O capítulo de João 4 é um dos textos mais conhecidos e mais citados pelos que apreciam a narrativa de João sobre a pessoa, o ministério, o ensino, o sacrifício e a glorificação de Jesus.

É nesse capítulo que temos a famosa frase de Jesus de que Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e verdade (4.24). Porém, além dessa grande verdade, este capítulo contém muitas riquezas.

Depois do relato do encontro reservado entre Jesus e Nicodemos, um religioso judeu, seguidor da lei, o evangelista João achou por bem apresentar o encontro público entre Jesus e a samaritana, uma mulher com uma vida tumultuada, que não seguia a lei, visto que já tinha tido cinco maridos e morava com alguém que não era seu marido.

Além desse contraste, João, o autor, também entende que seria importante colocar logo no início do seu evangelho outro episódio que mostra que Jesus veio para atender a todos: judeus, samaritanos e gentios, pois certamente esse oficial estava a serviço de Herodes, um idumeu.

Esse oficial, diferentemente de Nicodemos e da mulher samaritana, creu prontamente, sem qualquer evidência e assim obteve a resposta ao seu pedido. Seu filho foi curado.

Ao refletirmos sobre esse capítulo, percebemos que seu conteúdo é profundo e, para estudá-lo em todos os seus detalhes, vamos dividi-lo em quatro grandes partes. (1)

Esboço de João 4:

João 4.1 – 30: O diálogo de Jesus com a mulher samaritana

João 4.31 – 42: As diversas reações diante da pessoa de Jesus

João 4.43 – 45: Jesus sendo recebido pelos galileus

João 4. 46 – 54: Jesus curando à distância o filho do oficial do rei

João 4.1 – 30: O diálogo de Jesus com a mulher samaritana

1 Os fariseus ouviram falar que Jesus estava fazendo e batizando mais discípulos do que João,

2 embora não fosse Jesus quem batizasse, mas os seus discípulos.

3 Quando o Senhor ficou sabendo disso, saiu da Judéia e voltou uma vez mais à Galiléia.

4 Era-lhe necessário passar por Samaria.

5 Assim, chegou a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, perto das terras que Jacó dera a seu filho José.

6 Havia ali o poço de Jacó. Jesus, cansado da viagem, sentou-se à beira do poço. Isto se deu por volta do meio-dia.

7 Nisso veio uma mulher samaritana tirar água. Disse-lhe Jesus: “Dê-me um pouco de água”.

8 (Os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida. )

9 A mulher samaritana lhe perguntou: “Como o senhor, sendo judeu, pede a mim, uma samaritana, água para beber?” (Pois os judeus não se dão bem com os samaritanos.)

10 Jesus lhe respondeu: “Se você conhecesse o dom de Deus e quem lhe está pedindo água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva”.

11 Disse a mulher: O senhor não tem com que tirar água, e o poço é fundo. Onde pode conseguir essa água viva?

12 Acaso o senhor é maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, do qual ele mesmo bebeu, bem como seus filhos e seu gado?

13 Jesus respondeu: Quem beber desta água terá sede outra vez,

14 mas quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Ao contrário, a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna.

15 A mulher lhe disse: “Senhor, dê-me dessa água, para que eu não tenha mais sede, nem precise voltar aqui para tirar água”.

16 Ele lhe disse: “Vá, chame o seu marido e volte”.

17 “Não tenho marido”, respondeu ela. Disse-lhe Jesus: “Você falou corretamente, dizendo que não tem marido.

18 O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade.

19 Disse a mulher: Senhor, vejo que é profeta.

20 Nossos antepassados adoraram neste monte, mas vocês, judeus, dizem que Jerusalém é o lugar onde se deve adorar.

21 Jesus declarou: Creia em mim, mulher: está próxima a hora em que vocês não adorarão o Pai nem neste monte, nem em Jerusalém.

22 Vocês, samaritanos, adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, pois a salvação vem dos judeus.

23 No entanto, está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura.

24 Deus é espírito, e é necessário que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.

25 Disse a mulher: “Eu sei que o Messias (chamado Cristo) está para vir. Quando ele vier, explicará tudo para nós”.

26 Então Jesus declarou: “Eu sou o Messias! Eu, que estou falando com você”.

27 Naquele momento os seus discípulos voltaram e ficaram surpresos ao encontrá-lo conversando com uma mulher. Mas ninguém perguntou: “Que queres saber?” ou: “Por que estás conversando com ela?”

28 Então, deixando o seu cântaro, a mulher voltou à cidade e disse ao povo:

29 “Venham ver um homem que me disse tudo o que tenho feito. Será que ele não é o Cristo?”

30 Então saíram da cidade e foram para onde ele estava.

João 4.31 – 42: As diversas reações diante da pessoa de Jesus

31 Enquanto isso, os discípulos insistiam com ele: “Mestre, come alguma coisa”.

32 Mas ele lhes disse: “Tenho algo para comer que vocês não conhecem”.

33 Então os seus discípulos disseram uns aos outros: “Será que alguém lhe trouxe comida?”

34 Disse Jesus: A minha comida é fazer a vontade daquele que me enviou e concluir a sua obra.

35 Vocês não dizem: “Daqui a quatro meses haverá a colheita”? Eu lhes digo: Abram os olhos e vejam os campos! Eles estão maduros para a colheita.

36 Aquele que colhe já recebe o seu salário e colhe fruto para a vida eterna, de forma que se alegram juntos o que semeia e o que colhe.

37 Assim é verdadeiro o ditado: “Um semeia, e outro colhe”.

38 Eu os enviei para colherem o que vocês não cultivaram. Outros realizaram o trabalho árduo, e vocês vieram a usufruir do trabalho deles.

39 Muitos samaritanos daquela cidade creram nele por causa do seguinte testemunho dado pela mulher: “Ele me disse tudo o que tenho feito”.

40 Assim, quando se aproximaram dele, os samaritanos insistiram em que ficasse com eles, e ele ficou dois dias.

41 E por causa da sua palavra, muitos outros creram.

42 E disseram à mulher: “Agora cremos não somente por causa do que você disse, pois nós mesmos o ouvimos e sabemos que este é realmente o Salvador do mundo”.

João 4.43 – 45: Jesus sendo recebido pelos galileus

43 Depois daqueles dois dias, ele partiu para a Galiléia.

44 (O próprio Jesus tinha afirmado que nenhum profeta tem honra em sua própria terra. )

45 Quando chegou à Galiléia, os galileus deram-lhe boas-vindas. Eles tinham visto tudo o que ele fizera em Jerusalém, por ocasião da festa da Páscoa, pois também haviam estado lá.

João 4. 46 – 54: Jesus curando à distância o filho do oficial do rei

46 Mais uma vez ele visitou Caná da Galiléia, onde tinha transformado água em vinho. E havia ali um oficial do rei, cujo filho estava doente em Cafarnaum.

47 Quando ele ouviu falar que Jesus tinha chegado à Galiléia, vindo da Judéia, procurou-o e suplicou-lhe que fosse curar seu filho, que estava à beira da morte.

48 Disse-lhe Jesus: “Se vocês não virem sinais e maravilhas, nunca crerão”.

49 O oficial do rei disse: “Senhor, vem, antes que o meu filho morra!”

50 Jesus respondeu: “Pode ir. O seu filho continuará vivo”. O homem confiou na palavra de Jesus e partiu.

51 Estando ele ainda a caminho, seus servos vieram ao seu encontro com notícias de que o menino estava vivo.

52 Quando perguntou a que horas o seu filho tinha melhorado, eles lhe disseram: “A febre o deixou ontem, à uma hora da tarde”.

53 Então o pai constatou que aquela fora exatamente a hora em que Jesus lhe dissera: “O seu filho continuará vivo”. Assim, creram ele e todos os de sua casa.

54 Esse foi o segundo sinal milagroso que Jesus realizou, depois que veio da Judéia para a Galiléia.

Referências:

  1. Neves, I., & McGee, J. V. (2012). Comentário Bíblico de João. (I. Mazzacorati, Org.) (Segunda edição, p. 71). São Paulo, SP: Rádio Trans Mundial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here