A Parábola da Grande Ceia é uma das mais belas ilustrações do amor de Deus e da rejeição do ser humano a ele. Em poucas palavras, Jesus nos mostra que naturalmente o ser humano é egoísta, incrédulo e mal. Mas Deus, é bom, paciente e generoso.

Quando estudamos esta parábola, temos a oportunidade de refletir sobre nossas escolhas e prioridades reais. Se formos sinceros, é possível perceber quem de fato, ocupa o primeiro lugar de nossas vidas.

Então, se você quer deixar bem claro em sua vida, de uma vez por todas, se Deus ocupa ou não o trono do seu coração, leia o estudo até o final!

A “Deixa” Que Jesus Precisava

Ao ouvir isso, um dos que estavam à mesa com Jesus, disse-lhe: “Feliz será aquele que comer no banquete do Reino de Deus”. (Lucas 14:15)

Estando ainda no mesmo banquete em que contou a Parábola dos Primeiros Lugares, um dos ouvintes declarou que grande haveria alegria em participar do banquete realizado no Reino de Deus.

Aproveitando a declaração, que provavelmente foi ouvida por todos, o Mestre começou a narrar a Parábola da Grande Ceia, que é contundente na demonstração de que no Reino, a justiça predomina sobre toda disputa e interesse pessoal.

A lição que Jesus apresenta na ilustração da grande ceia é muito semelhante a narração feita em Mateus 22:1-14, mas há algumas diferenças entre esta e aquela. Observe:

  1. A primeira foi ministrada para um grande público no Templo. Esta foi contada em um banquete;
  2. Na primeira a recusa dos convidados foi tratada com violência, aqui não;
  3. Na primeira tantos os convidados como sua cidade, são destruídos, aqui eles são apenas excluídos da festa;
  4. Em Mateus, a parábola apresenta intrusos na festa, alguém que está no banquete mas não possui as vestes adequadas, aqui não aparece nenhum convidado com essas características.

Portanto, o que se vê são duas parábolas semelhantes, mas com diferenças significativas, tanto no enredo quanto nas lições.

O Verdadeiro Significado

Jesus respondeu: “Certo homem estava preparando um grande banquete e convidou muitas pessoas. Na hora de começar, enviou seu servo para dizer aos que haviam sido convidados: ‘Venham, pois tudo já está pronto’. “Mas eles começaram, um por um, a apresentar desculpas…” (Lucas 14:16-18)

A questão mais importante da Parábola da Grande Ceia não é a alegria de participar de uma mesa farta, pois como está escrito “O Reino de Deus não é comida, nem bebida, mas justiça, e paz e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14:17).

O nosso verdadeiro e mais precioso alimento é Cristo, Ele é o pão que desceu do céu.

O foco está na importância que devemos dar ao convite de Jesus para estar no Reino. As pessoas que foram convidadas já estavam sabendo do banquete, pois havia um convite prévio, a recusa deles só é apresentada quanto o servo do anfitrião foi enviado para lembra-los, pois o banquete estava pronto, mas ninguém havia aparecido.

Mas todos eles deram desculpas medíocres e não se apresentaram para o compromisso que haviam assumido previamente.

Na Parábola da Grande Ceia, fica muito claro que o ser humano peca contra Deus por causa de três áreas principais de sua vida:

  1. Os bens matérias;
  2. Trabalho ou negócios;
  3. Família e casamento.

Todas estas, são boas áreas da vida terrena, mas quando colocadas acima do Reino de Deus, são extremamente nocivas e perigosas, pois se tornam ídolos que tiram a primazia da nossa vida, do Senhor Jesus.

Quem Eram os Convidados?

A princípio muitos acreditam que os convidados que rejeitaram o convite são os fariseus, pois havia muitos deles no banquete, mas a realidade é que o Senhor Jesus estava incluindo neste grupo todos os hipócritas legalistas que consideram superior a outras pessoas.

Para não cancelar a festa, o anfitrião teve uma ideia graciosa: mudar os convidados. Seu plano era enviar o convite a dois grupos que eram extremamente excluídos na sociedade judaica dos dias de Jesus.

  1. Os que viviam vagando pela cidade: pobres, pessoas como necessidades especiais, sem-teto, pessoas sujas, como fome, desempregadas, analfabetas, doentes, desanimadas.
  2. Os que estavam foram da cidade, pelas estradas e caminhos: os não judeus, isto é, os gentios como eu e você, provavelmente.

Ao estender o convite a esse tipo de pessoa, Jesus nos mostra que o Reino de Deus é grande e generoso, pois com o primeiro grupo Ele já surpreendeu a todos, mas no segundo grupo ele estende o convite a pessoas de todas as nações, povos e línguas.

A Parábola da Grande Ceia a Inclusão

“Então o senhor disse ao servo: ‘Vá pelos caminhos e valados e obrigue-os a entrar, para que a minha casa fique cheia. Eu lhes digo: nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete’ “. (Lucas 14:23,24)

Jesus encerra a parábola revelando duas verdades acerca do Reino:

  1. É seu desejo que esteja cheio;
  2. Só não entra quem rejeita o convite.

Rejeitar o convite para entrar no Reino, hoje em dia, equivale a não receber Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas. Ao rejeitar a fé salvífica no Filho de Deus, automaticamente a pessoa se torna “desqualificado” a participar do grande banquete no Reino de Deus.

É muito importante notar aqui, o princípio de reciprocidade no relacionamento com Deus. O convite foi estendido a todos, os que aceitaram foram bem recebidos, os que não aceitaram, foram excluídos.

Assim como o primeiro grupo de convidados, muitas pessoas hoje, estão apresentando as desculpas mais esfarrapadas possíveis, coisas sem fundamento como: “Deus sabe o que é melhor para mim”, “estou aguardando o dia certo”, “Deus ainda não me tocou”, e por ai vai.

O ser humano sempre coloca a responsabilidade de tudo, sobre Deus, desprezando a capacidade de escolha que Ele mesmo nos deu, tanto para o bem quanto para o mal (Ver Deuteronômio 30).

Conclusão

A Parábola da Grande Ceia é uma ilustração feita por Jesus, para nos mostrar com que empenho Deus tem nos amado e deseja que estejamos com Ele na eternidade.

Perceba, que o convite é emitido a todos. Primeiro aos judeus, depois aos gentios. Mas qualquer um deles, que ouviu creu e veio, foi recebido no banquete.

A entrada no Reino de Deus é com base na graça e de graça, não há absolutamente nada que eu e você possamos fazer para merecê-lo, contudo, é preciso aceitar o convite do evangelho e receber a Jesus como Senhor e Salvador, pois somente Ele pode autorizar a nossa entrada.

Portanto, se ainda fez sua escolha, faça. Há uma mesa e um lugar reservado para você.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here