Estudo do Livro da História de Jó

Um dos exemplos mais conhecidos de sofrimento imerecido está registrado no Livro de Jó. Em questão de minutos, ele, um homem proeminentemente rico e piedoso, perdeu todos os seus bens materiais, todos os seus filhos e sua saúde.

Sua esposa não lhe deu apoio, pois ela sugeriu que ele acabasse com sua miséria amaldiçoando a Deus. Então, acrescentando angústia à angústia, seus amigos o condenaram em vez de consolá-lo. Além disso, Deus parecia estar ignorando Jó, recusando-se por muito tempo a respondê-lo e elevar-se a sua causa.

O intenso sofrimento de Jó era financeiro, emocional, físico e espiritual. Todos estavam contra ele inclusive, ao que parece, até mesmo Deus, a quem ele servira fielmente. No entanto, Jó era um homem espiritual e moralmente correto (1: 1, 8; 2: 3).

Poderia algum sofrimento ser mais imerecido? Não deveria tal pessoa justa ser abençoada, não atormentada, por Deus?

O fato de que Jó, um excelente cidadão e pessoa honesta, tanto e depois que perdeu tanto, faz dele um exemplo supremo de aflição que desafia a explicação humana.

Muitos indivíduos podem se identificar com Jó, cujas aflições foram agonizantemente prolongadas e aparentemente injustas. Muitas pessoas se perguntam por que deveriam passar por aflições, por que deveriam experimentar tragédias, mágoas e adversidades.

Para qualquer um, o sofrimento é difícil de compreender, mas especialmente quando atinge os indignos. Quando a dor não parece ser uma punição por transgressão, é intrigante.

O Livro de Jó aborda o mistério da miséria imerecida, mostrando que na adversidade Deus pode ter outros propósitos além da retribuição por transgressão. (1)

Capítulos de Jó:

Capítulo 1: Tristeza e Submissão

Capítulo 2: Um Novo Teste Na Vida

Capítulo 3: Amaldiçoando o Dia do Nascimento

Capítulo 4: As Palavras de Elifaz

Capítulo 5: Não Sofremos à Toa

Capítulo 6: A Resposta do Servo a Elifaz

Capítulo 7: Que Mal Cometi Contra Deus?

Capítulo 8: Bildade Acusa de Pecado

Capítulo 9: A Reposta a Bildade

Capítulo 10: Uma Vida de Desgosto

Capítulo 11: A Resposta de Zofar

Capítulo 12: A Resposta a Zofar

Capítulo 13: Quero Falar com Deus

Capítulo 14: A Vida é Curta e Frágil

Capítulo 15: Elifaz Novamente Acusa

Capítulo 16: Dor Que Não Alivia

Capítulo 17: Ficando Ainda Mais Difícil

Capítulo 18: Segundo Discurso de Bildade

Capítulo 19: A Solidão Na Dificuldade

Capítulo 20: O Segundo Discurso de Zofar

Capítulo 21: A Prosperidade dos Ímpios

Capítulo 22: O Terceiro Discurso de Elifaz

Capítulo 23: Onde Deus Está Afinal?

Capítulo 24: A Impunidade Momentânea dos Ímpios

Capítulo 25: Deus vs Homem

Capítulo 26: O Poder e a Sabedoria de Deus

Capítulo 27: A Devoção Diante das Dificuldades

Capítulo 28: De Onde Vem a Sabedoria?

Capítulo 29: “Saudades…”

Capítulo 30: O Desprezo Recaiu

Capítulo 31: A Defesa Pessoal

Capítulo 32: As Palavras de Eliú

Capítulo 33: Deus é Maior Que os Homens

Capítulo 34: Deus Não Pratica o Mal

Capítulo 35: Eliú Acusa de Ignorância

Capítulo 36: Deus Não Despreza os Homens

Capítulo 37: Reflita Nas Maravilhas de Deus

Capítulo 38: Deus Responde

Capítulo 39: A Ignorância Humana Sobre a Criação

Capítulo 40: Reconhecimento de Sua Indignidade

Capítulo 41: A Descrição do Leviatã

Capítulo 42: Deus Justifica no Final

Referências:

Zuck, R. B. (1985). Job. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 714–715). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here