Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Gênesis 44 Estudo: José Humilha Seus Irmãos

José, tendo recebido os seus irmãos, os despediu. Mas em Gênesis 44 nós os vemos em um temor maior do que qualquer temor que já tivessem sentido.

O método que ele usou, tanto para humilhá-los ainda mais, como para pôr à prova o afeto deles pelo seu irmão Benjamim, pois com isto ele seria capaz de julgar a sinceridade do seu arrependimento pelo que tinham feito contra ele mesmo, e com este ele desejava dar-se por satisfeito antes de manifestar a sua reconciliação com eles.

Ele planejou isto, trazendo uma aflição a Benjamim, v.v. 1-17. O sucesso da experiência. Ele descobriu que todos eles estavam sinceramente preocupados, e Judá em particular, tanto pela segurança de Benjamim quanto pelo consolo do seu velho pai, v. 18ss. (Henry, Matthew, Comentário do Pentateuco)

Esboço de Gênesis 44:

Gênesis 44.1 – 3: A trama de José

Gênesis 44.4 – 12: A bagagem de Benjamim

Gênesis 44.13 – 17: José humilha seus irmãos

Gênesis 44.18 – 34: A súplica de Judá

 

Gênesis 44.1 – 3: A trama de José

1 José deu as seguintes ordens ao administrador de sua casa: Encha as bagagens desses homens com todo o mantimento que puderem carregar e coloque a prata de cada um na boca de sua bagagem.

2 Depois coloque a minha taça, a taça de prata, na boca da bagagem do caçula, junto com a prata paga pelo trigo. E ele fez tudo conforme as ordens de José.

3 Assim que despontou a manhã, despediram os homens com os seus jumentos.

Gênesis 44.4 – 12: A bagagem de Benjamim

4 Ainda não tinham se afastado da cidade, quando José disse ao administrador de sua casa: Vá atrás daqueles homens e, quando os alcançar, diga-lhes: Por que retribuíram o bem com o mal?

5 Não é esta a taça que o meu senhor usa para beber e para fazer adivinhações? Vocês cometeram grande maldade!

6 Quando ele os alcançou, repetiu-lhes essas palavras.

7 Mas eles lhe responderam: Por que o meu senhor diz isso? Longe dos seus servos fazer tal coisa!

8 Nós lhe trouxemos de volta, da terra de Canaã, a prata que encontramos na boca de nossa bagagem. Como roubaríamos prata ou ouro da casa do seu senhor?

9 Se algum dos seus servos for encontrado com ela, morrerá; e nós, os demais, seremos escravos do meu senhor.

10 E disse ele: “Concordo. Somente quem for encontrado com ela será meu escravo; os demais estarão livres”.

11 Cada um deles descarregou depressa a sua bagagem e abriu-a.

12 O administrador começou então a busca, desde a bagagem do mais velho até a do mais novo. E a taça foi encontrada na bagagem de Benjamim.

Gênesis 44.13 – 17: José humilha seus irmãos

13 Diante disso, eles rasgaram as suas vestes. Em seguida, todos puseram a carga de novo em seus jumentos e retornaram à cidade.

14 Quando Judá e seus irmãos chegaram à casa de José, ele ainda estava lá. Então eles se lançaram ao chão perante ele.

15 E José lhes perguntou: “Que foi que vocês fizeram? Vocês não sabem que um homem como eu tem poder para adivinhar?”

16 Respondeu Judá: “O que diremos a meu senhor? Que podemos falar? Como podemos provar nossa inocência? Deus trouxe à luz a culpa dos teus servos. Agora somos escravos do meu senhor, como também aquele que foi encontrado com a taça”.

17 Disse, porém, José: “Longe de mim fazer tal coisa! Somente aquele que foi encontrado com a taça será meu escravo. Os demais podem voltar em paz para a casa do seu pai”.

Gênesis 44.18 – 34: A súplica de Judá

18 Então Judá dirigiu-se a ele, dizendo: Por favor, meu senhor, permite-me dizer-te uma palavra. Não se acenda a tua ira contra o teu servo, embora sejas igual ao próprio faraó.

19 Meu senhor perguntou a estes seus servos se ainda tínhamos pai e algum outro irmão.

20 E nós respondemos: Temos um pai já idoso, cujo filho caçula nasceu-lhe em sua velhice. O irmão deste já morreu, e ele é o único filho da mesma mãe que restou, e seu pai o ama muito.

21 Então disseste a teus servos que o trouxessem a ti para que os teus olhos pudessem vê-lo.

22 E nós respondemos a meu senhor que o jovem não poderia deixar seu pai, pois, caso o fizesse, seu pai morreria.

23 Todavia disseste a teus servos que se o nosso irmão caçula não viesse conosco, nunca mais veríamos a tua face.

24 Quando voltamos a teu servo, a meu pai, contamos-lhe o que o meu senhor tinha dito.

25 Quando o nosso pai nos mandou voltar para comprar um pouco mais de comida,

26 nós lhe dissemos: Só poderemos voltar para lá, se o nosso irmão caçula for conosco. Pois não pode­remos ver a face daquele homem, a não ser que o nosso irmão caçula esteja conosco.

27 Teu servo, meu pai, nos disse então: “Vocês sabem que minha mulher me deu apenas dois filhos.

28 Um deles se foi, e eu disse: Com certeza foi despedaçado. E até hoje, nunca mais o vi.

29 Se agora vocês também levarem este de mim, e algum mal lhe acontecer, a tristeza que me causarão fará com que os meus cabelos brancos desçam à sepultura”.

30 Agora, pois, se eu voltar a teu servo, a meu pai, sem levar o jovem conosco, logo que meu pai, que é tão apegado a ele,

31 perceber que o jovem não está conosco, morrerá. Teus servos farão seu velho pai descer seus cabelos brancos à sepultura com tristeza.

32 Além disso, teu servo garantiu a segurança do jovem a seu pai, dizendo-lhe: Se eu não o trouxer de volta, suportarei essa culpa diante de ti pelo resto da minha vida!

33 Por isso agora te peço, por favor, deixa o teu servo ficar como escravo do meu senhor no lugar do jovem e permite que ele volte com os seus irmãos.

34 Como poderei eu voltar a meu pai sem levar o jovem comigo? Não! Não posso ver o mal que sobreviria a meu pai.

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});

O jesuseabiblia.com tem uma nova Política de Privacidade e Cookies Saiba mais.