Esdras - Bíblia de Estudo Online

Em Esdras 6, o escritor nos mostra qual o desfecho da carta enviada por Tatenai ao rei Dario, o medo. Como vimos em Esdras 5, as obras de reconstrução foram reativadas sem a permissão do rei.

O objetivo da carta do governador Tatenai, é saber se Dario permite que a obra continue. Após a leitura dos arquivos da Babilônia, Dario emite sua resposta oficial.

Ele é completamente favorável a obra do Templo. Mantém os decretos de Ciro, relacionados à obra, e amplia consideravelmente os benefícios aos judeus e a obra de reconstrução do Templo.

É possível que durante sua pesquisa, Dario tenha percebido a grandeza e o poder de Deus, pois ao final do decreto ele diz: “para que ofereçam sacrifícios agradáveis ao Deus dos céus e orem pelo bem-estar do rei e dos seus filhos”.

Após longos anos parada, a reconstrução do Templo retorna de maneira triunfante. Os inimigos ao redor, agora teriam de financiá-la por decreto do rei.

Observamos que é inútil lutar contra a obra de Deus. O Senhor em sua soberania não permite que o Diabo triunfe para sempre.

Do outro lado, os servos de Deus encorajados pela pregação de Ageu e Zacarias, trabalham de maneira empolgada e dedicada no projeto.

Com isso, a obra foi concluída no sexto ano do reinado de Dario, o medo. Uma grande festa de dedicação foi feita, com ofertas, holocaustos e louvores a Deus.

Além disso, cerca de cem anos depois, o povo de Deus celebra a Páscoa juntos. Eles, que viveram situações horríveis e dias de desesperança e dor, podiam contemplar o cumprimento da promessa de restauração.

O capítulo 6 encerra de maneira belíssima:

“Durante sete dias eles celebraram com alegria a festa dos pães sem fermento, pois o Senhor os enchera de alegria ao mudar o coração do rei da Assíria, levando-o a dar-lhes força para realizarem a obra de reconstrução do templo de Deus, o Deus de Israel”.

O Senhor encheu o coração do seu povo de alegria. Ele é aquele que restaura a nossa sorte e vontade de viver.

Esboço de Esdras 6:

6.1 – 6: A pesquisa de Dario

6.7 – 12: O decreto de Dario

6.13 – 16: Encorajados pela pregação

6.17,18: Dedicação do Templo

6.19 – 22: Celebração da Páscoa

 

Esdras 6.1 – 6: A pesquisa de Dario

  1. Tendo verificado o argumento apresentado pelos judeus, o rei Dario verificou que eles falavam a verdade;
  2. Não minta, sob nenhuma circunstância;
  3. Servimos ao Deus da verdade. A verdade é poderosa;
  4. O Diabo, pai da mentira, quer nos convencer que a verdade não pode ser dita em todos os casos, mas é mentira;
  5. A verdade é que o convém aos santos;
  6. A verdade liberta!

Esdras 6.7 – 12: O decreto de Dario

  1. A interferência dos inimigos foi o pretexto que o Senhor utilizou para promover o avanço de Sua obra e leva-la para o próximo estágio;
  2. Dario decretou que tudo o que fosse necessário para a reconstrução, deveria ser financiado pela tesouraria do reino;
  3. Diariamente suas necessidades deveriam ser cumpridas, nada deveria faltar;
  4. O objetivo do rei, com isso, era que o povo estivesse orando por ele, por seus e por toda sua família;
  5. Devemos ser instrumentos de benção sobre a vida daqueles que fazem parte da nossa vida de alguma forma. Quer estejam perto ou longe;
  6. O rei decretou que qualquer um que se opusesse à obra, deveria ser morto;
  7. A oposição virá, mas se formos fieis a Deus em nosso procedimento, seremos promovidos e tudo o que nos atrapalhava antes, ficará para trás.

Esdras 6.13 – 16: Encorajados pela pregação

  1. Encorajados pela pregação, os judeus concluíram a obra do Templo;
  2. Exponha sua vida ao encorajamento da palavra de Deus;
  3. Assim, você receberá força para desenvolver e concluir os bons projetos que o Senhor tem para sua vida.
  4. Muitos procuram encorajamento no lugar e nas pessoas erradas, mas quando nos voltamos para Deus, recebemos a força que precisamos.

Esdras 6.17,18: Dedicação do Templo

  1. A obra de Deus não pode ser feita sem Ele;
  2. Enquanto estiver sendo realizada ou concluída, deve ser consagrada a Ele;
  3. A obra é de Deus, não nossa.

Esdras 6.19 – 22: Celebração da Páscoa

  1. A Páscoa era uma festa sagrada para Israel que celebrava a saída do Egito e é um mandamento perpétuo para os judeus;
  2. O povo celebrou ao Senhor por sete dias a festa dos pães sem fermento, em reconhecimento ao agir de Deus para mudar o coração do rei da Assíria e liberar a reconstrução do Templo;
  3. Haverão muitos tempos de dificuldades e trabalhos intensos em nossas vidas, mas quando eles acabarem, devemos celebrar e descansar;
  4. Não inicie um novo projeto assim que terminar outro, passe um tempo celebrando e agradecendo a Deus pelo que Ele fez.

3 COMENTÁRIOS

  1. Nossa! Não conhecia ou lembrava desta parte estraordinaria da bíblia,estava aqui pedindo a Deus para falar comigo,encontrei esse tesouro.obrigado meu Deus! obrigado pastor, Deus possa te honrar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here