Jó - Bíblia de Estudo Online

Em Jó 8 vemos que outro amigo de Jó assume a discussão e fala o que pensa sobre o motivo de tanto sofrimento. O fundamento do argumento de Bildade é a justiça de Deus, e segundo sua “teologia”, Deus não permite ou causa o mal a quem é justo, porque isso é injusto.

Logo, se Deus permitisse o sofrimento na vida dos justos, estaria ferindo a um dos seus princípios mais importantes: a justiça.

Bildade é a ainda mais agressivo, mal e insensível que Elifaz, porque ele afirma que os filhos de Jó morreram, por causa de sua própria maldade.

Satanás presumiu que ao perder tudo, Jó blasfemaria contra Deus e Bildade presumiu que o servo de Deus havia colocado sua esperança em suas riquezas, por isso, estava tão assolado.

Como nós somos maus!

Estamos presumindo a todo momento. Toda hora, “achamos” algo diferente, acerca das pessoas ou de suas situações.

Com isso, agimos como animais, falamos coisas estúpidas e fazemos mais o mal, do que o bem. Na ânsia de estar certos, acabamos aumentando a ferida dos outros.

Esboço de Jó 8:

8.1 – 7: Bildade acusa Jó

8.8 – 19: Não sabemos de nada

8.20 – 22: Deus não rejeita o íntegro 

 

Jó 8.1 – 7: Bildade acusa Jó

1 Então Bildade, de Suá, respondeu:

2 Até quando você vai falar desse modo? Suas palavras são um grande vendaval!

3 Acaso Deus torce a justiça? Será que o Todo-poderoso torce o que é direito?

4 Quando os seus filhos pecaram contra ele, ele os castigou pelo mal que fizeram.

5 Mas, se você procurar a Deus e implorar junto ao Todo-poderoso,

6 se você for íntegro e puro, ele se levantará agora mesmo em seu favor e o restabelecerá no lugar que por justiça cabe a você.

7 O seu começo parecerá modesto, mas o seu futuro será de grande prosperidade.

Jó 8.8 – 19: Não sabemos de nada

8 Pergunte às gerações anteriores e veja o que os seus pais aprenderam,

9 pois nós nascemos ontem e não sabemos nada. Nossos dias na terra não passam de uma sombra.

10 Acaso eles não o instruirão, não lhe falarão? Não proferirão palavras vindas do entendimento?

11 Poderá o papiro crescer senão no pântano? Sem água cresce o junco?

12 Mal cresce e, antes de ser colhido, seca-se, mais depressa que qualquer grama.

13 Esse é o destino de todo o que se esquece de Deus; assim perece a esperança dos ímpios.

14 Aquilo em que ele confia é frágil, aquilo em que se apoia é uma teia de aranha.

15 Encosta-se em sua teia, mas ela cede; agarra-se a ela, mas ela não aguenta.

16 Ele é como uma planta bem regada ao brilho do sol, espalhando seus brotos pelo jardim;

17 entrelaça as raízes em torno de um monte de pedras e procura um lugar entre as rochas.

18 Mas, quando é arrancada do seu lugar, este a rejeita e diz: “Nunca a vi”.

19 Esse é o fim da sua vida, e do solo brotam outras plantas.

Jó 8.20 – 22: Deus não rejeita o íntegro

20 Pois o certo é que Deus não rejeita o íntegro, e não fortalece as mãos dos que fazem o mal.

21 Mas, quanto a você, ele encherá de riso a sua boca e de brados de alegria os seus lábios.

22 Seus inimigos se vestirão de vergonha, e as tendas dos ímpios não mais existirão.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here