Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Ester 4 Estudo: A Responsabilidade de Ester

Em Ester 4, quando o decreto da morte dos judeus é oficialmente publicado em todas as províncias, Mardoqueu é tomado por um lamento e tristeza profundos.

A atitude dele, deve ser a nossa em momentos de caos na nossa nação, comunidade, povo. Precisamos amar nosso povo e nação.

Somos vozes proféticas levantadas para ser sal e luz. Se não resplandecermos tudo ao nosso redor será dominado por trevas e nós mesmo seremos tragados por ela.

Quando soube da tristeza de Mardoqueu, a rainha Ester ficou muito aflita, mas não sabia o motivo, e então mandou perguntar o que estava acontecendo.

O mensageiro foi até Mardoqueu e voltou a rainha com as respostas. Ele contou sobre o decreto da morte dos judeus e com instruções de seu pai adotivo, para que ela intercedesse junto ao rei.

Mas não era tão simples, havia um decreto que proibia a qualquer um ir a presença do rei sem ser chamado, e a pena podia ser a morte, a não ser que o Xerxes estendesse o cetro a Ester, simbolizando sua permissão a ela.

Quando soube das palavras da rainha, Mardoqueu disse:

“Não pense que pelo fato de estar no palácio do rei, você será a única entre os judeus que escapará, pois, se você ficar calada nesta hora, socorro e livramento surgirão de outra parte para os judeus, mas você e a família do seu pai morrerão. Quem sabe se não foi para um momento como este que você chegou à posição de rainha?”

Deus trabalha em nossa vida com o propósito de nos usar para o crescimento do seu Reino. Nossos dons, talentos, posição social, enfim, fomos geográfica e estrategicamente colocados por Deus em posições nas quais sejamos uma influência do Reino de Deus.

Quando nos omitimos a esse chamado, pecamos. A omissão é sinônimo de incredulidade e pecado.

As palavras de Mardoqueu à Ester são profundas. Ele cria que socorro viria de Deus para os judeus, e talvez ele quisesse usá-la. Mas caso ela se recusasse o Senhor levantaria outra pessoa, mas qual seria o seu futuro?

Devemos pensar sobre isso quando fomos tentados à covardia. O que será de nós?

A partir disso, Ester se posiciona e pede a ele e todos os judeus que permaneçam em jejum e oração por três dias, ela fará o mesmo. O objetivo é que o Deus eterno se compadeça.

Em momentos de crise, o desespero não é a solução. Devemos orar e jejuar profundamente diante do Senhor, com o objetivo de que Ele interceda e mude o decreto do mal.

Esboço de Ester 4:

Ester 4.1 – 5: Mardoqueu chora amargamente

Ester 4.6 – 14: A responsabilidade de Ester

Ester 4.15 – 17: As instruções de Ester

 

Foi Para Essa Hora

“Quando Mardoqueu recebeu a resposta de Ester, mandou dizer-lhe: “Não pense que pelo fato de estar no palácio do rei, de todos os judeus só você escapará, pois, se você ficar calada nesta hora, socorro e livramento surgirão de outra parte para os judeus, mas você e a família de seu pai morrerão. Quem sabe se não foi para um momento como este que você chegou à posição de rainha? ” (Ester 4:12-14)

Ester responde a Mardoqueu que não podia, sem grande perigo de vida, comparecer diante do rei, e que, portanto, ele colocava um grande fardo sobre ela com essa incumbência.

Ela de bom grado serviria, de bom grado se rebaixaria, para ajudar os judeus; mas se deve correr o risco de ser executada como uma malfeitora, ela bem podia dizer, rogo-te que me hajas por escusado, e encontrar algum outro intercessor.

Não Sem Ser Chamado

A lei era clara, e todos a conheciam, a saber, que qualquer pessoa que comparecesse diante do rei, sem ser chamada, seria morta, a não ser que o rei estenda para ele o cetro de ouro, e era extremamente difícil determinar se ela o encontraria em tal estado de bom humor (Ester 4.11).

Essa lei foi criada, não tanto por prudência, para maior segurança da pessoa do rei, quanto por orgulho, para que, pouco se o vendo, e isto apenas com grande dificuldade, ele viesse a ser adorado como a um pequeno deus.

Tratava-se de uma lei tola; pois isso deixava os reis infelizes, confinando-os a seus isolamentos por receio de que fossem vistos. Isso fazia do palácio real pouco mais que uma prisão real, e os reis só podiam acabar ficando rabugentos, e talvez melancólicos, e, portanto, um terror para os outros e um fardo para si mesmos.

A Consequência

Muitos têm a vida miserável por causa de sua própria altivez e má inclinação. Isso era ruim para os súditos; pois que bem lhes fazia um rei a quem não tinham a liberdade de recorrer para eventuais retificações, e a quem não pudessem apelar por meio de juízes?

Não é assim na corte do Rei dos reis; ao seu trono de graça podemos chegar com confiança, a qualquer tempo, e podemos estar certos de uma resposta de paz à oração de fé.

Somos bem-vindos, não apenas ao pátio interno, mas até mesmo ao Santo dos Santos, através do sangue de Jesus. Para as esposas, particularmente, isso era muito desconfortável (pois não havia cláusula na lei que as excetuasse), elas que eram osso dos seus ossos e cante da sua carne.

Mas talvez a lei fosse perversamente tencionada, tanto como contra qualquer outro, contra elas, para que os reis pudessem desfrutar mais livremente de suas concubinas, e Ester o sabia. Miserável era o reino quando seus príncipes moldavam as leis para servir à sua luxúria.

No Caso de Ester

O caso de Ester, nesse momento, era desanimador. A Providência ordenara as coisas de tal modo que, justamente a essa altura dos acontecimentos, ela se encontrasse sob uma nuvem, e as afeições do rei por ela se esfriassem.

Pois estes trinta dias não fora chamada para entrar ao rei, para que sua fé e coragem fossem mais bem provadas, e para que a bondade de Deus, não obstante a boa vontade que o rei tinha para com ela no momento, viesse a brilhar com mais esplendor.

É provável que Hamã tenha tentado distrair o rei com mulheres e vinho, para que não pensasse no que fizera, e Ester tenha então sido negligenciada, Hamã tendo feito o que pôde para afastá-la do rei, pois sabia que ela lhe era adversa. (Henry, Matthew, Comentário de Josué a Ester)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});