Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Efésios 2 Estudo: A Grande Família de Deus

Em Efésios 2, Paulo mostra como estávamos mortos em nossos erros e pecados. Anteriormente, além de vivermos na prática do pecado nós tínhamos prazer neles. Agora, em Cristo é tudo novo.

Fomos salvos única e exclusivamente pela graça de Deus. Portanto, nada que façamos será capaz de promover alguma compensação diante dele. De qualquer forma, o Senhor nos justificou, para que como seu povo sejamos cheios de boas obras.

A morte de Jesus na cruz promoveu a redenção e a reconciliação da humanidade com Deus. O seu sangue abriu o acesso a Deus Pai. Destruiu as barreiras raciais, étnicas, culturais e psicológicas.

De agora em diante, não somos apenas servos de Deus, mas filhos. Somos família de Deus. Anteriormente, não éramos nem povo. Mas o sangue de Jesus Cristo promoveu reconciliação completa.

 

Esboço de Efésios 2:

Efésios 2.1 – 7: Anteriormente mortos, fomos vivificados por Jesus Cristo

Efésios 2.8 – 13: Salvos pela graça, boas obras e aproximação pelo sangue

Efésios 2.14 – 18: O sangue de Jesus e o acesso ao Pai

Efésios 2.19 – 22: Membros da Família de Deus

 

Isso Não Vem de Vós

“Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie”. (Efésios 2:8,9)

Aqui o apóstolo começa o seu relato da gloriosa mudança que ocorreu neles pela graça transformadora.

Nossa fé, nossa conversão e nossa salvação eterna não são frutos de habilidades naturais, nem de qualquer mérito da nossa parte: “Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2.9).

Essas coisas não têm o nosso envolvimento, e, portanto, todo orgulho está excluído. Aquele que se gloria não deve se gloriar em si mesmo, mas no Senhor.

Não há espaço para a jactância do homem em relação à sua própria habilidade e poder, como se tivesse feito alguma coisa que pudesse merecer favores tão impressionantes de Deus.

“Mas Deus, que é riquíssimo…”

“Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos”. (Efésios 2.4,5)

O próprio Deus é o autor dessa grande e feliz mudança, e seu grande amor é a fonte e causa disso.

Por isso, ele resolveu mostrar sua misericórdia. O amor é sua inclinação de fazer bem a nós como suas criaturas. A misericórdia nos respeita como apóstatas e criaturas miseráveis.

O amor eterno ou a benevolência de Deus em relação às suas criaturas são a fonte de onde todas as suas misericórdias procedem para nós.

Esse amor de Deus é um amor magnífico, e a sua misericórdia é rica, inexprimivelmente grande e rica. E então “pela graça sois salvos (Efésios 2.5), e “…pela graça sois salvos, por meio da fé; e isso não vem de vós; é dom de Deus” (Gálatas 2.8).

Cada pecador convertido é um pecador salvo. Ele é liberto do pecado e da ira. Ele é levado a um estado de salvação e tem o direito, concedido pela graça, da felicidade eterna.

A Necessidade da Graça

A graça que o salva é a bondade e o favor livre e imerecido de Deus. E ele o salva, não pelas obras da lei, mas por meio da fé em Cristo Jesus. Dessa forma, ele permite que todos os convertidos participem das grandes bênçãos do evangelho.

Tanto a fé quanto a salvação, sobre a qual ela tem tão grande influência, são dons de Deus. Os grandes objetivos da fé são conhecidos pela revelação divina e se tornaram dignos de confiança pelo testemunho e evidência que Deus nos deu.

O fato de crermos na salvação e obtermos a salvação por meio da fé é devido ao auxílio e à graça divina. Deus ordenou tudo de tal forma que ficou evidente a necessidade da graça.

Em que essa mudança consiste: ela responde à miséria do nosso estado natural em diversos aspectos, alguns dos quais estão enumerados nessa seção, e outros são mencionados na sequência.

O Desbloqueio da Graça

“Deus nos ressuscitou com Cristo e com ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus, para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus”. (Efésios 2:6,7)

Nós que estávamos mortos somos vivificados (Efésios 2.5), somos salvos da morte do pecado e temos um princípio de vida espiritual implantado em nós. Graça na alma é nova vida na alma.

Como a morte bloqueia os sentidos, aprisiona todos os poderes e faculdades, assim ocorre com o estado do pecado, em relação a qualquer coisa que é boa.

A graça desbloqueia e abre tudo e alarga a alma. Observe: Um pecador regenerado torna-se uma alma viva: ele vive uma vida de santificação, sendo nascido de Deus.

E ele vive no sentido da lei, sendo liberto da culpa do pecado pela graça perdoadora e justificadora. Ele “…nos vivificou juntamente com Cristo”.

Nossa vida espiritual resulta da nossa união com Cristo. E nele que vivemos: “…porque eu vivo, e vós vivereis” (veja João 14.19).

Nós que estávamos sepultados somos ressuscitados (Efésios 2.6). O que ainda precisa ser feito é aqui colocado como se já tivesse ocorrido, uma vez que já ressuscitamos por causa da nossa união com Ele, a quem Deus tinha ressuscitado da morte.

Cristo é a Cabeça

Quando ressuscitou a Cristo dos mortos, na verdade ressuscitou todos os crentes com Ele, sendo Ele a cabeça.

E quando o colocou à sua direita nos lugares celestiais, Ele os promoveu e os glorificou nele e com Ele, a cabeça exaltada e nosso precursor, “…e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus”.

Isso pode ser entendido de outra forma. Pecadores se revolvem no pó; almas santificadas sentam em lugares celestiais, elevados acima do mundo.

O mundo não representa mais nada para elas, ao compararem o que o mundo foi e o que o outro mundo é. Os santos não são apenas cidadãos honorários do reino de Cristo, mas são assessores dele.

Pelo auxílio da sua graça, eles foram elevados com Ele acima deste mundo para interagir com o outro mundo, e eles vivem em constante expectativa acerca desse outro mundo.

Eles não somente são servos do melhor mestre na melhor obra, mas são exaltados para reinar com Ele. Eles estão assentados no trono com Cristo, como Ele se assentou com seu Pai no seu trono. (Henry, Matthew, Comentário de Atos a Apocalipse)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});