marca_final-01

Marcos 8 Estudo: O Fermento dos Fariseus

Em Marcos 8 vemos o nítido contraste entre as pessoas que estavam perto de Jesus e os líderes religiosos judeus. As multidões contemplavam a manifestação graciosa do poder de Deus, enquanto os céticos religiosos pediram, mas nada viram.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Em Marcos 8, Jesus Cristo está ensinando a multidão há três dias e agora ela já não tem o que comer. Ele percebe isso e compartilha o incômodo com os discípulos.

Eles aconselham a fazer o mesmo que na primeira vez: “Onde, neste lugar deserto, poderia alguém conseguir pão suficiente para alimentá-los?”.

Jesus Cristo também faz o mesmo que fez na primeira vez: organiza a multidão, pede o que lhe resta e multiplica (Ver Estudo Sobre a Multiplicação de Pães e Peixes).

Em seguida eles parte para outra região e ele ensina aos discípulos que eles devem ter cuidado com o fermento dos fariseus.

Isto porque eles tinham visto dois grandes milagres com relação a provisão de Deus e continuavam preocupados com o que comer. Ou seja, não confiavam em Jesus.

Marcos relata que o Senhor curou um homem cego em Betsaida. Após isso ele faz uma reunião particular com os discípulos e pergunta: “Quem o povo diz que eu sou?”

A declaração de Pedro

Os discípulos respondem que a multidão não tem certeza sobre quem ele é, na verdade. Em seguida Jesus pergunta: “Quem vocês dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “Tu és o Cristo”.

Ou seja, a mensagem de Cristo aos apóstolos estava começando a surtir efeito. A partir disso, Jesus aborda pela primeira vez o seu sofrimento (Ver Jesus no Getsêmani e Jesus na Cruz).

Quando Pedro ouve a profecia, ele o repreende severamente o Mestre. Jesus entende que Satanás está usando Pedro e o repreende de volta. Este episódio nos mostra o quanto somos vulneráveis. Em um instante Deus usa a Pedro, no outro instante ele dá lugar ao Diabo.

A tentativa de Pedro em fazer Jesus sentir pena de si mesmo, inspirou o sermão que encerra Marcos 8. Jesus Cristo deixa bem claro que qualquer um que quiser segui-lo deve tomar diariamente a sua cruz e segui-lo. Quem tiver vergonha desse estilo de vida ou de seu Mestre, será negado diante de Deus.

Marcos 8 e a incredulidade dos fariseus

As autoridades religiosas vieram e começaram a questioná-Lo (Marcos 8:11). Eles desejavam testá-Lo, para fazê-Lo provar a fonte de Sua autoridade.

Eles queriam que Jesus lhes mostrasse um sinal do céu, o que para eles seria uma comprovação divina.

No Antigo Testamento, um “sinal” não era tanto uma demonstração de poder quanto uma evidência de que uma declaração ou ação era autêntica e confiável.

Os fariseus não exigiam um milagre espetacular, mas que Jesus desse uma prova inequívoca de que Ele e Sua missão foram autorizados por Deus.

Jesus suspirou profundamente e fez uma pergunta que refletia Sua tristeza pela incredulidade deles (Marcos 8.12).

As palavras “esta geração” denotam a nação de Israel representada por aqueles líderes religiosos. Visto que eles continuamente rejeitaram a graça de Deus.

Nenhum sinal será dado

Com uma fórmula introdutória solene e uma expressão hebraica de forte negação, Jesus rejeitou seu pedido: “Nenhum sinal será dado a esta geração”.

Mateus citou a única exceção, “o sinal de Jonas” (Mateus 16:4), isto é, como um símbolo da ressurreição de Jesus em Mateus 12:39-40.

Em Marcos, há uma distinção entre um milagre e um sinal.

O primeiro evidencia a presença e o poder de Deus em Jesus. Um apelo por um milagre pode ser uma expressão legítima da fé.

Mas tal apelo é ilegítimo se surgir da descrença, como acontecia com os fariseus.

A indignação de Jesus ficou evidente por sua partida abrupta. Ele cruzou o Mar da Galiléia para a costa nordeste mais uma vez. E com isso, encerrou Seu ministério público na Galiléia (Marcos 8.13).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Jesus e a Bíblia © 2020. Todos os direitos reservados.

});