Juízes - Bíblia de Estudo Online

Na cerimônia de sete dias de casamento (Juízes 14:10-14), Sansão conduziu a festa costumeira (lit., “festa bebendo”) e foi acompanhada por 30 companheiros (típicos “amigos do noivo”, aparentemente fornecidos pela família filistéia).

Sansão disse aos seus companheiros um enigma, cujo significado ele tornou mais desafiador com uma aposta de 30 peças de roupa de linho (grandes lençóis retangulares frequentemente usados ​​como roupas de baixo) e 30 conjuntos de roupas (vestes festivas, muitas vezes bordadas).

O enigma

Resolvendo o enigma poeticamente formulado de Sansão – “Fora do comedor, algo para comer; do forte, algo doce” – requereria o conhecimento de ele ter tirado mel da carcaça do leão.

Incapaz de resolver o enigma depois de três dias, os companheiros ameaçaram a noiva de Sansão e sua família com a morte se ela não obtivesse a resposta para eles (Juízes 14:15-18).

Eles sugeriram que ela poderia estar envolvida em um esquema com o marido para roubá-los por meio da aposta. Sansão suportou lágrimas de noiva até o sétimo dia da festa, quando o tempo para resolver o enigma expiraria (cf. verso 12).

Então, a fraqueza de Sansão para ceder às lágrimas ou súplicas de uma mulher (cf. 16:16) foi expressa. Ele finalmente revelou o segredo, e ela, por sua vez, explicou o enigma para os 30 filisteus.

Quando informaram Sansão da solução que, como o enigma, expressavam em paralelismo poético, ele retrucou a respeito de sua noiva com uma figura de linguagem desdenhosa, mas pitoresca: “se você não tivesse arado com minha novilha, não teria resolvido meu enigma”. Ao chamá-la de “novilha”, ele estava ridicularizando-a por seu espírito indomável e teimoso (cf. Jeremias 50:11; Oséias 4:16).

Esboço de Juízes 14:

14.1 – 9: Sansão mata um leão

14.10 – 16: Casamento de Sansão e um enigma

14.17 – 20: A traição e morte dos filisteus 

 

Sansão mata um leão

1 Sansão desceu a Timna e viu ali uma mulher do povo filisteu.

2 Quando voltou para casa, disse a seu pai e a sua mãe: “Vi uma mulher filistéia em Timna; consigam essa mulher para ser minha esposa”.

3 Seu pai e sua mãe lhe perguntaram: “Será que não há mulher entre os seus parentes ou entre todo o seu povo? Você tem que ir aos filisteus incircuncisos para conseguir esposa?” Sansão, porém, disse ao pai: “Consiga-a para mim. É ela que me agrada”.

4 Seus pais não sabiam que isso vinha do Senhor, que buscava ocasião contra os filisteus; pois naquela época eles dominavam Israel.

5 Sansão foi para Timna com seu pai e sua mãe. Quan­do se aproximavam das vinhas de Timna, de repente um leão forte veio rugindo na direção dele.

6 O Espírito do Senhor apossou-se de Sansão, e ele, sem nada nas mãos, rasgou o leão como se fosse um cabrito. Mas não contou nem ao pai nem à mãe o que fizera.

7 Então foi conversar com a mulher de quem gostava.

8 Algum tempo depois, quando voltou para casar-se com ela, Sansão saiu do caminho para olhar o cadáver do leão, e nele havia um enxame de abelhas e mel.

9 Tirou o mel com as mãos e o foi comendo pelo caminho. Quando voltou aos seus pais, repartiu com eles o mel, e eles também comeram. Mas não lhes contou que tinha tirado o mel do cadáver do leão.

Casamento de Sansão e um enigma

10 Seu pai desceu à casa da mulher, e Sansão deu ali uma festa, como era costume dos noivos.

11 Quando ele chegou, trouxeram-lhe trinta rapazes para o acompanharem na festa.

12 “Vou propor-lhes um enigma”, disse-lhes Sansão. “Se vocês puderem dar-me a resposta certa durante os sete dias da festa, então eu lhes darei trinta vestes de linho e trinta mudas de roupas.

13 Se não conseguirem dar-me a resposta, vocês me darão trinta vestes de linho e trinta mudas de roupas.” “Proponha-nos o seu enigma”, disseram. “Vamos ouvi-lo.”

14 Disse ele então: “Do que come saiu comida; do que é forte saiu doçura”. Durante três dias eles não conseguiram dar a resposta.

15 No quarto dia disseram à mulher de Sansão: “Convença o seu marido a explicar o enig­ma. Caso contrário, poremos fogo em você e na família de seu pai, e vocês morrerão. Você nos convidou para nos roubar?”

16 Então a mulher de Sansão implorou-lhe aos prantos: “Você me odeia! Você não me ama! Você deu ao meu povo um enigma, mas não me contou a resposta!” “Nem a meu pai nem à minha mãe expliquei o enigma”, respondeu ele. “Por que deveria explicá-lo a você?”

A traição e morte dos filisteus

17 Ela chorou durante o restante da semana da festa. Por fim, no sétimo dia, ele lhe contou, pois ela continuava a perturbá-lo. Ela, por sua vez, revelou o enigma ao seu povo.

18 Antes do pôr-do-sol do sétimo dia, os homens da cidade vieram lhe dizer: “O que é mais doce que o mel? O que é mais forte que o leão?” Sansão lhes disse: “Se vocês não tivessem arado com a minha novilha, não teriam solucionado o meu enigma”.

19 Então o Espírito do Senhor apossou-se de Sansão. Ele desceu a Ascalom, matou trinta homens, pegou as suas roupas e as deu aos que tinham explicado o enigma. Depois, enfurecido, foi para a casa do seu pai.

20 E a mulher de Sansão foi dada ao amigo que tinha sido o acompanhante dele no casamento.

 

Referências:

Lindsey, F. D. (1985). Judges. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 405). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here