João 10 é um dos textos mais significativos deste evangelho, pois retrata o cuidado de Jesus pelos que lhe seguem e nos mostra a segurança que podemos ter nele.

As palavras deste longo discurso foram motivadas pelo fato do ex-cego ter sido expulso da sinagoga, do judaísmo oficial. Jesus instruiu os seus discípulos, dizendo-lhes que suas verdadeiras ovelhas seriam expulsas desse aprisco (judaísmo), mas elas deveriam sentir-se seguras, seguindo-o fielmente, pois ele é o bom pastor e a porta das ovelhas.

Os israelitas, sendo o povo eleito, o povo da aliança de Iahweh no Antigo Testamento, eram suas ovelhas, e Jesus, o pastor delas (Sl 23.1; 95.7; 100.3; Ez 34.1–31; Zc 11.7–9 e 13.7). Conforme nos esclarece Unger (2006, p. 446):

    “Na parábola, 1–6, o judaísmo era o aprisco, 1. Cristo o verdadeiro pastor, entrou no aprisco pela porta (a profetizada linhagem messiânica), 2. O porteiro (o Espírito Santo) abriu o aprisco para ele, e suas ovelhas responderam (como o cego do cap. 9), e ele as conduziu para fora, 3, da apostasia e da descrença em que o judaísmo degenerara ao rejeitá-lo, o verdadeiro Pastor, 4–5”.

Jesus disse que ele era e ainda hoje é o único pastor, o bom pastor, que formaria um só rebanho, sem qualquer distinção. Ele era e ainda hoje é a única porta, o único caminho para onde as ovelhas caminham para se alimentarem.

Por essas afirmações esse discurso se torna tão importante nesse evangelho. Esse discurso é uma grande e fundamental declaração sobre Jesus e seus discípulos.

Esboço de João 10:

João 10.1 – 6: A parábola do bom

João 10.7 – 10: A parábola da porta

João 10.11 – 21: As bênçãos decorrentes do Bom Pastor

João 10.22 – 24: O cenário onde aconteceu o discurso

João 10.25 – 33: A resposta de Jesus à pergunta dos

João 10.34 – 38: O uso das Escrituras Sagradas por Jesus

João 10.40 – 42: As reações positivas do povo crendo em Jesus

João 10.1 – 6: A parábola do bom pastor

1 Eu lhes asseguro que aquele que não entra no aprisco das ovelhas pela porta, mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante.

2 Aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas.

3 O porteiro abre-lhe a porta, e as ovelhas ouvem a sua voz. Ele chama as suas ovelhas pelo nome e as leva para fora.

4 Depois de conduzir para fora todas as suas ovelhas, vai adiante delas, e estas o seguem, porque conhecem a sua voz.

5 Mas nunca seguirão um estranho; na verdade, fugirão dele, porque não reconhecem a voz de estranhos.

6 Jesus usou essa comparação, mas eles não compreenderam o que lhes estava falando.

João 10.7 – 10: A parábola da porta

7 Então Jesus afirmou de novo: Digo-lhes a verdade: Eu sou a porta das ovelhas.

8 Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e assaltantes, mas as ovelhas não os ouviram.

9 Eu sou a porta; quem entra por mim será salvo. Entrará e sairá, e encontrará pastagem.

10 O ladrão vem apenas para roubar, matar e destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente.

João 10.11 – 21: As bênçãos decorrentes do Bom Pastor

11 Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas.

12 O assalariado não é o pastor a quem as ovelhas pertencem. Assim, quando vê que o lobo vem, abandona as ovelhas e foge. Então o lobo ataca o rebanho e o dispersa.

13 Ele foge porque é assalariado e não se importa com as ovelhas.

14 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem,

15 assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas.

16 Tenho outras ovelhas que não são deste aprisco. É necessário que eu as conduza também. Elas ouvirão a minha voz, e haverá um só rebanho e um só pastor.

17 Por isso é que meu Pai me ama, porque eu dou a minha vida para retomá-la.

18 Ninguém a tira de mim, mas eu a dou por minha espontânea vontade. Tenho autoridade para dá-la e para retomá-la. Esta ordem recebi de meu Pai.

19 Diante dessas palavras, os judeus ficaram outra vez divididos.

20 Muitos deles diziam: “Ele está endemoninhado e enlouqueceu. Por que ouvi-lo?”

21 Mas outros diziam: “Essas palavras não são de um endemoninhado. Pode um demônio abrir os olhos dos cegos?”

João 10.22 – 24: O cenário onde aconteceu o discurso

22 Celebrava-se a festa da Dedicação, em Jerusalém. Era inverno,

23 e Jesus estava no templo, caminhando pelo Pórtico de Salomão.

24 Os judeus reuniram-se ao redor dele e perguntaram: “Até quando nos deixará em suspense? Se é você o Cristo, diga-nos abertamente”.

João 10.25 – 33: A resposta de Jesus

25 Jesus respondeu: Eu já lhes disse, mas vocês não crêem. As obras que eu realizo em nome de meu Pai falam por mim,

26 mas vocês não crêem, porque não são minhas ovelhas.

27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.

28 Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão.

29 Meu Pai, que as deu para mim, é maior do que todos; ninguém as pode arrancar da mão de meu Pai.

30 Eu e o Pai somos um.

31 Novamente os judeus pegaram pedras para apedrejá-lo,

32 mas Jesus lhes disse: “Eu lhes mostrei muitas boas obras da parte do Pai. Por qual delas vocês querem me apedrejar?”

33 Responderam os judeus: “Não vamos apedrejá-lo por nenhuma boa obra, mas pela blasfêmia, porque você é um simples homem e se apresenta como Deus”.

João 10.34 – 38: O uso das Escrituras Sagradas por Jesus

34 Jesus lhes respondeu: Não está escrito na Lei de vocês: “Eu disse: Vocês são deuses”?

35 Se ele chamou “deuses” àqueles a quem veio a palavra de Deus (e a Escritura não pode ser anulada),

36 que dizer a respeito daquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo? Então, por que vocês me acusam de blasfêmia porque eu disse: Sou Filho de Deus?

37 Se eu não realizo as obras do meu Pai, não creiam em mim.

38 Mas se as realizo, mesmo que não creiam em mim, creiam nas obras, para que possam saber e entender que o Pai está em mim, e eu no Pai.

João 10.40 – 42: As reações positivas do povo crendo em Jesus

39 Outra vez tentaram prendê-lo, mas ele se livrou das mãos deles.

40 Então Jesus atravessou novamente o Jordão e foi para o lugar onde João batizava nos primeiros dias do seu ministério. Ali ficou,

41 e muita gente foi até onde ele estava, dizendo: “Embora João nunca tenha realizado um sinal milagroso, tudo o que ele disse a respeito deste homem era verdade”.

42 E ali muitos creram em Jesus.

Referências

  1. Neves, I., & McGee, J. V. (2012). Comentário Bíblico de João. (I. Mazzacorati, Org.) (Segunda edição, p. 177). São Paulo, SP: Rádio Trans Mundial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here