Em Isaías 61, observamos o trecho que o Senhor Jesus mencionou em sua leitura na sinagoga em Lucas 4.17- 21, e declarou que nele esta profecia se cumpria.

Fica muito claro, que parte do ministério de Jesus Cristo seria comunicar esperança a todas as nações. Consolar o coração quebrantado, anunciar liberdade, proclamar a glória eterna do Reino de Deus, enfim. A mensagem do Messias traria vida aos seus ouvintes.

Vivemos em um mundo cercado por más notícias. Morte, destruição, desolação, sofrimento, injustiça. A Palavra de Deus se contrapõe a tudo isso e nos comunica vida e esperança. A nossa alma, anteriormente vestida de pesar e dor, agora é restaurada pela esperança, cura e alergia.

Temos um Deus bom!

Sua mensagem nos reveste de salvação e vida. Agora, podemos acordar todos os dias e crer que há um bom projeto de Deus preparado para nós, além de sofrimento e angústia.

 

Esboço de Isaías 61:

Isaías 61.1 – 3: As boas novas

Isaías 61.4 – 9: Restauração das ruínas

Isaías 61.10,11: Vestes de salvação

 

A Missão do Messias

O Espírito do Soberano, o Senhor, está sobre mim, porque o Senhor ungiu-me para levar boas notícias aos pobres. Enviou-me para cuidar dos que estão com o coração quebrantado, anunciar liberdade aos cativos e libertação das trevas aos prisioneiros, para proclamar o ano da bondade do Senhor e o dia da vingança do nosso Deus; para consolar todos os que andam tristes, e dar a todos os que choram em Sião uma bela coroa em vez de cinzas, o óleo da alegria em vez de pranto, e um manto de louvor em vez de espírito deprimido. Eles serão chamados carvalhos de justiça, plantio do Senhor, para manifestação da sua glória. (Isaías 61.1 – 3)

Jesus é o melhor expositor da Escritura, e nos deu sem dúvida a melhor exposição desses versículos, e até o nosso Senhor Jesus, que a leu na Sinagoga de Nazaré (talvez tivesse sido a lição daquele dia) e a aplicou inteiramente a si mesmo, disse: “Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos” (Lucas 4.17,18,21).

E as bondosas palavras que saíram da sua boca na abertura desse texto foram admiradas por todos que as ouviram.

Da mesma maneira como Isaías foi autorizado e dirigido a proclamar a liberdade para os judeus quando estavam na Babilônia, Cristo, que é o mensageiro de Deus, foi autorizado a anunciar, ao mundo perdido, um evento repleto de alegria.

Preparado Para a Missão

Ele foi preparado e qualificado para essa missão: “O Espírito do Senhor Jeová está sobre mim” (Isaías 61.1). Os profetas tinham o Espírito de Deus para levá-los a agir, ensinando-os por vezes e dando-lhes estímulo para agir.

O Espírito sempre repousava sobre Cristo sem medida, mas com o mesmo intento que o fazia sobre os profetas: como o Espírito de conselho e de fortaleza (Isaías 11.1-3).

Quando Cristo começou a executar sua missão profética, o Espírito, como uma pomba, desceu sobre Ele (Mateus 3.16).

Ele transmitiu esse Espírito, que estava sobre si, àqueles que enviou para proclamar as mesmas notícias felizes, dizendo-lhes, quando informava sobre a sua missão: “Recebei o Espírito Santo”. E assim, a concessão deste precioso Espírito foi ratificada.

A Missão do Pai

Como Ele foi nomeado e enviado para essa missão: “O Espírito do Senhor Jeová está sobre mim, porque o Senhor me ungiu”.

Ele recebeu de Deus Pai a missão da qual havia sido incumbido; portanto, Ele tinha em si o Espírito por ter sido, através de uma sagrada e solene unção, escolhido para essa grande missão, como antigamente os reis e os sacerdotes eram designados à sua missão através de uma unção.

Assim sendo, o Redentor recebeu o nome de Cristo, o Messias, porque havia sido ungido com óleo da alegria, mais do que seus companheiros.

O nosso Senhor Jesus veio porque havia sido enviado, Ele tinha uma incumbência que era a fonte do poder.

O Pai o havia enviado e lhe dado uma ordem. Isso representa uma grande satisfação para nós porque qualquer coisa que Cristo dissesse tinha a garantia do céu, sua doutrina não era dele, mas daquele que o havia enviado.

Qual Era a Missão?

Ele seria um pregador, e deveria exercer o ofício de profeta. Ele estava tão satisfeito com a boa vontade que Deus Pai havia demonstrado para com os homens por seu intermédio.

Que desejou ser o seu pregador, para que dessa maneira fosse conferida uma honra ao ministério do Evangelho, e para que a fé dos santos pudesse ser confirmada e encorajada.

Ele devia “pregar boas-novas (assim dizia o Evangelho) aos mansos”, aos penitentes e aos pobres de espírito. A eles, a notícia de um Redentor significaria, realmente, boas novas, o puro Evangelho digno de toda aceitação.

Geralmente, os pobres têm uma boa disposição para receber o Evangelho (Tiago 2.5) e, provavelmente, dele vamos nos beneficiar quando o recebermos com humildade; isto sempre ocorre.

A esses pobres, Cristo pregou as boas novas quando disse: “Bem-aventurados os mansos.”

Ele Deveria Curar

Ele havia sido enviado para “restaurar os contritos de coração” e envolver os membros doloridos para aliviá-los, da mesma maneira como os ossos quebrados e as feridas abertas são envolvidos para poderem se fundir e fechar novamente.

Aqueles cujo coração foi rompido pelo pecado, que foram verdadeiramente humilhados sob o sentido da culpa e do temor da ira, recebem o Evangelho de Cristo com o qual irão se acalmar e silenciar os seus temores.

Somente aqueles que experimentaram as dores da contrição de uma penitência podem esperar gozar o prazer dos incentivos e das consolações divinas.

Ele seria Um Libertador

Ele foi enviado como profeta para pregar, como um sacerdote para curar e como um rei para fazer proclamações.

Proclamações de paz aos seus amigos. Ele irá proclamar “liberdade aos cativos” (como Ciro fez com os judeus que estavam no cativeiro) “e a abertura de prisão aos presos”.

Embora, por causa da culpa do pecado, estejamos presos à justiça de Deus, sendo seus legítimos prisioneiros, vendidos pelo pecado até que seja feito o resgate desse grande débito.

Cristo nos permite saber que Ele indenizou a justiça divina por este débito e que essa indenização foi aceita.

E se a implorarmos, e dependermos dela, e dedicarmos a Ele tudo que somos e tudo o que temos, cheios de gratidão pelo que Ele fez por nós, poderemos, pela fé, implorar o nosso perdão e nos consolarmos com ele.

Não existe, nem existirá, qualquer condenação para nós. (Henry, Matthew, Comentário de Atos a Apocalipse)

1 COMENTÁRIO

  1. Primeiramente gostaria de agradecer por esse tão esclarecedor estudo e também direcionador. Que Deus os continue usando cada vez mais como poderosas ferramentas no que se refere ao ensino da palavra de Deus…. Muito obrigado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here