Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Mateus 27 Estudo: O Remorso de Judas

Mateus 27.1 – 10: Ao perceber o erro que havia cometido, Judas Iscariotes foi tomado de um remorso horrível. Isto o levou a querer devolver o dinheiro aos líderes religiosos com a intenção de interromper o andamento do plano.

Porém, o que ele recebeu foi a zombaria e a indiferença de homens invejosos, gananciosos e hipócritas. Isso o magoou profundamente e tomado de angústia ele procurou enforcar-se.

Embora Judas Iscariotes tenha mostrado arrependimento ele não foi até Jesus Cristo para pedir-lhe perdão, como Pedro que o negou três vezes.

Judas se deixou sucumbir pela amargura, isso mostra que embora tenha passado tanto tempo com Jesus, não compreendeu o seu caráter.

Mateus 27.11 – 14: Jesus é levado a presença de Pilatos, o governador da Judéia para ser interrogado por seus crimes.

A atitude de Jesus foi permanecer em silêncio durante boa parte do interrogatório. E Pilatos percebeu que Jesus estava ali por causa da inveja dos líderes religiosos. (Ver Jesus na Cruz – Estudo Completo Sobre a Crucificação de Jesus Cristo)

Mateus 27.15 – 22: A multidão prefere libertar um terrorista culpado e condenar a Jesus. Um homem santo e que tanto edificou suas vidas.

Isso nos mostra o quanto somos incoerentes e influenciados pelo mal. Oportunistas, parciais, injustos. A natureza humana é absolutamente corrupta. 

Mateus 27.23 – 26: Após lavar a mãos diante da vontade do povo, Pilatos condena o Filho de Deus a crucificação e ordena que Barrabás seja solto.

27.27 – 56: Para saber tudo sobre a crucificação de Jesus Cristo, veja: Jesus na Cruz – Estudo Completo Sobre a Crucificação.

Mateus 27.57 – 66: Para saber como tudo o que aconteceu após a morte de Jesus, veja: Ressurreição de Jesus Cristo Na Bíblia: Vencendo a Morte e o Pecado

Esboço de Mateus 27:

Mateus 27.1 – 10: O remorso de Judas

Mateus 27.11 – 14: Jesus é interrogado por Pilatos

Mateus 27.15 – 22: Barrabás é solto e Jesus é condenado

Mateus 27.23 – 26: Jesus é condenado a crucificação

Mateus 27.27 – 47: A crucificação de Jesus Cristo

Mateus 27.48 – 56: A morte de Jesus Cristo

Mateus 27.57 – 66: O sepultamento de Jesus Cristo

 

O Fruto da Traição

“Quando Judas, que o havia traído, viu que Jesus fora condenado, foi tomado de remorso e devolveu aos chefes dos sacerdotes e aos líderes religiosos as trinta moedas de prata. E disse: “Pequei, pois traí sangue inocente”. E eles retrucaram: “Que nos importa? A responsabilidade é sua”. Então Judas jogou o dinheiro dentro do templo, saindo, foi e enforcou-se”. (Mateus 27:3-5)

O dinheiro que eles haviam dado a Judas por trair a Cristo é por ele devolvido, e Judas, em desespero, se enforca. Os príncipes dos sacerdotes e os anciãos valeram-se disso, ao levar Cristo a julgamento, que seu próprio discípulo o entregou a eles.

Mas agora, no meio do julgamento, esse trunfo lhes falta, e até mesmo este se torna uma testemunha da inocência de Cristo e um monumento da justiça de Deus.

A morte de Judas serviu para a glória de Cristo em meio aos seus sofrimentos, um exemplo de sua vitória sobre Satanás, que havia se apossado de Judas. De aviso para os seus acusadores, e para torná-los ainda mais imperdoáveis.

Se os seus próprios corações não estivessem completamente voltados para fazer esse mal, o que Judas disse e fez – seria de se pensar – deveria ter suspendido a acusação.

O que o Levou a Sentir Remorso?

Veja agora como Judas sentiu remorso: ele não agiu como Pedro, que se arrependeu, creu e foi perdoado: não, ele sentiu remorso, desesperou-se e se perdeu.

Isto ocorreu quando ele percebeu que estava condenado. Judas provavelmente esperava que Cristo conseguisse escapar das mãos deles ou tivesse defendido a sua própria causa no tribunal deles, e tivesse sucesso.

E então Cristo ficaria com a glória, os judeus, com a vergonha, e ele, com o dinheiro, e ninguém seria prejudicado. Ele não tinha motivo nenhum para esperar por isso, porque muitas vezes tinha ouvido o seu Mestre dizer que deveria ser crucificado.

Ainda assim é provável que ele, de fato, esperasse por isso, e quando os fatos não corresponderam à sua vã expectativa, ficou aterrorizado quando viu a forte corrente contra Cristo, e este se submetendo a ela.

Note que aqueles que medem as ações pelas suas consequências, e não pela lei divina, descobrirão que estão errados em seus atos. O caminho do pecado é uma descida.

E se não pudermos nos deter facilmente, menos ainda conseguiremos parar outros a quem induzimos a seguir um caminho pecaminoso. Pode-se dizer que Judas se arrependeu.

“O Que Eu Fiz?”

Quer dizer, ele estava cheio de tristeza, angústia e indignação contra si mesmo, ao refletir sobre o que tinha feito. Quando ele ficou tentado a trair o seu Mestre, as trinta moedas de prata pareciam bastante agradáveis e brilhantes, como o vinho, quando é vermelho e empresta a sua cor ao copo.

Mas quando a transação foi feita, e o dinheiro, pago, a prata tornou-se entulho, ela mordia como uma serpente e picava como uma víbora. Agora a sua consciência transparecia em sua face: “O que eu fiz!

Que tolo, que canalha sou eu, vender por tal ninharia o meu Mestre e todo o consolo e felicidade que tenho nele!

Todas essas brutalidades e indignidades cometidas contra ele são imputáveis a mim; é devido a mim que Ele está preso e condenado, que lhe cospem e esbofeteiam.

“Não Imaginei!”

Não pensei que as coisas chegariam a esse ponto quando fiz aquela maldita barganha; que tolo e ignorante fui eu, tal como um animal”. Agora ele amaldiçoou a bolsa que carregava, o dinheiro que cobiçou, os sacerdotes com quem negociou, e o dia em que nasceu.

A lembrança da bondade de seu Mestre para com ele, a qual ele retribuiu de maneira tão desprezível, a profunda misericórdia que ele rejeitou, e as sinceras advertências que havia desprezado, reforçaram suas convicções, e as tornaram ainda mais pungentes.

Então ele descobriu que as palavras de seu Mestre eram verdadeiras. Era melhor para aquele “homem que ele nunca tivesse nascido”. Note que o pecado logo mudará o seu sabor.

Ainda que seja rolado para baixo da língua como um doce bocado, nas entranhas ele se transformará em “fel de áspides” (Jó 20.12-14), como no livro de João (Apocalipse 10.9). (Henry, Matthew, Comentário dos Evangelhos)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});