Gênesis 39 Estudo: O Senhor Estava Com José

Após a importante digressão na história da família de Judá (Gênesis 38), a narrativa retorna a José que havia prosperado sob a benção de Deus e se tornado o assistente ou mordomo da casa de Potifar (Gênesis 39:1-6a).

Potifar era o capitão da guarda do faraó. Este faraó provavelmente foi Sesostris II (1897-1879 a.C.). A presença de José também foi o meio da bênção de Deus para Potifar.

A mulher de Potifar

No entanto, Deus testou José com a esposa de Potifar para ver se ele era obediente. Quando ela tentou o belo José, ele se recusou a ir para a cama com ela, pois isso seria um pecado contra Deus e seu mestre (Gênesis 39:6b-10).

Ele então deliberadamente e sabiamente procurou evitar seus avanços diários, recusando-se a estar perto dela. Sua recusa foi reforçada porque ele estava convencido de que Deus o havia chamado para uma tarefa especial – ele havia visto evidências disso em sua ascensão da escravidão. Se alguém é quer cumprir e viver o plano de Deus, ele precisa rejeitar o pecado.

A esposa de Potifar, humilhada pela recusa de José por ela, inventou uma mentira para acusá-lo de agredi-la. Ela mostrou a seus empregados domésticos e depois a Potifar o traje que José deixou quando fugiu de seus persistentes avanços.

Esta foi a segunda vez que a roupa de José foi usada para trazer um relato falso sobre ele (ver 37:31–33). Em ambos os casos, ele estava servindo fielmente. Mas em ambos os casos, José acabou em cativeiro.

José na prisão

José prosperou na prisão pelo favor de Deus. Como resultado, o carcereiro colocou José no comando da prisão. José havia prosperado sob a benção de Deus na casa de Potifar e foi colocado no comando, e aqui novamente ele prosperou sob Deus e foi colocado no comando (Gênesis 39:20b-23). Por quatro vezes, este capítulo afirma que o Senhor estava com José (vv. 2: 3, 21, 23).

Este capítulo mostra que José era um servo fiel de Deus. Com os sonhos de prosperidade em sua memória (37:6–7, 9), permaneceu fiel ao Senhor, em vez de ceder à tentação ao primeiro vislumbre de sua ascensão ao poder.

Os sábios governantes reconhecem que a fidelidade a Deus é o primeiro requisito de um rei ideal. Israel também aprenderia que ela deveria permanecer fiel ao Senhor, apesar das consequências, que incluíam o sofrimento dos justos.

Esta história é semelhante ao conselho dado frequentemente em Provérbios pelo rei Salomão. É loucura ceder às tentações de uma mulher ou homem lisonjeiro e arruinar todas as perspectivas de uma vida de serviço a Deus.

O caminho da sabedoria é considerar o custo do pecado. José não cedeu à tentação porque estava convencido de que Deus tinha algo maravilhoso para ele fazer. José não jogaria fora as bênçãos de Deus pelos prazeres do pecado. Tampouco ficou perturbado porque sofreu por sua fidelidade. Deus iria finalmente honrá-lo como Ele havia prometido.

Esboço de Gênesis 39:

39.1 – 6: José na casa de Potifar

39.7 – 12: A mulher de Potifar

39.13 – 19: José é falsamente acusado

39.20 – 23: José é lançado na prisão 

 

Gênesis 39.1 – 6: José na casa de Potifar

1 José havia sido levado para o Egito, onde o egípcio Potifar, oficial do faraó e capitão da guarda, comprou-o dos ismaelitas que o tinham levado para lá.

2 O Senhor estava com José, de modo que este prosperou e passou a morar na casa do seu senhor egípcio.

3 Quando este percebeu que o Senhor estava com ele e que o fazia prosperar em tudo o que realizava,

4 agradou-se de José e tornou-o administrador de seus bens. Potifar deixou a seu cuidado a sua casa e lhe confiou tudo o que possuía.

5 Desde que o deixou cuidando de sua casa e de todos os seus bens, o Senhor abençoou a casa do egípcio por causa de José. A bênção do Senhor estava sobre tudo o que Potifar possuía, tanto em casa como no campo.

6 Assim, deixou ele aos cuidados de José tudo o que tinha, e não se preocupava com coisa alguma, exceto com sua própria comida. José era atraente e de boa aparência,

Gênesis 39.7 – 12: A mulher de Potifar

7 e, depois de certo tempo, a mulher do seu senhor começou a cobiçá-lo e o convidou: “Venha, deite-se comigo!”

8 Mas ele se recusou e lhe disse: Meu senhor não se preocupa com coisa alguma de sua casa, e tudo o que tem deixou aos meus cuidados.

9 Ninguém desta casa está acima de mim. Ele nada me negou, a não ser a senhora, porque é a mulher dele. Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra Deus?

10 Assim, embora ela insistisse com José dia após dia, ele se recusava a deitar-se com ela e evitava ficar perto dela.

11 Um dia ele entrou na casa para fazer suas tarefas, e nenhum dos empregados ali se encontrava.

12 Ela o agarrou pelo manto e voltou a convidá-lo: “Vamos, deite-se comigo!” Mas ele fugiu da casa, deixando o manto na mão dela.

Gênesis 39.13 – 19: José é falsamente acusado

13 Quando ela viu que, ao fugir, ele tinha deixado o manto em sua mão,

14 chamou os empregados e lhes disse: Vejam, este hebreu nos foi trazido para nos insultar! Ele entrou aqui e tentou abusar de mim, mas eu gritei.

15 Quando me ouviu gritar por socorro, largou seu manto ao meu lado e fugiu da casa.

16 Ela conservou o manto consigo até que o senhor de José chegasse à casa.

17 Então repetiu-lhe a história: Aquele escravo hebreu que você nos trouxe aproximou-se de mim para me insultar.

18 Mas, quando gritei por socorro, ele largou seu manto ao meu lado e fugiu.

19 Quando o seu senhor ouviu o que a sua mulher lhe disse: “Foi assim que o seu escravo me tratou”, ficou indignado.

Gênesis 39.20 – 23: José é lançado na prisão

20 Mandou buscar José e lançou-o na prisão em que eram postos os prisioneiros do rei. José ficou na prisão,

21 mas o Senhor estava com ele e o tratou com bondade, concedendo-lhe a simpatia do carcereiro.

22 Por isso o carcereiro encarregou José de todos os que estavam na prisão, e ele se tornou responsável por tudo o que lá sucedia.

23 O carcereiro não se preocupava com nada do que estava a cargo de José, porque o Senhor estava com José e lhe concedia bom êxito em tudo o que realizava.

 

Referências:

Ross, A. P. (1985). Genesis. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 90). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here