Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Mateus 18 Estudo: O Maior No Reino Dos Céus

Mateus 18.1 – 6: O ser humano tem uma tendência natural ao desejo pelo poder. Muitos de nós querem ser grandiosos, estrelas, fenômenos, enfim. Com os discípulos não foi diferente. Eles querem saber o que é preciso fazer para ser o maior no Reino de Deus.

A resposta de Jesus é formidável: “Eu lhes asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus”. (Ver Estudo Bíblico Sobre: Jesus e as Crianças).

Mateus 18.7 – 10: O Senhor faz advertência severas sobre o cuidado que devemos ter com o pecado. Devemos evitá-lo a todo custo, perder quando for necessário, pois é melhor sofrer o dano aqui na Terra do que no céu.

Mateus 18.11 – 14: A missão de Jesus Cristo envolve prioritariamente o pecador perdido. Qualquer pessoa que deseja experimentar a misericórdia de Deus e ter um recomeço recebe de Deus o perdão e a oportunidade para fazê-lo.

Mateus 18.15 – 17: Jesus ensina aos seus discípulos sobre como eles devem perseverar na construção de bons relacionamentos e evitar, a todo custo inimizades, intrigas e contendas.

Mateus 18.18 – 22: Ao passo que eles devem evitar a discórdia a todo custo eles devem ser poderosos na concordância. O Senhor garante a promessa de que tudo o que ligarmos na Terra como igreja será ligado no céu.

Mateus 18.23 – 35: Jesus encerra o assunto da concordância e do perdão contando sobre o perdão do rei dado a um de seus servos que possuía uma dívida impagável. Nem mesmo a venda de todos os seus bens era suficiente para quitá-la.

Jesus conta que após a humilhação do servo o rei lhe perdoou. Porém esse servo perdoado tinha um companheiro que lhe devia o equivalente a cem dias de trabalho.

Ele o constrangeu e ameaçou a que lhe pagasse a dívida, foi quando os servos do rei viram o acontecido e contaram a Majestade. Furioso o rei mandou que fosse preso e não saísse até que toda a dívida fosse paga.

O que Jesus deseja nos ensinar é que recebemos o maravilhoso perdão de Deus, algo sem igual. Por isso, não temos o direito de negar perdão a ninguém (Ver Estudo Bíblico Sobre Comunhão Entre os Irmãos), não importa o motivo.

Esboço de Mateus 18:

Mateus 18.1 – 6: O maior no reino dos céus

Mateus 18.7 – 10: Cuidado com o pecado

Mateus 18.11 – 14: Jesus veio salvar o perdido

Mateus 18.15 – 17: O dever de reconciliação

Mateus 18.18 – 22: O poder da concordância

Mateus 18.23 – 35: Parábola do empregado mal

 

Quem é o Maior?

“Naquele momento os discípulos chegaram a Jesus e perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos céus? ” Chamando uma criança, colocou-a no meio deles, e disse: “Eu lhes asseguro que, a não ser que vocês se convertam e se tornem como crianças, jamais entrarão no Reino dos céus. Portanto, quem se faz humilde como esta criança, este é o maior no Reino dos céus. (Mateus 18:1-4)

A ocasião desse discurso com relação à humildade foi uma competição inconveniente entre os discípulos por preeminência; eles chegaram ao pé de Jesus, dizendo, entre si (porque estavam envergonhados para perguntar a ele, Marcos 9.34): “Quem é o maior no Reino dos céus?”

Eles não quiseram dizer quem o seria pelo caráter (então a pergunta teria sido boa, de forma que eles poderiam saber em quais graças e deveres precisavam se superar), mas quem pelo nome.

Eles tinham ouvido muito, e pregado muito sobre o Reino dos céus, o reino do Messias, sua igreja neste mundo; mas mesmo assim eles estavam muito distantes de ter qualquer noção clara disso, e sonhavam com um reino temporal, a pompa exterior, e o seu poder.

Expectativa Humana

Cristo havia recentemente predito os seus sofrimentos, e a glória que deveria se seguir, que ele deveria ressuscitar dos mortos, que a partir daí eles esperassem o início de seu reino.

Então eles pensavam que era a hora de estabelecer os seus lugares no reino. É bom, nesses casos, falar logo. Surgiram debates desse tipo diante de outros discursos de Cristo (capítulo 20.19,20; Lucas 22.22,24).

Ele falou muitas palavras com relação aos seus sofrimentos, mas apenas uma palavra sobre a sua glória; no entanto, eles se firmaram em uma coisa, e ignoraram a outra.

E em vez de lhe perguntarem como poderiam ter forças e graça para sofrer com ele, perguntaram quem seria “o  maior” ao reinar com Ele. Note que muitos amam ouvir e falar dos privilégios e da glória, e desejam ignorar os pensamentos de trabalho e dificuldade.

Eles olham tanto para a coroa, que se esquecem do jugo e da cruz. Foi o que os discípulos fizeram aqui, quando perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos céus?”

Da Maneira Errada

Eles supõem que todos os que têm um lugar naquele reino são grandes, porque é um reino de sacerdotes. Os homens verdadeiramente grandes são aqueles verdadeiramente bons; e eles aparecerão assim finalmente, quando Cristo os possuir como o seu povo, embora sejam tão maus e pobres no mundo.

Eles supõem que há graus nessa grandeza. Todos os santos são honoráveis, mas nem todos da mesma forma; uma estrela difere de outra estrela em glória. Nem todos os oficiais de Davi eram valorosos, nem todos os seus valorosos estavam nas três primeiras posições.

Eles supõem que alguns deles devam ter a posição de primeiro-ministro de estado. A quem o Rei Jesus deveria ter prazer em honrar, além daqueles que tinham deixado tudo por Ele, e que eram agora os seus companheiros na paciência e na tribulação?

Eles disputam quem deveria “ser o quê”, cada um tendo uma pretensão ou outra ao reino. Pedro sempre foi o principal orador, e já tinha recebido as chaves; ele espera ser o presidente da Câmara dos Pares ou o camareiro-mor da casa, sendo assim o maior.

Judas tinha a bolsa, e assim ele espera ser o tesoureiro-mor, o qual, embora agora venha por último, espera ser o maior. Simão e Judas são meio parentes de Jesus, e esperam estar acima de todos os grandes oficiais de estado, como príncipes de sangue.

João é o discípulo amado, o favorito do Príncipe; portanto, espera ser o maior. André foi chamado primeiro; e por que não teria a primeira preferência?

Nós somos muito inclinados a nos entreter e a nos agradar com fantasias tolas de coisas que nunca acontecerão. (Henry, Matthew, Comentário dos Evangelhos)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});