Gênesis 22 Estudo: Deus Pede Isaque Como Sacrifício

O maior teste na vida de Abraão (Deus o testou) veio depois que ele recebeu a semente prometida após uma longa espera. O teste foi muito real: ele deveria devolver Isaque a Deus. Como teste, foi projetado para provar a fé. E para que fosse um teste real, tinha que desafiar a lógica; tinha que ser algo que Abraão queria resistir.

Deus havia dito ao patriarca para enviar Ismael embora (21:12-13), e agora Ele disse a Abraão para sacrificar Isaque. Abraão tinha enviado voluntariamente Ismael embora, mas ele não queria matar Isaque.

Uma coisa é afirmar confiar na palavra de Deus quando espera por algo; outra coisa é confiar e obedecer à Sua palavra depois de ser recebida. Este foi um teste de quanto Abraão obedeceria à palavra de Deus.

Ele se apegaria ao menino agora que ele o tinha, ou ele ainda obedeceria e o devolveria ao Senhor? Em outras palavras, até onde Abraão iria em obediência? Ele realmente acreditava que Deus ainda manteria Sua palavra e levantaria a semente da promessa?

Há conexões óbvias com as palavras anteriores de Deus para Abraão sair e ir para a terra que Deus lhe mostraria (12:1–3). Mas neste lembrete sutil do chamado original, Deus também o lembrou do cumprimento, que tornou o teste tão difícil: Leve seu filho, seu único filho Isaac [“risos”] a quem você ama (Gênesis 22:2).

A ordem de sacrificar seu próprio filho como holocausto teria, sem dúvida, parecido totalmente irracional (embora o sacrifício de crianças fosse conhecido em Canaã). Como então poderia Deus cumprir as promessas que Ele fez anteriormente (12:1-3), para não falar da perda emocional de Abraão de seu único filho, nascido para ele tão tarde na vida? (1)

Esboço de Gênesis 22:

 22.1,2: Deus pede Isaque como sacrifício

22.3 – 10: A obediência de Abraão

22.11 – 14: O sacrifício é interrompido

22.15 – 19: Deus confirma a promessa a Abraão

22.20 – 24: Os parentes de Abraão

 

Gênesis 22.1,2: Deus pede Isaque como sacrifício

1 Passado algum tempo, Deus pôs Abraão à prova, dizendo-lhe: “Abraão!” Ele respondeu: “Eis-me aqui”.

2 Então disse Deus: “Tome seu filho, seu único filho, Isaque, a quem você ama, e vá para a região de Moriá. Sacrifique-o ali como holocausto num dos montes que lhe indicarei”.

Gênesis 22.3 – 10: A obediência de Abraão

3 Na manhã seguinte, Abraão levantou-se e preparou o seu jumento. Levou consigo dois de seus servos e Isaque, seu filho. Depois de cortar lenha para o holocausto, partiu em direção ao lugar que Deus lhe havia indicado.

4 No terceiro dia de viagem, Abraão olhou e viu o lugar ao longe.

5 Disse ele a seus servos: “Fiquem aqui com o jumento enquanto eu e o rapaz vamos até lá. Depois de adorarmos, voltaremos”.

6 Abraão pegou a lenha para o holocausto e a colocou nos ombros de seu filho Isaque, e ele mesmo levou as brasas para o fogo, e a faca. E caminhando os dois juntos,

7 Isaque disse a seu pai Abraão: “Meu pai!” “Sim, meu filho”, respondeu Abraão. Isaque perguntou: “As brasas e a lenha estão aqui, mas onde está o cordeiro para o holocausto?”

8 Respondeu Abraão: “Deus mesmo há de prover o cordeiro para o holocausto, meu filho”. E os dois continuaram a caminhar juntos.

9 Quando chegaram ao lugar que Deus lhe havia indicado, Abraão construiu um altar e sobre ele arrumou a lenha. Amarrou seu filho Isaque e o colocou sobre o altar, em cima da lenha.

10 Então estendeu a mão e pegou a faca para sacrificar seu filho.

Gênesis 22.11 – 14: O sacrifício é interrompido

11 Mas o Anjo do Senhor o chamou do céu: “Abraão! Abraão!” “Eis-me aqui”, respondeu ele.

12 “Não toque no rapaz”, disse o Anjo. “Não lhe faça nada. Agora sei que você teme a Deus, porque não me negou seu filho, o seu único filho.”

13 Abraão ergueu os olhos e viu um carneiro preso pelos chifres num arbusto. Foi lá pegá-lo, e o sacrificou como holocausto em lugar de seu filho.

14 Abraão deu àquele lugar o nome de “O Senhor Proverá”. Por isso até hoje se diz: “No monte do Senhor se proverá”.

Gênesis 22.15 – 19: Deus confirma a promessa a Abraão

15 Pela segunda vez o Anjo do Senhor chamou do céu a Abraão

16 e disse: “Juro por mim mesmo”, declara o Senhor, “que por ter feito o que fez, não me negando seu filho, o seu único filho,

17 esteja certo de que o abençoarei e farei seus descendentes tão numerosos como as estrelas do céu e como a areia das praias do mar. Sua descendência conquistará as cidades dos que lhe forem inimigos

18 e, por meio dela, todos os povos da terra serão abençoados, por­que você me obedeceu.

19 Então voltou Abraão a seus servos, e juntos partiram para Berseba, onde passou a viver.

Gênesis 22.20 – 24: Os parentes de Abraão

20 Passado algum tempo, disseram a Abraão que Milca dera filhos a seu irmão Naor:

21 Uz, o mais velho, Buz, seu irmão, Quemuel, pai de Arã,

22 Quésede, Hazo, Pildas, Jidlafe e Betuel,

23 pai de Rebeca. Estes foram os oito filhos que Milca deu a Naor, irmão de Abraão.

24 E sua concubina, chamada Reumá, teve os seguintes filhos: Tebá, Gaã, Taás e Maaca.

 

Referências:

Ross, A. P. (1985). Genesis. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 64). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here