Aliança do Calvário

A Aliança do Calvário ministrada pelo Senhor Jesus possui características diferentes da Antiga Aliança e é motivo de confusão para muitos cristãos. Muitos se perguntam o que de fato aconteceu? O que mudou? Por que não oferecemos sacrifícios de animais? E as ofertas?

Neste estudo bíblico, a minha intenção é mostrar um paralelo entre a Antiga Aliança e a nova instituída por Jesus. É com certeza algo muito importante em nossos dias, para o nosso relacionamento com Deus e sobre a nossa compreensão do que mudou.

Portanto, fique confortável. Esqueça as notificações da Web e “vamos viajar”!

A Primeira Aliança

A obra do Tabernáculo erguido no deserto sob a ordem de Deus possuía alguns objetivos, dentre eles o de servir de ato profético para a revelação da Aliança do Calvário ministrada por Jesus na Santa Ceia e selada por sua morte na Cruz.

Por meio de sua morte, o Senhor Jesus ministrou sobre aqueles que creem nele, vida. A vida eterna junto à Deus que está planejada desde a criação de Adão e Eva.

O ministério de Moisés foi esplêndido na Antiga Aliança, contudo a Nova Aliança se mostrou muito superior em seus efeitos (Hebreus 8:5).

A Aliança do Calvário é Superior

As promessas da nova aliança são superiores a antiga (Hebreus 8:6). Não há necessidade de encobrir o rosto e o documento onde ela está registrada também é melhor. Enquanto Moisés registrou os dez mandamentos em tábuas de pedra, na nova aliança a lei de Deus é ministrada nos corações dos seres humanos.

Havia também a ausência da ministração do Espírito Santo, ele não havia sido derramado ainda. Isso tornava a compreensão limitada. Já na Aliança feita na morte de Jesus, o Espírito é principal ministro. Ele é o responsável por abrir o entendimento e produzir conversão.

Antiga Aliança:

  1. Escrita em tábuas de pedra;
  2. A glória do rosto de Moisés tinha que ser encoberta;
  3. Não havia a ministração permanente do Espírito;

A Aliança do Calvário:

  1. Escrita pelo Espírito em nossos corações;
  2. O ministério é superior e a glória não precisa ser coberta;
  3. A presença do Espírito Santo é constante e diária.

O ministério da nova aliança é muito mais excelente que o dá antiga aliança. Somos renovados em Deus por uma ministração que produz em nós a vida de Cristo e passamos a ser Templo do seu Espírito.

Agora não é mais o imponente Templo de Salomão a casa de Deus, mas sim os corpos consagrados de cristãos sinceros que amam ao Senhor e tem prazer em sua Palavra.

A justiça produzida no Calvário, em nós, reflete em nossas atitudes e caráter a maravilhosa pessoa de Cristo. Dessa forma, nos tornamos agentes diretos da ministração do Evangelho.

Características

Um outro ponto determinante sobre a Aliança do Calvário, é a fonte de capacitação dos ministros. Ela vem de Deus. De uma nova aliança espiritual.

Em 2 Coríntios 3:4-6, o apóstolo Paulo nos mostra que a observação da lei sem a sua prática, fez com que os israelitas morressem no deserto sem ver a Terra Prometida.

Na Nova Aliança, estas leis estão escritas dentro de nós, isto é, dentro daqueles que experimentaram um novo nascimento real e receberam o Espírito Santo da Promessa. Ele torna o conhecimento de quem Deus é, compreensível a nós.

Com isso, qualquer ser humano, independentemente de seu grau de escolaridade pode compreender o que está escrito na nova aliança. É algo completamente contrário ao regimento passado, pois os corações endurecidos da Antiga Aliança, estavam constantemente distantes do Senhor.

Ao passo que na Aliança do Calvário, o Espírito Santo ministra constante e diretamente ao nosso espírito sobre as coisas que agradam a Deus.

Sendo assim, entendemos que a nossa reconciliação com Deus no Calvário é muito mais poderosa e profunda. Pois tem a Cristo como mediador e o seu sangue como agente de remissão.

Não é mais o sangue de carneiros, bodes, ou qualquer outro animal, mas o precioso e imaculado sangue de Jesus derramado para purificar os nossos pecados.

Conclusão

A Aliança do Calvário ministrada pelo Senhor Jesus é muito superior a Antiga Aliança, ministrada no monte Sinai e que tem Moisés como figura principal.

Enquanto Moisés cobria o rosto diante da Glória de Deus, nós permanecemos com Ele descoberto para que o mundo perceba a face de Cristo em nós.

Nesta nova aliança, temos segurança em Deus pelo Espírito Santo para desenvolver relacionamento com a divindade de maneira amorosa e confiante. Agora podemos nos aproximar e não há necessidade de temor. Não seremos fulminados pela glória, seremos acolhidos e transformados por ela.

7 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here