Neemias - Bíblia de Estudo Online

Em Neemias 4, o escritor nos mostra que a oposição se torna ferrenha contra a reconstrução do muro, em Jerusalém. A princípio eles tentam abater moralmente os trabalhadores. Ridicularizam, zombam, dizem que a obra deles é vulnerável, uma piada.

Percebendo isso, Neemias começa um período de oração específico por essa causa. Ele quer terminar a reconstrução e está disposto a fazer o que for necessário.

Quando novos ataques surgem, ele intensifica a oração e se movimenta de maneira que todos eles sejam resolvidos. Ele muda a estratégia de acordo com a necessidade.

Neemias é um líder excepcional. Ele não fica reclamando das dificuldades, ou pergunta a Deus: “Por quê o Senhor está permitindo isso? É a tua obra!”.

Não! Neemias ora pedindo a Deus força e livramento. Em meio a tudo isso ele trabalha de maneira dedicada e orienta seu povo com sabedoria.

Que Deus levante em nossa geração um número cada vez maior de homens e mulheres como Neemias, dispostos a resolver problemas e dar prosseguimento ao Reino de Deus.

Esboço de Neemias 4:

4.1 – 3: Opositores zombam da obra

4.4 – 6: Orando e agindo

4.7 – 15: Lidando com os problemas

4.16 – 23: Mudando a estratégia

Neemias 4.1 – 3: Opositores zombam da obra

1 Quando Sambalate soube que estávamos reconstruindo o muro, ficou furioso. Ridicularizou os judeus

2 e, na presença de seus compatriotas e dos poderosos de Samaria, disse: “O que aqueles frágeis judeus estão fazendo? Será que vão restaurar o seu muro? Irão oferecer sacrifícios? Irão terminar a obra num só dia? Será que vão conseguir ressuscitar pedras de construção daqueles montes de entulho e de pedras queimadas?”

3 Tobias, o amonita, que estava ao seu lado, completou: “Pois que construam! Basta que uma raposa suba lá, para que esse muro de pedras desabe!”

Neemias 4.4 – 6: Orando e agindo

4 Ouve-nos, ó Deus, pois estamos sendo desprezados. Faze cair sobre eles a zombaria. E sejam eles levados prisioneiros como despojo para outra terra.

5 Não perdoes os seus pecados nem apagues as suas maldades, pois provocaram a tua ira diante dos construtores.

6 Nesse meio tempo fomos reconstruindo o muro, até que em toda a sua extensão chegamos à metade da sua altura, pois o povo estava totalmente dedicado ao trabalho.

Neemias 4.7 – 15: Lidando com os problemas

7 Quando, porém, Sambalate, Tobias, os árabes, os amonitas e os homens de Asdode souberam que os reparos nos muros de Jerusalém tinham avançado e que as brechas estavam sendo fechadas, ficaram furiosos.

8 Todos juntos planejaram atacar Jerusalém e causar confusão.

9 Mas nós oramos ao nosso Deus e colocamos guardas de dia e de noite para proteger-nos deles.

10 Enquanto isso, o povo de Judá começou a dizer: “Os trabalhadores já não têm mais forças e ainda há muito entulho. Por nós mesmos não conseguiremos reconstruir o muro”.

11 E os nossos inimigos diziam: “Antes que descubram qualquer coisa ou nos vejam, estaremos bem ali no meio deles; vamos matá-los e acabar com o trabalho deles”.

12 Os judeus que moravam perto deles dez vezes nos preveniram: “Para onde quer que vocês se virarem, saibam que seremos atacados de todos os lados”.

13 Por isso posicionei alguns do povo atrás dos pontos mais baixos do muro, nos lugares abertos, divididos por famílias, armados de espadas, lanças e arcos.

14 Fiz uma rápida inspeção e imediatamente disse aos nobres, aos oficiais e ao restante do povo: Não tenham medo deles. Lembrem-se de que o Senhor é grande e temível, e lutem por seus irmãos, por seus filhos e por suas filhas, por suas mulheres e por suas casas.

15 Quando os nossos inimigos descobriram que sabíamos de tudo e que Deus tinha frustrado a sua trama, todos nós voltamos para o muro, cada um para o seu trabalho.

Neemias 4.16 – 23: Mudando a estratégia

16 Daquele dia em diante, enquanto a metade dos meus homens fazia o trabalho, a outra metade permanecia armada de lanças, escudos, arcos e couraças. Os oficiais davam apoio a todo o povo de Judá

17 que estava construindo o muro. Aqueles que transportavam material faziam o trabalho com uma das mãos e com a outra seguravam uma arma,

18 e cada um dos construtores trazia na cintura uma espada enquanto trabalhava; e comigo ficava um homem pronto para tocar a trombeta.

19 Então eu disse aos nobres, aos oficiais e ao restante do povo: A obra é grande e extensa, e estamos separados, distantes uns dos outros, ao longo do muro.

20 Do lugar de onde ouvirem o som da trombeta, juntem-se a nós ali. Nosso Deus lutará por nós!

21 Dessa maneira prosseguimos o trabalho com metade dos homens empunhando espadas desde o raiar da alvorada até o cair da tarde.

22 Naquela ocasião eu também disse ao povo: Cada um de vocês e o seu ajudante devem ficar à noite em Jerusalém, para que possam servir de guarda à noite e trabalhar durante o dia.

23 Eu, os meus irmãos, os meus homens de confiança e os guardas que estavam comigo nem tirávamos a roupa, e cada um permanecia de arma na mão.

11 COMENTÁRIOS

  1. Esto como prof na minha ig onde congrego e sempre que presciso venho aqui buscar ensinamento pois acho muito bém explicativo de forma fácil. paz do Senho

  2. Muito bom irmão Diego foi muito esclarecedora esta palavra gostei demais, pela graça faço uma obra missionária aqui na Aldeia Indígena Estiva mun.Marcação -pb e tem sido de grande ajuda os seus comentários e estudos. muito obrigado!

  3. Boa tarde,querido adorei quando achei esse site de vocês pesquisando Gênesis ao apocalipse de capítulo a capítulo.

    Porque os senhores não fazem estudos crônicas ou Gênesis ao apocalipse.

    Minha sugestão.adoro ler .
    Seria bom pra estudar mas é aprimorar mas conhecimento.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here