Números - Bíblia de Estudo Online

Por fim, as tribos de Israel chegaram ao deserto de Parã, onde acamparam por muito tempo, provavelmente no grande oásis de Cades (v. 26). Cades, embora tecnicamente no deserto de Zin, está localizada aqui, no deserto de Parã, porque Zin era uma subdivisão do grande deserto de Parã. Aqui Moisés instruiu cada tribo a fornecer um espião para explorar a terra de Canaã (Números 13:1–16).

Cada um desses líderes é listado com sua afiliação tribal (vv. 4–15). De especial interesse, à luz de novos desenvolvimentos, estão Calebe, o representante de Judá (v. 6), e Oseias, o homem escolhido de Efraim (v. 8).

Por razões não totalmente claras, Moisés mudou o nome de Oséias (hôšēa ‘,’ salvação ‘) para Josué (yehôšūa’, ‘Yahweh é salvação’).

Os espias

A rota dos exploradores ficava ao norte de Cades, passando pelo Neguebe e indo para a região montanhosa. O Neguebe (lit., “sul”) refere-se a todo o deserto do sul de Canaã, especialmente a região sul de Berseba.

A região montanhosa consistia das montanhas de Judá, do norte até as colinas de Efraim e até as alturas da Galileia. Nos tempos de Moisés, a região montanhosa era povoada principalmente pelos amorreus e as planícies e vales pelos cananeus (cf. comentários no versículo 29).

A missão dos espiões era clara: determinar a natureza da própria terra e averiguar os pontos fortes e fracos de seus habitantes (vv. 18–20). A razão para a rota que Moisés sugeriu foi provavelmente sua intenção de atacar e penetrar em Canaã a partir dessa direção.

Certamente não havia plano original para entrar na terra, do leste até Jericó. Isso não era apenas longe do principal acesso egípcio a Canaã, mas envolvia o risco de passar perto das posições defensivas fortemente fortificadas em Jericó e Ai. (1)

Esboço de Números 13:

13.1 – 20: A missão dos doze espias

13.21 – 25: Observando a Terra Prometida

13.26 – 33: Relatório de incredulidade 

 

Números 13.1 – 20: A missão dos doze espias

1 E o Senhor disse a Moisés:

2 “Envie alguns homens em missão de reconhecimento à terra de Canaã, terra que dou aos israelitas. Envie um líder de cada tribo dos seus antepassados”.

3 Assim Moisés os enviou do deserto de Parã, conforme a ordem do Senhor. Todos eles eram chefes dos israelitas.

4 São estes os seus nomes: da tribo de Rúben, Samua, filho de Zacur;

5 da tribo de Simeão, Safate, filho de Hori;

6 da tribo de Judá, Calebe, filho de Jefoné;

7 da tribo de Issacar, Igal, filho de José;

8 da tribo de Efraim, Oséias, filho de Num;

9 da tribo de Benjamim, Palti, filho de Rafu;

10 da tribo de Zebulom, Gadiel, filho de Sodi;

11 da tribo de José, isto é, da tribo de Manassés, Gadi, filho de Susi;

12 da tribo de Dã, Amiel, filho de Gemali;

13 da tribo de Aser, Setur, filho de Micael;

14 da tribo de Naftali, Nabi, filho de Vofsi;

15 da tribo de Gade, Güel, filho de Maqui.

16 São esses os nomes dos homens que Moisés enviou em missão de reconhecimento do território. (A Oséias, filho de Num, Moisés deu o nome de Josué. )

17 Quando Moisés os enviou para observarem Canaã, disse: Subam pelo Neguebe e prossigam até a região montanhosa.

18 Vejam como é a terra e se o povo que vive lá é forte ou fraco, se são muitos ou poucos;

19 se a terra em que habitam é boa ou ruim; se as cidades em que vivem são cidades sem muros ou fortificadas;

20 se o solo é fértil ou pobre; se existe ali floresta ou não. Sejam corajosos! Tragam alguns frutos da terra. Era a época do início da colheita das uvas.

Números 13.21 – 25: Observando a Terra Prometida

21 Eles subiram e observaram a terra desde o deserto de Zim até Reobe, na direção de Lebo-Hamate.

22 Subiram do Neguebe e chegaram a Hebrom, onde viviam Aimã, Sesai e Talmai, descendentes de Enaque. (Hebrom havia sido construída sete anos antes de Zoã, no Egito. )

23 Quando chegaram ao vale de Escol, cortaram um ramo do qual pendia um único cacho de uvas. Dois deles carregaram o cacho, pendurado numa vara. Colheram também romãs e figos.

24 Aquele lugar foi chamado vale de Escol por causa do cacho de uvas que os israelitas cortaram ali.

25 Ao fim de quarenta dias eles voltaram da missão de reconhecimento daquela terra.

Números 13.26 – 33: Relatório de incredulidade

26 Eles então retornaram a Moisés e a Arão e a toda a comunidade de Israel em Cades, no deserto de Parã, onde prestaram relatório a eles e a toda a comunidade de Israel, e lhes mostraram os frutos da terra.

27 E deram o seguinte relatório a Moisés: Entramos na terra à qual você nos enviou, onde há leite e mel com fartura! Aqui estão alguns frutos dela.

28 Mas o povo que lá vive é poderoso, e as cidades são fortificadas e muito grandes. Também vimos descendentes de Enaque.

29 Os amalequitas vivem no Neguebe; os hititas, os jebuseus e os amorreus vivem na região montanhosa; os cananeus vivem perto do mar e junto ao Jordão.

30 Então Calebe fez o povo calar-se perante Moisés e disse: “Subamos e tomemos posse da terra. É certo que venceremos!”

31 Mas os homens que tinham ido com ele disseram: “Não podemos atacar aquele povo; é mais forte do que nós”.

32 E espalharam entre os israelitas um relatório negativo acerca daquela terra. Disseram: A terra para a qual fomos em missão de reconhecimento devora os que nela vivem. Todos os que vimos são de grande estatura.

33 Vimos também os gigantes, os descendentes de Enaque, diante de quem parecíamos gafanhotos, a nós e a eles.

 

Referências:

Merrill, E. H. (1985). Numbers. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 229). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here