Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Salmos 74 Estudo: Não Há milagres!

No Salmos 74, o Salmista apresenta a Deus um lamento, devido à destruição de Jerusalém e do Templo, na época de Nabucodonosor, rei da Babilônia.

Sua decepção e tristeza são notáveis. Ele não se conforma com a permissão de Deus para algo que ele considera, absurdo!

Seus sentimentos parecem indicar que nem mesmo Deus, Soberano e Todo-poderoso teria o direito de permitir isso. Ele reivindica os milagres e lance em rosto os feitos do passado:

“Já não vemos sinais milagrosos; não há mais profetas, e nenhum de nós sabe até quando isso continuará…Por que reténs a tua mão, a tua mão direita? Não fiques de braços cruzados! Destrói-os!”

Para o leitor desavisado e até mesmo para o Salmista, ele tem razão em sua queixa. Mas ao ler o livro dos profetas: Isaías, Jeremias e Ezequiel somos completamente capazes de entender os motivos de Deus.

O povo se desviou completamente de Sua Palavra. Esnobou o Templo, os sacrifícios e ofertas, se prostituiu com outros deuses, não se opôs a injustiça social e praticou a corrupção, dentre outras coisas.

Por uma centena de vezes, o Senhor Deus os advertiu de que, caso não se arrependessem, seriam destruídos. O que eles fizeram?

Perseguiram os profetas e se rebelaram contra as profecias.

Muitas vezes agimos como este Salmista. Acusamos o Senhor Deus de não fazer ou permitir uma série de coisas.

Questionamos seu poder, bondade, justiça e até mesmo o caráter. Mas no fim, quando se observa bem, não fizemos a nossa parte. Transgredimos o mandamento e fomos omissos com a Palavra de Deus.

O Salmos 74 nos mostra, o quanto devemos estar atentos as nossas atitudes e comportamento, para com o Senhor Deus. Deve haver em nós reverência e submissão sempre, caso contrário, morreremos!

Esboço de Salmos 74:

Salmos 74.1 – 8: A destruição do Templo

Salmos 74.9 – 19: Não há milagres

Salmos 74.20 – 23: Dá atenção à tua aliança

 

Salmos 74.1 – 8: A destruição do Templo

1 Por que nos rejeitaste definitivamente, ó Deus? Por que se acende a tua ira contra as ovelhas da tua pastagem?

2 Lembra-te do povo que adquiriste em tempos passados, da tribo da tua herança, que resgataste, do monte Sião, onde habitaste.

3 Volta os teus passos para aquelas ruínas irreparáveis, para toda a destruição que o inimigo causou em teu santuário.

4 Teus adversários gritaram triunfantes bem no local onde te encontravas conosco, e hastearam suas bandeiras em sinal de vitória.

5 Pareciam homens armados com machados invadindo um bosque cerrado.

6 Com seus machados e machadinhas esmigalharam todos os revestimentos de madeira esculpida.

7 Atearam fogo ao teu santuário; profanaram o lugar da habitação do teu nome.

8 Disseram no coração: “Vamos acabar com eles!” Queimaram todos os santuários do país.

Salmos 74.9 – 19: Não há milagres

9 Já não vemos sinais milagrosos; não há mais profetas, e nenhum de nós sabe até quando isso continuará.

10 Até quando o adversário irá zombar, ó Deus? Será que o inimigo blasfemará o teu nome para sempre?

11 Por que reténs a tua mão, a tua mão direita? Não fiques de braços cruzados! Destrói-os!

12 Mas tu, ó Deus, és o meu rei desde a antiguidade; trazes salvação sobre a terra.

13 Tu dividiste o mar pelo teu poder; quebraste as cabeças das serpentes das águas.

14 Esmagaste as cabeças do Leviatã e o deste por comida às criaturas do deserto.

15 Tu abriste fontes e regatos; secaste rios perenes.

16 O dia é teu, e tua também é a noite; estabeleceste o sol e a lua.

17 Determinaste todas as fronteiras da terra; fizeste o verão e o inverno.

18 Lembra-te de como o inimigo tem zombado de ti, ó Senhor, como os insensatos têm blasfemado o teu nome.

19 Não entregues a vida da tua pomba aos animais selvagens; não te esqueças para sempre da vida do teu povo indefeso.

Salmos 74.20 – 23: Dá atenção à tua aliança

20 Dá atenção à tua aliança, porque de antros de violência se enchem os lugares sombrios do país.

21 Não deixes que o oprimido se retire humilhado! Faze que o pobre e o necessitado louvem o teu nome.

22 Levanta-te, ó Deus, e defende a tua causa; lembra-te de como os insensatos zombam de ti sem cessar.

23 Não ignores a gritaria dos teus adversários, o crescente tumulto dos teus inimigos.

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});