Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Salmos 133 Estudo: Comunhão Entre os Irmãos

No Salmos 133, o Salmista entoa um cântico nos mostrando a importância de vivermos unidos. Como povo de Deus precisamos aprender a respeitar nossas diferenças focar no nosso grande e poderoso objetivo comum: a glória de Deus!

Provavelmente este salmo foi escrito por Davi, na ocasião em que as tribos as dez tribos de Israel, divididas das duas tribos de Judá, se uniram para consagrá-lo rei sobre todo o Israel.

A comunhão entre os irmãos é agradável a Deus. Além disso, há um grande poder na unidade do povo de Deus. Quando estamos juntos em um só pensamento e propósito, nada nem ninguém é capaz de nos parar.

Esse salmo é um breve panegírico sobre união e amor fraternal que, não fora observarmos as misérias de discórdia entre os homens, consideraríamos inútil.

Mas não podemos dizer muito, seria bom se pudéssemos dizer o bastante para persuadir as pessoas a viver em paz juntas.

Alguns conjecturam que Davi escreveu esse salmo por ocasião da união entre as tribos quando todas elas se uniram unânimes para fazê-lo rei.

E um salmo de uso geral para todas as sociedades, menores e maiores, civis e sagradas. Aqui temos a declaração da doutrina da felicidade do amor fraternal (v.1).

A ilustração dessa doutrina em duas semelhanças (v.v. 2,3). A prova dela, um bom motivo apresentado em favor dela (v. 3); depois, cabe a nós fazer a aplicação do salmo, o que devemos fazer ao entoá-lo, estimulando a nós mesmos e uns aos outros em direção ao amor santo.

O conteúdo desse salmo, na Bíblia, é breve, mas muito apropriado; é “o benefício da comunhão dos santos”. O que é elogiado – irmãos vivendo em união, não só brigando e devorando uns aos outros, mas alegrando-se uns com os outros demonstrando carinho mútuo e promovendo o bem-estar dos outros com serviços mútuos.

As vezes, escolhe-se, como melhor expediente para preservar a paz, que os irmãos vivam separados e distantes uns dos outros; o que, na verdade, pode evitar inimizade e discórdia (Gênesis 13.9).

Mas a afabilidade e o deleite são que os irmãos vivam em união, vivam como se fossem um (como alguns lêem a frase), como se tivessem um coração, uma alma, um interesse.

Davi teve muitos filhos com muitas esposas; é provável que tenha escrito esse salmo para a instrução deles, a fim de comprometê-los a amar uns aos outros; e se eles tivessem feito isso, muito do dano que houve na família de Davi teria sido alegremente evitado.

Durante o governo dos juízes, as tribos de Israel tinham interesses separados havia muito tempo e, com frequência, com resultados ruins. 

Mas, agora, que elas estavam unidas sob comando em comum, ele poderia sensibilizá-las em relação a quanto essa união era provavelmente para benefício delas, em especial.

Uma vez que a arca, agora, estava em um local fixo, e, com ela, fora fixado o local de reunião deles para a adoração pública e o local que seria o centro de sua união. Agora, que eles vivam em amor. (Henry, Matthew, Comentário dos Livros Poéticos)

Esboço de Salmos 133:

Salmos 133.1 – 3: Comunhão entre os irmãos

 

Salmos 133.1 – 3: Comunhão entre os irmãos

1 Como é bom e agradável quando os irmãos convivem em união!

2 É como óleo precioso derramado sobre a cabeça, que desce pela barba, a barba de Arão, até a gola das suas vestes.

3 É como o orvalho do Hermom quando desce sobre os montes de Sião. Ali o Senhor concede a bênção da vida para sempre.

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});