Juízes - Bíblia de Estudo Online

Os danitas reconstruíram a cidade e nomearam Dã como seu antepassado tribal (Juízes 18:28b-31). Mais significativamente (e infelizmente), eles estabeleceram um centro tribal de adoração idólatra sob o sacerdócio de Jônatas, filho de Gérson (cf. Êxodo 2:22), que se estendeu por meio de seus descendentes até o tempo do cativeiro da terra.

Muitos eruditos referem isso ao cativeiro assírio de Israel em 722 a.C. (2 Reis 17:6) ou o cativeiro da população da Galiléia sob Tiglate-Pileser III em 733-732 a.C. (2 Reis 15:29).

No entanto, uma data monárquica inicial da autoria dos juízes sugere que a declaração se refere a um cativeiro desconhecido anterior (alguns sugeriram a captura da aristocracia filisteu; cf. 1 Sam. 4:11).

A referência à casa de Deus em Siloé (moderna Seilun, a 30 quilômetros ao norte de Jerusalém) implica que a adoração no santuário de Danite se opunha à verdadeira adoração do Senhor em Siló (cf. Josué 18:1).

Esse falso culto em Dã foi um precursor do de Jeroboão I, que mais tarde estabeleceu um santuário do Reino do Norte em Dã (cf. 1 Reis 12: 28–31). (1)

Esboço de Juízes 18:

18.1 – 6: Os espias de Dã encontram Mica

 18.7 – 13: Relatório favorável

18.14 – 21: Convite inusitado

18.22 – 26: A tristeza de Mica

18.27 – 31: A idolatria de Dã 

 

Os espias de Dã encontram Mica

1 Naquela época não havia rei em Israel, e a tribo de Dã estava procurando um local onde estabelecer-se, pois ainda não tinha recebido herança entre as tribos de Israel.

2 Então enviaram cinco guerreiros de Zorá e de Estaol para espionarem a terra e explorá-la. Esses homens representavam todos os clãs da tribo. Disseram-lhes: “Vão, explorem a terra”. Os homens chegaram aos montes de Efraim e foram à casa de Mica, onde passaram a noite.

3 Quando estavam perto da casa de Mica, reconheceram a voz do jovem levita; aproximaram-se e lhe perguntaram: “Quem o trouxe para cá? O que você está fazendo neste lugar? Por que você está aqui? ”

4 O jovem lhes contou o que Mica fizera por ele, e disse: “Ele me contratou, e eu sou seu sacerdote”.

5 Então eles lhe pediram: “Pergunte a Deus se a nossa viagem será bem-sucedida”.

6 O sacerdote lhes respondeu: “Vão em paz. Sua viagem tem a aprovação do Senhor”.

Relatório favorável

7 Os cinco homens partiram e chegaram a Laís, onde viram que o povo vivia em segurança, como os sidônios, despreocupado e tranquilo, e gozava prosperidade, pois a sua terra não lhe deixava faltar nada. Viram também que o povo vivia longe dos sidônios e não tinha relações com nenhum outro povo.

8 Quando voltaram a Zorá e a Estaol, seus irmãos lhes perguntaram: “O que descobriram? ”

9 Eles responderam: Vamos atacá-los! Vimos que a terra é muito boa. Vocês vão ficar aí sem fazer nada? Não hesitem em ir apossar-se dela.

10 Chegando lá, vocês encontrarão um povo despreocupado e uma terra espaçosa que Deus pôs nas mãos de vocês, terra onde não falta coisa alguma!

11 Então seiscentos homens da tribo de Dã partiram de Zorá e de Estaol, armados para a guerra.

12 Na viagem armaram acampamento perto de Quiriate-Jearim, em Judá. É por isso que até hoje o local, a oeste de Quiriate-Jearim, é chamado Maané-Dã.

13 Dali foram para os montes de Efraim e chegaram à casa de Mica.

Convite inusitado

14 Os cinco homens que haviam espionado a terra de Laís disseram a seus irmãos: “Vocês sabiam que numa dessas casas há um manto sacerdotal, ídolos da família, uma imagem esculpida e um ídolo de metal? Agora vocês sabem o que devem fazer”.

15 Então eles se aproximaram e foram à casa do jovem levita, à casa de Mica, e o saudaram.

16 Os seiscentos homens de Dã, armados para a guerra, ficaram junto à porta.

17 Os cinco homens que haviam espionado a terra entraram e apanharam a imagem, o manto sacerdotal, os ídolos da família e o ídolo de metal, enquanto o sacerdote e os seiscentos homens armados permaneciam à porta.

18 Quando os homens entraram na casa de Mica e apanharam a imagem, o manto sacerdotal, os ídolos da família e o ídolo de metal, o sacerdote lhes perguntou: “Que é que vocês estão fazendo? ”

19 Eles lhe responderam: “Silêncio! Não diga nada. Venha conosco, e seja nosso pai e sacerdote. Não será melhor para você servir como sacerdote uma tribo e um clã de Israel do que apenas a família de um só homem? ”

20 Então o sacerdote se alegrou, apanhou o manto sacerdotal, os ídolos da família e a imagem esculpida e se juntou à tropa.

21 Pondo os seus filhos, os seus animais e os seus bens na frente deles, partiram de volta.

A tristeza de Mica

22 Quando já estavam a certa distância da casa, os homens que moravam perto de Mica foram convocados e alcançaram os homens de Dã.

23 Como vinham gritando atrás deles, estes se voltaram e perguntaram a Mica: “Qual é o seu problema? Por que convocou os seus homens para lutar? ”

24 Ele respondeu: “Vocês estão levando embora os deuses que fiz e o meu sacerdote. O que me sobrou? Como é que ainda podem perguntar: “Qual é o seu problema?””

25 Os homens de Dã responderam: “Não discuta conosco, senão alguns homens de temperamento violento o atacarão, e você e a sua família perderão a vida”.

26 E assim os homens de Dã seguiram seu caminho. Vendo que eles eram fortes demais para ele, Mica virou-se e voltou para casa.

A idolatria de Dã

27 Os homens de Dã levaram o que Mica fizera e o seu sacerdote, e foram para Laís, lugar de um povo pacífico e despreocupado. Eles mataram todos ao fio da espada e queimaram a cidade.

28 Não houve quem os livrasse, pois viviam longe de Sidom e não tinham relações com nenhum outro povo. A cidade ficava num vale que se estende até Bete-Reobe. Os homens de Dã reconstruíram a cidade e se estabeleceram nela.

29 Deram à cidade anteriormente chamada Laís o nome de Dã, em homenagem a seu antepassado Dã, filho de Israel.

30 Eles levantaram para si o ídolo, e Jônatas, filho de Gérson, neto de Moisés, e os seus filhos foram sacerdotes da tribo de Dã até que o povo foi para o exílio.

31 Ficaram com o ídolo feito por Mica durante todo o tempo em que o santuário de Deus esteve em Siló.

 

Referências:

Lindsey, F. D. (1985). Judges. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 410). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here