marca_final-01

Mateus 19 Estudo: Casamento e Divórcio

Em Mateus 19 Jesus está vivendo o último período do seu ministério público, chamado de “Ano da paixão”. Nesta parte, ele nos dá instruções sobre o casamento e o desejo de Deus para a família, demonstra seu carinho pelas crianças e nos mostra que nenhuma riqueza desta Terra deve superar o desejo de segui-lo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

O casamento é uma instituição divina (Mateus 19.1–12). Ao criar Adão e Eva o Senhor Deus estabeleceu o princípio: “os fez homem e mulher” e disse: “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne”?

Jesus Cristo concorda que o casamento que têm a benção de Deus é aquele que é feito entre homem e mulher. Um outro ponto muito importante a ser observado é que o casamento constitui uma nova família e o que isso quer dizer?

Na cultura brasileira é muito comum os filhos casarem e continuar na casa dos pais. Isso interfere diretamente na privacidade, na educação dos filhos e no desenvolvimento do casamento.

Não é esta a orientação bíblica. O desejo e a instrução de Deus é que: “o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher”.

O divórcio não é a vontade de Deus para o casamento, todavia há algumas exceções, uma delas é o caso do adultério.

E na minha OPINIÃO o cônjuge que é vítima de abuso físico ou sexual, tem a possibilidade de divórcio, visto que sua integridade física está sendo comprometida.

O Brasil é recordista mundial de violência doméstica. Algo que não podemos admitir nem encobrir. Devemos lembrar que a vida é mais importante para Deus.

Um exemplo disso é Davi. Para salvar a sua vida, comeu os pães da proposição, algo que só era permitido aos sacerdotes, contudo o Senhor Deus não o puniu por isso (Mateus 12.4,7).

Na Segunda Parte

O escritor nos mostra que devemos incentivar as nossas crianças ao conhecimento de Deus, leitura da bíblia e participação na igreja. A vida das crianças é preciosa para Deus não devemos deixa-las distante dos planos de Deus (Mateus 19.13 – 15).

Em seguida, vemos que um jovem aproximou-se de Jesus para saber que tipo de boas obras ele podia praticar, a fim de herdar a vida eterna. O Senhor lhe respondeu que não há boas obras a serem cumpridas, mas sim mandamentos a ser obedecidos e quais.

A resposta dele ao Senhor é de que já cumpria a todos eles, Cristo então o desafiou a dar sua riqueza aos pobres. Isso o constrangeu e ele não conseguiu cumprir a exigência porque amava suas riquezas.

Após ouvir a declaração de Jesus ao jovem rico, os apóstolos ficaram intrigados já que eles abriram mão de tudo para segui-lo. Então Pedro perguntou: “Nós deixamos tudo para seguir-te! Que será de nós?” (Mateus 19.27–30).

O Senhor Jesus garante ao seu apóstolo que ele e todos os que abrissem mão de suas vidas e bens por causa do Reino de Deus não ficariam sem recompensas aqui nesta Terra e na era vindoura.

Mateus 19 e o divórcio

Jesus deixou a Galileia pela última vez e se dirigiu a Jerusalém pela parte da Judéia até o lado leste do rio Jordão. Essa região era conhecida como Pereia (Mateus 19.1–12).

Ali Jesus sempre era rodeado por grandes multidões necessitadas, e como sempre, ele as curava.

Porém alguns fariseus procuraram provar Jesus a partir de um problema: “É lícito ao homem se divorciar de sua mulher por qualquer razão?”

A população encontrava-se dividida sobre esse assunto.

Os seguidores de Hillel achavam que um homem podia se divorciar de sua mulher por praticamente qualquer razão, porém outras pessoas, seguidores de Shammai, achavam que não se podia divorciar de sua mulher a não ser que ela fosse culpada de delito sexual.

Sem se prender na questão Hillel-Shammai, Jesus lembrou aos líderes religiosos o objetivo de Deus ao estabelecer o elo matrimonial.

Deus criou os seres humanos homem e mulher e no matrimônio, Ele os une em um elo inseparável.

Esse elo é uma aliança mais digna que o relacionamento entre pai e filho, uma vez que o homem precisa deixar seu pai e sua mãe e unir-se à sua mulher em uma união de uma somente carne (Gênese 2:24).

Então, o que Deus uniu, os homens não podem separar.

Mais uma pergunta

Os fariseus, concluindo que Jesus estava defendendo a conservação do relacionamento matrimonial, perguntaram por que Moisés pronunciou uma determinação para a separação para pessoas de seu tempo (Mateus 19.7)

A resposta do Senhor foi que Moisés concedeu essa concessão visto que o coração dos seres humanos se encontrava insensível (veja Deuteronômio 24:1-4).

Porém essa não era a intenção de Deus para o matrimônio. Deus pretendia que maridos e mulheres vivessem unidos permanentemente.

A exceção

A separação era errada, a não ser para a traição matrimonial (Mateus 5:32).

Os estudiosos da Bíblia diferem sobre o significado desta “exceção”, encontrada somente no Evangelho de Mateus.

A palavra para “infidelidade conjugal” é porneia.

Alguns acham que Jesus usou isto como palavra de sentido parecido de adultério (moicheia). Então, o adultério de um dos cônjuges em um casamento é o único motivo satisfatório para que um casamento termine em separação.

Entre aqueles que sustentam essa compreensão, alguns acreditam que um novo casamento é possível, porém alguns acreditam que um novo casamento de modo algum deveria acontecer.

Contudo, definem porneia como uma infração sexual que seria suportada somente no tempo de noivado, um período em que um homem e uma mulher judeus eram considerados casados. Contudo, não haviam consumado seu casamento com relações sexuais.

Se nesse tempo a mulher fosse encontrada grávida (como Maria em Mateus 1.18-19), uma separação seria capaz de acontecer a fim de rescindir o trato.

Mas também acreditam que o termo porneia se referia a casamentos ilegítimos dentro de graus proibidos de semelhança, como está escrito em Levítico 18:6-18.

Se um homem descobrisse que sua mulher era um familiar próxima, ele estaria na verdade em um casamento incestuoso. Assim sendo, tinha uma razão justificável para a separação.

Um estilo de vida?

Outra compreensão é que porneia se refere a um estilo de vida terrível, permanente e impenitente de perversão sexual, distinto de uma traição única.

Essa perversão contínua, então, seria a base para a separação, uma vez que esse comportamento infiel e terrível teria invalidado o elo matrimonial. ( Veja 1 Coríntios 7.10-16.).

Qualquer que seja a escolha adotada sobre a condição do divórcio, Jesus inegavelmente afirmou a conservação do casamento.

Aqueles que ouviram Suas palavras o entenderam dessa forma, uma vez que raciocinaram que, se não houvesse bases para a separação, seria melhor jamais se casar.

Porém não era isto o que Jesus pretendia, uma vez que Deus deu casamento aos seres humanos para seu desenvolvimento (Gênesis 2:18).

15 COMMENTS

  1. Graça e paz aos amados irmãos esse assunto bíblico e bem claro não é permitido o divórcio senão com a prostituiçao caso de violência e outras questões deve se recorrer a outras passagens bíblicas

  2. Excelente artigo. Lembrando que no começo da separação há uma verdadeira mistura de sentimentos: frustração pelo fracasso do relacionamento, tristeza, culpa, raiva, ansiedade e nervosismo quanto ao que virá pela frenteo, e até mesmo desejo de vingança…. Tudo isto acaba se misturando, tornando essa fase muito mais confusa e dramática, podendo gerar inclusive quadro depressivo.

    Sei o quão difícil tudo isso pode ser, mas não se deixe tomar pelos sentimentos aflorados que não ajudam em nada. Tente reconhecer que um ciclo se encerrou e outros começarão em sua vida. Cuidar de si mesmo e seguir em frente é melhor para todos, inclusive para o(a) ex e para os filhos.

  3. Fui casada por uns 10 anos,meu ex marido foi preso aí resolvemos cadastro pra diminuir a pena dele,só que com passar do tempo não deu pra conviver nais,eu vivia num cárcere privado,ele não me batia mas só podia fazer o que ele deixava e em uma discussão ele me jogou gasolina como eu estava na presença de Deus firme o senhor me livrou e nventario então me separei conheci outra pessoa que cuida de mim como uma pessoa nós somos evangélicos todos os dois, hoje queria saber isso vai me levar pro inferno

  4. Eu fui casada com o pai dos meus filhos e eu não era evangélica hoje sou evangélica e casada a Bíblia diz que Deus abomina o divórcio eu vou pro inferno por causa disso .

      • O divórcio jamais foi e será permitido por DEUS. quando lerem em Mateus 19.9 somente em caso de adultério/ prostituição. A palavra grega é pornéia. Diz se a cultura Judáica, que a noiva não poderia ser deflorada por outro homem. Caso o noivo descobrisse que ela não mais era virgem, ele poderia acabar com tudo. Mesmo nas vésperas do casamento. Ai sim Deus permitia, pois não havia ainda o casamento selado por ele.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Jesus e a Bíblia © 2020. Todos os direitos reservados.