Provérbios 30 e o seguinte são um apêndice aos provérbios de Salomão; mas são expressamente chamados de profecias nos primeiros versículos de ambos os capítulos, e por isto parece que os seus autores, quem quer que fossem, foram divinamente inspirados.

Este capítulo foi escrito por alguém que tem o nome de “Agur, filho de Jaque”. A que tribo pertencia, ou onde vivia, não nos é informado; o que ele escreveu, inspirado pelo Espírito Santo, está registrado aqui.

Aqui temos a sua confissão de fé (v.v. 1-6). A sua oração (v.v. 7-9). Uma advertência contra prejudicar um servo (v. 10). Quatro gerações ímpias (v.v. 11-14). Quatro coisas insaciáveis (v.v. 15,16), às quais é acrescentada uma advertência para os filhos irreverentes e desobedientes (v. 17).

Quatro coisas insondáveis (v.v. 18-20). Quatro coisas intoleráveis (v.v. 21-23). Quatro coisas pequenas e sábias (v.v. 24-28). Quatro coisas grandiosas (v. 29 até o fim). (Henry, Matthew, Comentário dos Livros Poéticos)

Esboço de Provérbios 30:

Provérbios 30.1 – 6: As Palavras de Agur

Provérbios 30.7 – 9: Oração de Agur

Provérbios 30.10 – 14: Quatro gerações ímpias

Provérbios 30.15 – 17: Quatro coisas insondáveis

Provérbios 30.18 – 23: Oito coisas pequenas e sábias

Provérbios 30.29 – 33: Quatro coisas majestosas e imponentes 

 

Provérbios 30.1 – 6: As Palavras de Agur

1 Ditados de Agur, filho de Jaque; oráculo: Este homem declarou a Itiel; a Itiel e a Ucal:

2 Sou o mais tolo dos homens; não tenho o entendimento de um ser humano.

3 Não aprendi sabedoria, nem tenho conhecimento do Santo.

4 Quem subiu aos céus e desceu? Quem ajuntou nas mãos os ventos? Quem embrulhou as águas em sua capa? Quem fixou todos os limites da terra? Qual é o seu nome, e o nome do seu filho? Conte-me, se você sabe!

5 Cada palavra de Deus é comprovadamente pura; ele é um escudo para quem nele se refugia.

6 Nada acrescente às palavras dele, do contrário, ele o repreenderá e mostrará que você é mentiroso.

Provérbios 30.7 – 9: Oração de Agur

7 Duas coisas peço que me dês antes que eu morra:

8 Mantém longe de mima falsidade e a mentira; não me dês nem pobreza nem riqueza; dá-me apenas o alimento necessário.

9 Se não, tendo demais, eu te negaria e te deixaria, e diria: “Quem é o Senhor? ” Se eu ficasse pobre, poderia vir a roubar, desonrando assim o nome do meu Deus.

Provérbios 30.10 – 14: Quatro gerações ímpias

10 Não fale mal do servo ao seu senhor; do contrário, o servo o amaldiçoará, e você levará a culpa.

11 Existem os que amaldiçoam seu pai e não abençoam sua mãe;

12 os que são puros aos seus próprios olhos e que ainda não foram purificados da sua impureza;

13 os que têm olhos altivos e olhar desdenhoso;

14 pessoas cujos dentes são espada se cujas mandíbulas estão armadas de facas para devorarem os necessitados desta terra e os pobres da humanidade.

Provérbios 30.15 – 17: Quatro coisas insondáveis

15 Duas filhas tem a sanguessuga. “Dê! Dê!”, gritam elas. Há três coisas que nunca estão satisfeitas, quatro que nunca dizem: “É o bastante!”:

16 o Sheol, o ventre estéril, a terra, cuja sede nunca se aplaca, e o fogo, que nunca diz: “É o bastante!”

17 Os olhos de quem zomba do pai, e, zombando, nega obediência à mãe, serão arrancados pelos corvos do vale, e serão devorados pelos filhotes do abutre.

Provérbios 30.18 – 23: Oito coisas pequenas e sábias

18 Há três coisas misteriosas demais para mim, quatro que não consigo entender:

19 o caminho do abutre no céu, o caminho da serpente sobre a rocha, o caminho do navio em alto-mar, e o caminho do homem com uma moça.

20 Este é o caminho da adúltera: ela come e limpa a boca, e diz: “Não fiz nada de errado”.

21 Três coisas fazem tremer a terra, e quatro ela não pode suportar:

22 o escravo que se torna rei, o insensato farto de comida,

23 a mulher desprezada que por fim se casa, e a escrava que toma o lugar de sua senhora.

24 Quatro seres da terra são pequenos, e, no entanto, muito sábios:

25 as formigas, criaturas de pouca força, contudo, armazenam sua comida no verão;

26 os coelhos, criaturas sem nenhum poder, contudo, habitam nos penhascos;

27 os gafanhotos, que não têm rei, contudo, avançam juntos em fileiras;

28 a lagartixa, que se pode apanhar com as mãos, contudo, encontra-se nos palácios dos reis.

Provérbios 30.29 – 33: Quatro coisas majestosas e imponentes

29 Há três seres de andar elegante, quatro que se movem com passo garboso:

30 o leão, que é poderoso entre os animais e não foge de ninguém;

31 o galo de andar altivo; o bode; e o rei à frente do seu exército.

32 Se você agiu como tolo e exaltou-se a si mesmo, ou se planejou o mal, tape a boca com a mão!

33 Pois assim como bater o leite produz manteiga, e assim como torcer o nariz produz sangue, também suscitar a raiva produz contenda.

Inscreva-se em nosso canal e receba conteúdo exclusivo » QUERO SER UM INSCRITO!

Estudos Relacionados

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here