Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Neemias 9 Estudo: O Deus Doador

Em Neemias 9, os sacerdotes e levitas se reúnem para orar e jejuar. Além disso, eles leram a Lei do Senhor Deus e exortaram o povo a que adorassem ao Senhor. Enquanto faziam isso, começaram a orar.

Durante a oração, basicamente alguns atributos de Deus são mencionados. O livramento e a condução, o cuidado e a doação.

O povo percebia que seu Deus era amoroso (Ver Estudo Bíblico Sobre o Amor de Deus), pois desde o passado, quando eles ainda eram escravos no Egito, seu cuidado estava presente.

Que o Espírito Santo gere em nós esta consciência. Que saibamos ser gratos a Deus por tudo aquilo que Ele tem nos dado e ensinado, por meio do seu maravilhoso Amor e presença.

Esboço de Neemias 9:

Neemias 9.1 – 5: Exortação de louvor ao Senhor

Neemias 9.6 – 12: O Deus que livra e conduz

Neemias 9.13 – 22: O Deus que cuida

Neemias 9.23 – 25: O Deus doador

 

O Jejum Coletivo

“No dia vinte e quatro do mês, os israelitas se reuniram, jejuaram, vestiram pano de saco e puseram terra sobre a cabeça. Os que eram de ascendência israelita tinham se separado de todos os estrangeiros. Levantaram-se nos seus lugares, confessaram seus pecados e a maldade dos seus antepassados”. (Neemias 9:1,2)

Temos aqui um relato geral de um jejum público que os filhos de Israel celebraram, provavelmente por ordem de Neemias, pelo conselho, e com o consentimento dos principais entre os pais.

Era um jejum designado pelos homens, mas um jejum que Deus teria escolhido; pois era um dia para afligir a alma (Isaías 58.5). Provavelmente, eles se reuniram nos átrios do Templo, e apareceram ali com pano de saco e em uma postura de pranteadores, com terra sobre a cabeça.

Por meio dessas expressões exteriores de tristeza e humilhação, eles deram glória a Deus, envergonharam-se, e incentivaram uns aos outros ao arrependimento.

Antes haviam sido refreados de chorar (capítulo 8.9), mas agora foram orientados a chorar. A alegria das nossas festividades sagradas deve dar lugar à tristeza dos nossos jejuns solenes quando eles vêm. Tudo é belo no seu devido tempo.

A geração de Israel, uma vez que era uma geração santa, apropriada para Deus e mais esplêndida do que seus vizinhos, se apartou de todos os estranhos com quem tinham se misturado e unido pelo casamento.

Esdras os tinha separado das esposas estrangeiras alguns anos antes, mas eles tinham recaído no mesmo pecado, e se casado ou pelo menos feito amizade com eles novamente, e assumido tamanha intimidade a ponto de se tornar uma armadilha para eles.

Mas agora eles se apartaram dos filhos estrangeiros, bem como das esposas estrangeiras. Aqueles que anseiam, por meio de orações e alianças, unir-se a Deus devem separar- se do pecado e dos pecadores; porque que comunhão tem a luz com as trevas?

Um Dia de Comunhão Com Deus

Eles jejuaram para ele, mesmo para ele (Zacarias 7.5); pois eles falaram com o Senhor por meio da oração, ofereceram suas afeições piedosas e devotas a Ele por meio da confissão de pecado e a adoração a Ele como seu Senhor e Deus.

Jejum sem oração é um corpo sem alma, uma carcaça inútil. Eles o ouviram falar com eles pela sua palavra; pois eles leram no livro da Lei, que é muito oportuno em dias de jejum, quando, à luz da Lei, podemos ver nossas deformidades e profanações, e saber o que confessar e corrigir.

A palavra vai orientar e estimular a oração, porque por meio dela o Espírito ajuda nossas fraquezas na oração. Observe como o tempo foi igualmente dividido entre essas duas práticas.

Administrando o Tempo

Três horas (porque essa é uma quarta parte do dia) eles passaram lendo, expondo e aplicando as Escrituras, e três horas, confessando o pecado e orando; de modo que eles permaneceram juntos seis horas, e passaram todo o tempo nos atos solenes da religião, sem dizer: Eis aqui, que canseira! (veja Malaquias 1.13).

A alternância dos exercícios tornou esse exercício espiritual menos fatigante, e, como a palavra que liam os supriria com assunto para orar, assim a oração tornaria a palavra mais proveitosa.

O bispo Patrick acredita que eles passaram as doze horas do dia em devoção: que das seis horas da manhã até as nove leram, e então das nove até o meio-dia oraram, do meio-dia até as três leram outra vez, e das três até as seis da tarde oraram novamente.

A obra de um dia de oração é uma boa obra, e, por essa razão, deveríamos nos empenhar em tornar um dia de trabalho um bom dia de trabalho. (Henry, Matthew, Comentário de Josué a Ester)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});