O fim das coisas é melhor que o seu início, e o paciente é melhor que o orgulhoso.

9 Não permita que a ira domine depressa o seu espírito, pois a ira se aloja no íntimo dos tolos.

10 Não diga: “Por que os dias do passado foram melhores que os de hoje?” Pois não é sábio fazer esse tipo de pergunta.

Eclesiastes 7.11 – 22: Vantagens da sabedoria

11 A sabedoria, como uma herança, é coisa boa, e beneficia aqueles que vêem o sol.

12 A sabedoria oferece proteção, como o faz o dinheiro, mas a vantagem do conhecimento é esta: a sabedoria preserva a vida de quem a possui.

13 Considere o que Deus fez: Quem pode endireitar o que ele fez torto?

14 Quando os dias forem bons, aproveite-os bem; mas, quando forem ruins, considere: Deus fez tanto um quanto o outro, para evitar que o homem descubra alguma coisa sobre o seu futuro.

15 Nesta vida sem sentido eu já vi de tudo: Um justo que morreu[12]apesar da sua justiça, e um ímpio que teve vida longa apesar da sua impiedade.

16 Não seja excessivamente justo nem demasiadamente sábio; por que destruir-se a si mesmo?

17 Não seja demasiadamente ímpio e não seja tolo; por que morrer antes do tempo?

18 É bom reter uma coisa e não abrir mão da outra, pois quem teme a Deus evitará ambos os extremos[13].

19 A sabedoria torna o sábio mais poderoso que uma cidade guardada por dez valentes.

20 Todavia, não há um só justo na terra, ninguém que pratique o bem e nunca peque.

21 Não dê atenção a todas as palavras que o povo diz, caso contrário, poderá ouvir o seu próprio servo falando mal de você;

22 pois em seu coração você sabe que muitas vezes você também falou mal de outros.

Eclesiastes 7.23 – 29: O mal do pecado

23 Tudo isso eu examinei mediante a sabedoria e disse: Estou decidido a ser sábio; mas isso estava fora do meu alcance.

24 A realidade está bem distante e é muito profunda; quem pode descobri-la?

25 Por isso dediquei-me a aprender, a investigar, a buscar a sabedoria e a razão de ser das coisas, para compreendera insensatez da impiedade e a loucura da insensatez.

26 Descobri que muito mais amarga que a morte é a mulher que serve de laço, cujo coração é uma armadilha e cujas mãos são correntes. O homem que agrada a Deuses capará dela, mas o pecador ela apanhará.

27 “Veja”, diz o mestre, “foi isto que descobri: Ao comparar uma coisa com outra para descobrir a sua razão de ser,

28 sim, durante essa minha busca que ainda não terminou[14], entre mil homens descobri apenas um que julgo digno, mas entre as mulheres não achei uma sequer.

29 Assim, cheguei a esta conclusão: Deus fez os homens justos, mas eles foram em busca de muitas intrigas.

 

Referências:

Glenn, D. R. (1985). Ecclesiastes. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 992). Wheaton, IL: Victor Books.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here