Lucas 6.1 – 5: Quando os fariseus viram os discípulos de Jesus Cristo apanhando espigas no sábado, eles questionaram: “Por que vocês estão fazendo o que não é permitido no sábado?”

De acordo com eles, Deus não queria que pessoas com fome ao menos providenciasse o que comer no sábado, porque este era o dia do Senhor.

Na resposta, Jesus cita o exemplo de Davi. Este fugindo de Saul com fome e não tendo o que comer, convenceu o sacerdote a deixa-lo comer os pães da proposição.

Esses pães eram considerados sagrados e só podiam ser comidos pelo sacerdote como forma de oferta agradável ao Senhor.

E o que aconteceu a Davi? Ele foi punido por Deus?

Nada aconteceu. Deus não o puniu.

O que Jesus Cristo está nos ensinando é que em determinados momentos, para preservação da vida, do ser, a observação do sagrado pode ser “quebrada”.

Davi não voltou a comer os pães da proposição por mero capricho. Ele comeu uma única vez para salvar vidas e porque estava com fome.

O sábado foi instituído como dia de descanso e culto ao Senhor. O princípio é que no seu dia de culto ao Senhor, você apenas cultue ao Senhor.

A nossa sociedade está organizada de uma maneira diferente. Inúmeras pessoas precisam trabalhar no sábado e no domingo. E agora?

A folga delas pode ser o seu dia de culto. O dia de ir a Igreja. Tomar Santa Ceia. Entregar dízimos e ofertas.

O que não pode acontecer é que o cristão use sua rotina de trabalho para não cultuar ao Senhor. Porque neste caso, o princípio do “sábado” ou descanso e culto ao Senhor está sendo quebrado.

Lucas 6.6 – 11: Os fariseus procuravam motivos para acusar a Jesus Cristo. Em determinado dia de sábado, estando eles na sinagoga, observaram que havia um homem com uma das mãos atrofiadas e queriam saber se Jesus ia curá-lo.

Jesus Cristo chamou o homem para o meio e perguntou: “O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar a vida ou destruí-la?”

Mais uma vez Jesus reforça o princípio do sábado e o princípio da vida. Para os fariseus até fazer o bem no sábado ou mesmo salvar uma vida era pecado.

Esse equívoco na interpretação das Sagradas Escrituras faz com que as pessoas fiquem longe de Deus por acharem que ele é um “lunático”, o que de fato ele não é.

O princípio do sábado, que é o de cultuar ao Senhor jamais proibiu alguém de salvar vidas, a hipocrisia sim.

A pergunta de Jesus Cristo deixou todos sem resposta. E em meio ao silêncio ele disse: “Estenda a mão”. Ele a estendeu, e ela foi restaurada”.

Utilize o seu “sábado” para cultuar ao Senhor e para fazer o bem ao seu próximo.

Lucas 6.12 – 16: Antes de nomear os apóstolos o Senhor Jesus Cristo “passou a noite orando a Deus”. Este exemplo nos dá uma grande lição.

Devemos ter uma vida de oração ativa. Diária. Dessa forma, as nossas decisões, mente, alma, espírito e corpo serão influenciados pelo nosso compromisso com Deus.

Nos Evangelhos não são poucas as vezes que observamos Jesus em oração. E aqui, antes de tomar a importante decisão de nomear as pessoas que junto com ele mudariam o mundo, ele ora.

Lucas 6.17 – 23: Para sabre mais sobre as bem-aventuranças leia: Estudo Bíblico Sobre as Bem-Aventuranças – Como Ser Bem-Aventurado em 8 Passos.

Lucas 6.24 – 26: Em paradoxo a proclamação das pessoas que são mais do que felizes (bem-aventuradas), Jesus Cristo proclama “ai” em relação a um outro grupo de pessoas.

Isto porque eles não usavam sua vida e bens para a glória de Deus, nem para aliviar a vida do próximo. Eram egoístas e avarentos.

Lucas 6.27 – 36: Jesus Cristo começa a ensinar qual deve ser o nosso comportamento diante dos conflitos da vida. Ele contradiz a norma usual e estabelece novos princípios para os seus seguidores.

“Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam, abençoem os que os amaldiçoam, orem por aqueles que os maltratam”.

Agora não podemos pagar o mal com a mesma “moeda”. Quando atacados, devemos apresentar o bem.

Lucas 6.37 – 42: Jesus Cristo nos ensina que devemos ter muito cuidado na hora de emitir juízo sobre o próximo. Isto porque com a mesma medida e intensidade que julgarmos seremos julgados.

O melhor caminho a seguir neste trecho é o amor (Ver Estudo Bíblico Sobre o Amor). Não procure defeitos em outras pessoas, e quando elas errarem ponha-se no lugar dela.

Se perceber que a pessoa ama o pecado ore por ela e na medida do possível compartilhe com ela a palavra de Deus.

Emitir julgamento é algo muito forte. Não é nossa responsabilidade. Portanto, tome muito cuidado com ele.

Aconselhar, orientar é uma coisa. Jugar é outra.

Lucas 6.43: Jesus Cristo deixa muito claro que o nosso comportamento falará por nós. Ele faz isso usando o exemplo das árvores: “Nenhuma árvore boa dá fruto ruim, nenhuma árvore ruim dá fruto bom”.

Portanto, a hipocrisia no comportamento do cristão é logo descoberta. Isso porque há práticas que não conseguem ser mascaradas.

Lucas 6.46 – 49: Jesus Cristo encerra seu sermão com uma advertência: “Por que vocês me chamam “Senhor, Senhor” e não fazem o que eu digo?”.

Ele deixa muito claro que de nada adianta ouvir ou conhecer os seus ensinamentos se nós não os colocarmos em prática.

O ouvinte praticante é capaz de suportar todas as dificuldades que combaterem suas convicções. Já o ouvinte esquecido, quando vê as dificuldades ele não suporta a pressão. (Ver Lucas 5 Estudo)

 

Esboço de Lucas 6:

6.1 – 5: O verdadeiro sentido do sábado

6.6 – 11: Jesus cura no sábado

6.12 – 16: Jesus Cristo vocaciona os apóstolos

6.17 – 23: As bem-aventuranças

6.24 – 26: Jesus Cristo proclama os “Ai”

6.27 – 36: O cristão deve contradizer o mundo

6.37 – 42: O julgamento ao próximo

6.43: Árvore boa e ruim

6.46 – 49: O ouvinte prudente

Estudos Relacionados

Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » QUERO SER UM INSCRITO!

3 COMENTÁRIOS

  1. Gosto muito dos seus estudos mas, permita eu discordar da parte em que falas que: Jesus Cristo está nos ensinando é que em determinados momentos, para preservação da vida, do ser, a observação do sagrado pode ser “quebrada”. Ele não nos ensina isso, porque senão Ele teria transformado pedra em pão quando foi tentado no deserto. Ele tinha fome, muita fome, eram quarenta dias sem comer. E Ele não o fez. Ele não usufrui de seu privilégio para atender suas necessidades imediatas. Imagina, se toda vez que sentíssemos necessidade de algo ficássemos isentos das nossa responsabilidade de obedecer a Deus. Não funciona assim, não é mesmo. Os discípulos colheram as espigas ao sábados porque Seu Mestre é o Dono, Senhor do sábado. Ele criou, então, faz o que bem quiser no sábado.

    • Érica, o fato de Jesus se tornar homem já é uma “quebra” do sagrado. E como homem se relacionar com pecadores, comer com eles, ser tocado por Eles era completamente contra as regras do sagrado.

      Eu entendo sua visão, mas talvez você não tenha compreendido bem o texto.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here