Números - Bíblia de Estudo Online

Após a jornada de três dias que acabamos de descrever (10:33-36), o povo começou a reclamar ao ouvir o Senhor. A referência a ouvi-los é a linguagem antropomórfica usada, sem dúvida, para sugerir que suas queixas não eram internas e silenciosas (Números 11:1–3).

De fato, foi tão alto que atingiu os próprios céus!

Em reação, o SENHOR em Sua ira consumiu muitos dos rebeldes com fogo. (A palavra hebraica para “o acampamento” sugere pessoas que estavam acampadas, não apenas um lugar de acampamento. Portanto, as pessoas foram consumidas.)

Este fogo é sem dúvida uma metáfora para descrever a ira ígnea e julgamento de Deus, embora obviamente possa ter sido um fogo literal. Tão impressionante foi o castigo do Senhor que o povo nomeou aquela parte do acampamento Taberah (“fogo”).

Isso não se tornou um nome de lugar normal, no entanto, como sua omissão das listas de itinerário posteriores mostra claramente (33:16-17). (1)

Esboço de Números 11:

11.1 – 3: A queixa dos israelitas

11.4 – 15: A perturbação dos príncipes e do povo

11.16 – 23: Nomeação de ajudantes para Moisés

11.24 – 30: Deus promete prover carne para o povo

11.31 – 35: As codornizes 

 

Números 11.1 – 3: A queixa dos israelitas

1 Aconteceu que o povo começou a queixar-se das suas dificuldades aos ouvidos do Senhor. Quando ele os ouviu, a sua ira acendeu-se e fogo da parte do Senhor queimou entre eles e consumiu algumas extremidades do acampamento.

2 Então o povo clamou a Moisés, este orou ao Senhor, e o fogo extinguiu-se.

3 Por isso aquele lugar foi chamado Taberá, porque o fogo da parte do Senhor queimou entre eles.

Números 11.4 – 15: A perturbação dos príncipes e do povo

4 Um bando de estrangeiros que havia no meio deles encheu-se de gula, e até os próprios israelitas tornaram a queixar-se, e diziam: Ah, se tivéssemos carne para comer!

5 Nós nos lembramos dos peixes que comíamos de graça no Egito, e também dos pepinos, das melancias, dos alhos-porós, das cebolas e dos alhos.

6 Mas agora perdemos o apetite; nunca vemos nada, a não ser este maná!

7 O maná era como semente de coentro e tinha aparência de resina.

8 O povo saía recolhendo o maná nas redondezas, e o moía num moinho manual ou socava-o num pilão; depois cozinhava o maná e com ele fazia bolos. Tinha gosto de bolo amassado com azeite de oliva.

9 Quando o orvalho caía sobre o acampamento à noite, também caía o maná.

10 Moisés ouviu gente de todas as famílias se queixando, cada uma à entrada de sua tenda. Então acendeu-se a ira do Senhor, e isso pareceu mal a Moisés.

11 E ele perguntou ao Senhor: Por que trouxeste este mal sobre o teu servo? Foi por não te agradares de mim, que colocaste sobre os meus ombros a responsabilidade de todo esse povo?

12 Por acaso fui eu quem o concebeu? Fui eu quem o deu à luz? Por que me pedes para carregá-lo nos braços, como uma ama carrega um recém-nascido, para levá-lo à terra que prometeste sob juramento aos seus antepassados?

13 Onde conseguirei carne para todo esse povo? Eles ficam se queixando contra mim, dizendo: “Dê-nos carne para comer!”

14 Não posso levar todo esse povo sozinho; essa responsabilidade é grande demais para mim.

15 Se é assim que vais me tratar, mata-me agora mesmo; se te agradas de mim, não me deixes ver a minha própria ruína.

Números 11.16 – 23: Nomeação de ajudantes para Moisés

16 E o Senhor disse a Moisés: Reúna setenta autoridades de Israel, que você sabe que são líderes e supervisores entre o povo. Leve-os à Tenda do Encontro, para que estejam ali com você.

17 Eu descerei e falarei com você; e tirarei do Espírito que está sobre você e o porei sobre eles. Eles o ajudarão na árdua responsabilidade de conduzir o povo, de modo que você não tenha que assumir tudo sozinho.

18 Diga ao povo: Consagrem-se para amanhã, pois vocês comerão carne. O Senhor os ouviu quando se queixaram a ele, dizendo: “Ah, se tivéssemos carne para comer! Estávamos melhor no Egito!” Agora o Senhor lhes dará carne, e vocês a comerão.

19 Vocês não comerão carne apenas um dia, ou dois, ou cinco, ou dez ou vinte,

20 mas um mês inteiro, até que lhes saia carne pelo nariz e vocês tenham nojo dela, porque rejeitaram o Senhor, que está no meio de vocês, e se queixaram a ele, dizendo: “Por que saímos do Egito?”

21 Disse, porém, Moisés: Aqui estou eu no meio de seiscentos mil homens em pé, e dizes: “Darei a eles carne para comerem durante um mês inteiro!”

22 Será que haveria o suficiente para eles se todos os rebanhos fossem abatidos? Será que haveria o suficiente para eles se todos os peixes do mar fossem apanhados?

23 O Senhor respondeu a Moisés: “Estará limitado o poder do Senhor? Agora você verá se a minha palavra se cumprirá ou não”.

Números 11.24 – 30: Deus promete prover carne para o povo

24 Então Moisés saiu e contou ao povo o que o Senhor tinha dito. Reuniu setenta autoridades dentre eles e as dispôs ao redor da Tenda.

25 O Senhor desceu na nuvem e lhe falou, e tirou do Espírito que estava sobre Moisés e o pôs sobre as setenta autoridades. Quando o Espírito veio sobre elas, profetizaram, mas depois nunca mais tornaram a fazê-lo.

26 Entretanto, dois homens, chamados Eldade e Medade, tinham ficado no acampamento. Ambos estavam na lista das autoridades, mas não tinham ido para a Tenda. O Espírito também veio sobre eles, e profetizaram no acampamento.

27 Então, certo jovem correu e contou a Moisés: “Eldade e Medade estão profetizando no acampamento”.

28 Josué, filho de Num, que desde jovem era auxiliar de Moisés, interferiu e disse: “Moisés, meu senhor, proíba-os!”

29 Mas Moisés respondeu: “Você está com ciúmes por mim? Quem dera todo o povo do Senhor fosse profeta e que o Senhor pusesse o seu Espírito sobre eles!”

30 Então Moisés e as autoridades de Israel voltaram para o acampamento.

Números 11.31 – 35: As codornizes

31 Depois disso, veio um vento da parte do Senhor que trouxe codornizes do mar e as fez cair por todo o acampamento, a uma altura de noventa centímetros, espalhando-as em todas as direções num raio de um dia de caminhada.

32 Durante todo aquele dia e aquela noite e durante todo o dia seguinte, o povo saiu e recolheu codornizes. Ninguém recolheu menos de dez barris. Então eles as estenderam para secar ao redor de todo o acampamento.

33 Mas, enquanto a carne ainda estava entre os seus dentes e antes que a ingerissem, a ira do Senhor acendeu-se contra o povo, e ele o feriu com uma praga terrível.

34 Por isso o lugar foi chamado Quibrote-Hataavá, porque ali foram enterrados os que tinham sido dominados pela gula.

35 De Quibrote-Hataavá o povo partiu para Hazerote, e lá ficou.

 

Referências:

Merrill, E. H. (1985). Numbers. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 226). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here