Jó 14 Estudo: A Vida é Curta e Frágil

Os poucos dias do homem são problemáticos, perturbados (Jó 14:1–4) e breves como uma flor murcha e sombra murcha (ver 8:9; Eclesiastes 6:12), constantemente sob o exame de Deus (cf. Jó 7:20), e basicamente impuros (cf. Jó 7:20); 9:30-31; 25: 4).

Não só a vida do homem é curta; seus dias e meses são determinados por Deus, com limites de tempo além dos quais ele não pode ir. Visto que o homem é tão cercado e seus dias tão efêmeros, o mínimo que Deus poderia fazer seria se afastar de contemplar o homem (ver 7.19; 10.20) e não importuná-lo. (1)

Esboço de Jó 14:

14.1 – 6: A vida é curta e frágil

14.7 – 15: O ser humano e a morte

14.16 – 22: Esperança destruída 

 

Jó 14.1 – 6: A vida é curta e frágil

1 O homem nascido de mulher vive pouco tempo e passa por muitas dificuldades.

2 Brota como a flor e murcha. Vai-se como a sombra passageira; não dura muito.

3 Fixas o olhar num homem desses? E o trarás à tua presença para julgamento?

4 Quem pode extrair algo puro da impureza? Ninguém!

5 Os dias do homem estão determinados; tu decretaste o número de seus meses e estabeleceste limites que ele não pode ultrapassar.

6 Por isso desvia dele o teu olhar, e deixa-o, até que ele cumpra o seu tempo como o trabalhador contratado.

Jó 14.7 – 15: O ser humano e a morte

7 Para a árvore pelo menos há esperança: se é cortada, torna a brotar, e os seus renovos vingam.

8 Suas raízes poderão envelhecer no solo e seu tronco morrer no chão;

9 ainda assim, com o cheiro de água ela brotará e dará ramos como se fosse muda plantada.

10 Mas o homem morre, e morto permanece; dá o último suspiro e deixa de existir.

11 Assim como a água do mar evapora e o leito do rio perde as águas e seca,

12 assim o homem se deita e não se levanta; até quando os céus já não existirem, os homens não acordarão e não serão despertados do seu sono.

13 Se tão-somente me escondesses na sepultura e me ocultasses até passar a tua ira! Se tão-somente me impusesses um prazo e depois te lembrasses de mim!

14 Quando um homem morre, acaso tornará a viver? Durante todos os dias do meu árduo labor esperarei pela minha dispensa.

15 Chamarás, e eu te responderei; terás anelo pela criatura que as tuas mãos fizeram.

Jó 14.16 – 22: Esperança destruída

16 Por certo contarás então os meus passos, mas não tomarás conhecimento do meu pecado.

17 Minhas faltas serão encerradas num saco; tu esconderás a minha iniquidade.

18 Mas, assim como a montanha sofre erosão e se desmorona, e a rocha muda de lugar;

19 e assim como a água desgasta as pedras e as torrentes arrastam terra, assim destróis a esperança do homem.

20 Tu o subjugas de uma vez por todas, e ele se vai; alteras a sua fisionomia, e o mandas embora.

21 Se honram os seus filhos, ele não fica sabendo; se os humilham, ele não o vê.

22 Só sente a dor do seu próprio corpo; só pranteia por si mesmo.

 

Referências:

Zuck, R. B. (1985). Job. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 735). Wheaton, IL: Victor Books.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here