Provérbios 24 Estudo: Os Benefícios da Sabedoria

Entregar-se à pressão do problema mostra que a força de uma pessoa é limitada (Provérbios 24:10). Isso pode sutilmente sugerir que a pessoa não é sábia, porque, como afirmado no versículo 5, a sabedoria dá força. O hebraico inclui um jogo de palavras colocando a palavra para pequeno (ṣar, “estreito, firme, restrito”) imediatamente após a palavra para “angústia” (ṣārâh).

O versículo 10 se refere a problemas que surgem em uma pessoa; versículos 11-12 referem-se a problemas que surgem nos outros. As pessoas aqui que estão sendo levadas à morte e ao massacre provavelmente são vítimas de opressão injusta ao invés de culpados serem condenados.

Algumas pessoas podem alegar que ignoram as dificuldades dos outros, mas Deus sabe quem é culpado de ignorância intencional e Ele irá julgá-lo (cf. Mt 25: 41-46). Ele pesa o coração (cf. Prov. 21:2), isto é, Ele conhece e considera os motivos e pensamentos interiores das pessoas. Deus está preocupado com o sofrimento dos pobres e dos desamparados (cf. 22: 22-23; 23: 10-11).

Assim como o mel, a substância mais doce conhecida no antigo Oriente Próximo, é bom e tem sabor doce, a sabedoria é benéfica e desejável para a alma, porque dá à pessoa uma esperança futura (Provérbios 24:13-14).

O mel é mencionado seis vezes em Provérbios (5:3; 24:13 [duas vezes]; 25:16, 27; 27:7). Meu filho ocorre nos 30 dizeres cinco vezes (23:15, 19, 26; 24:13, 21). (1)

Esboço de Provérbios 24:

24.1 – 8: A excelência da sabedoria

24.7 – 9: Os perversos e escarnecedores

24.10 – 14: Os benefícios da sabedoria

24.15 – 20: Cuidado com a inveja

24.21 – 29: Conselhos para os governantes

24.30 – 34: O comportamento do preguiçoso 

Provérbios 24.1 – 8: A excelência da sabedoria

1 Não tenha inveja dos ímpios, nem deseje a companhia deles;

2 pois destruição é o que planejam no coração, e só falam de violência.

3 Com sabedoria se constrói a casa, e com discernimento se consolida.

4 Pelo conhecimento os seus cômodos se enchem do que é precioso e agradável.

5 O homem sábio é poderoso, e quem tem conhecimento aumenta a sua força;

6 quem sai à guerra precisa de orientação, e com muitos conselheiros se obtém a vitória.

Provérbios 24.7 – 9: Os perversos e escarnecedores

7 A sabedoria é elevada demais para o insensato; ele não sabe o que dizer nas assembleias.

8 Quem maquina o mal será conhecido como criador de intrigas.

9 A intriga do insensato é pecado, e o zombador é detestado pelos homens.

Provérbios 24.10 – 14: Os benefícios da sabedoria

10 Se você vacila no dia da dificuldade, como será limitada a sua força!

11 Liberte os que estão sendo levados para a morte; socorra os que caminham trêmulos para a matança!

12 Mesmo que você diga: “Não sabíamos o que estava acontecendo!” Não o perceberia aquele que pesa os corações? Não o saberia aquele que preserva a sua vida? Não retribuirá ele a cada um segundo o seu procedimento?

13 Coma mel, meu filho. É bom. O favo é doce ao paladar.

14 Saiba que a sabedoria também será boa para a sua alma; se você a encontrar, certamente haverá futuro para você, e a sua esperança não vai decepcioná-lo.

Provérbios 24.15 – 20: Cuidado com a inveja

15 Não fique de tocaia, como faz o ímpio, contra a casa do justo, e não destrua o seu local de repouso,

16 pois ainda que o justo caia sete vezes, tornará a erguer-se, mas os ímpios são arrastados pela calamidade.

17 Não se alegre quando o seu inimigo cair, nem exulte o seu coração quando ele tropeçar,

18 para que o Senhor não veja isso, e se desagrade, e desvie dele a sua ira.

19 Não se aborreça por causa dos maus, nem tenha inveja dos ímpios,

20 pois não há futuro para o mau, e a lâmpada dos ímpios se apagará.

Provérbios 24.21 – 29: Conselhos para os governantes

21 Tema o Senhor e o rei, meu filho, e não se associe aos dissidentes,

22 pois terão repentina destruição, e quem pode imaginar a ruína que o Senhor e o rei podem causar?

23 Aqui vão outros ditados dos sábios: Agir com parcialidade nos julgamentos não é nada bom.

24 Quem disser ao ímpio: “Você é justo”, será amaldiçoado pelos povos e sofrerá a indignação das nações.

25 Mas os que condenam o culpado terão vida agradável; receberão grandes bênçãos.

26 A resposta sincera é como beijo nos lábios.

27 Termine primeiro o seu trabalho a céu aberto; deixe pronta a sua lavoura. Depois constitua família.

28 Não testemunhe sem motivo contra o seu próximo nem use os seus lábios para enganá-lo.

29 Não diga: “Farei com ele o que fez comigo; ele pagará pelo que fez”.

Provérbios 24.30 – 34: O comportamento do preguiçoso

30 Passei pelo campo do preguiçoso, pela vinha do homem sem juízo;

31 havia espinheiros por toda parte, o chão estava coberto de ervas daninhas e o muro de pedra estava em ruínas.

32 Observei aquilo, e fiquei pensando; olhei, e aprendi esta lição:

33 “Vou dormir um pouco”, você diz. “Vou cochilar um momento; vou cruzar os braços e descansar mais um pouco”,

34 mas a pobreza lhe sobrevirá como um assaltante, e a sua miséria como um homem armado.

 

Referências:

Buzzell, S. S. (1985). Proverbs. In J. F. Walvoord & R. B. Zuck (Orgs.), The Bible Knowledge Commentary: An Exposition of the Scriptures (Vol. 1, p. 958). Wheaton, IL: Victor Books.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here