Bíblia de Estudo Online

Hebreus 1 Estudo: A Superioridade do Filho de Deus

Em Hebreus 1, o autor começa exaltando a pessoa de Jesus Cristo. Ele declara que no passado Deus falou por meio dos profetas, mas nos últimos dias nos fala por meio do Filho de Deus.

Com isso ele mostra porque o Filho de Deus é superior aos anjos, o Filho é a expressão exata de Deus Pai. O Filho representa toda a divindade.

E por que isso aconteceu? Porque o Filho de Deus é superior a todos em justiça e santidade. Veio ao mundo foi tentado em tudo pelo Diabo, sofreu no Getsêmanifoi crucificado e ressuscitou ao terceiro dia porque a morte não pode contê-lo.

Esboço de Hebreus 1:

Hebreus 1.1 – 4: O Filho de Deus é superior

Hebreus 1.5 – 8: O Filho de Deus é superior aos anjos

Hebreus 1.9 – 14: O Filho de Deus ama a justiça

 

Deus Falou e Fala

“Há muito tempo Deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo”. (Hebreus 1.1,2)

A forma em que Deus se comunicou a si mesmo e a sua vontade aos homens no Antigo Testamento. Temos aqui um relato das pessoas por meio de quem Deus revelou a sua mente na época do Antigo Testamento.

Eram os profetas, isto é, pessoas escolhidas por Deus, e capacitadas por Ele, para essa missão de revelar a vontade de Deus aos homens. Nenhum homem toma essa honra para si, a não ser que seja chamado; e todos os que são chamados por Deus são capacitados por Ele.

Das pessoas a quem Deus falou por meio dos profetas: aos pais, a todos os santos do Antigo Testamento que estavam sob essa dispensação. Deus os favoreceu e honrou com luz muito mais clara do que a da natureza, sob a qual foi deixado o restante do mundo.

Da ordem com que Deus falou aos homens naqueles tempos que existiram antes do evangelho, aqueles tempos passados: Ele falou ao seu povo antigo “…muitas vezes e de muitas maneiras”.

Muitas Vezes…

Muitas vezes, ou por diversas partes, pois é o que significa a palavra, que pode ser uma referência ou às diversas épocas da dispensação do Antigo Testamento – a patriarcal, a mosaica e a profética – ou à abertura gradual da sua mente com relação ao Redentor: a Adão, que o Messias deveria vir da semente da mulher.

A Abraão, que Ele deveria vir do corpo dele; a Jacó, que seria da tribo de Judá; a Davi, que seria da sua casa; a Miquéias, que nasceria em Belém; a Isaías, que nasceria de uma virgem.

De Muitas Maneiras

De muitas maneiras, de acordo com as diferentes maneiras em que Deus considerou adequado comunicar a sua mente aos seus profetas.

Às vezes por inspirações do seu Espírito, às vezes por sonhos, às vezes por visões, às vezes por uma voz audível, às vezes por meio de caracteres legíveis escritos por sua própria mão, como quando escreveu os Dez Mandamentos em tábuas de pedra.

Acerca de algumas dessas formas o próprio Deus apresentou um relato em Números 12.6-8: “Se entre vós houver profeta, eu, o Senhor, em visão a ele me farei conhecer ou em sonhos falarei com ele.

Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa. Boca a boca falo com ele, e de vista, e não por figuras”.

O método que Deus usa para comunicar a sua X mente e vontade sob a dispensação do Novo Testamento, nestes últimos dias, como eles são chamados, isto é, ou em relação ao fim do mundo ou em relação ao fim do estado judeu.

Os Últimos Tempos

Os tempos do evangelho são os últimos tempos, a revelação do evangelho é a última que devemos esperar de Deus. Primeiro houve a revelação natural; depois, a patriarcal, por meio de sonhos, visões e vozes.

Então, a mosaica, na lei promulgada e escrita; depois, a profética, ao explicar a lei e fornecer descobertas mais claras de Cristo. Mas agora não devemos esperar uma nova revelação, mas somente mais do Espírito de Cristo para nos ajudar a entender melhor o que já está revelado.

Agora, a excelência da revelação do evangelho em comparação com as dispensações anteriores consiste em duas coisas e a revelação final, conclusiva.

Dada nos últimos dias da revelação divina, à qual nada deve ser acrescentado, mas o Cânon das Escrituras deve ser estabelecido e selado, de modo que agora a mente dos homens não deve estar mais em suspense em virtude da expectativa de novas descobertas.

Mas deve rejubilar na completa revelação da vontade de Deus, tanto normativa quanto providencial, tanto quanto for necessário que eles conheçam para a sua direção e conforto. Pois o evangelho inclui uma descoberta dos grandes eventos que acometerão a igreja de Deus no fim do mundo. (Henry, Matthew, Comentário de Atos a Apocalipse)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

2 Comentários

  1. Afonso Lagares disse:

    Olá Diego Nascimento boa noite estou amando seus Estudos, muito bom parabéns vou aprender muito com vc, olha estou precisando de um bom Cerimonial de casamento gostaria pedir-le uma ajuda caso vc possa ajudar-me no mais estou muito grato a Deus pelos estudos, Deus abençoa vc. Pr Afonso Lagares de Oliveira.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.