Parábola do Amigo Importuno - Jesus e a Bíblia

Na parábola do amigo importuno o Senhor Jesus salienta a importância de buscarmos a Deus em oração de forma perseverante e cheia de fé. Vivemos em mundo recheado de muitas dores e medo. Por isso, a oração deve ser uma das nossas maiores aliadas.

Não é à toa que o apóstolo Paulo faz menção dela na batalha espiritual e na armadura de Deus.

Aqui, eu quero refletir com você sobre a importância desta parábola para os nossos dias e como ela pode nos inspirar a viver um novo nível de oração perseverante.

Sendo assim, prepare-se. Fique confortável. Que o viajante já partiu!

Emergência à Meia-Noite

Jesus inicia a Parábola do amigo importuno, dando os detalhes do problema: Um viajante saiu a noite com o objetivo de se livrar do calor do dia e dos assaltantes do caminho (Lucas 11:5,6).

Por isso, ele chegou à casa de seu amigo à meia-noite, com fome e cansado. O problema é que seu amigo estava desprevenido. A dispensa estava vazia. Pensando no que fazer, ele foi a casa de um outro amigo e bateu em sua porta para pedir ajuda.

Uma Resposta Improvável

A resposta do terceiro personagem da parábola é uma impossibilidade, mas como se trata de uma emergência e de um amigo que precisa de ajuda, dificilmente a hora e o sono das crianças seriam considerados (Lucas 11:7).

O fato é que há a possibilidade e a ênfase de Jesus quanto a perseverança virá no próximo versículo.

De Uma Forma ou De Outra

Na última parte da ilustração do amigo importuno, o Senhor Jesus concorda que dificilmente um amigo nos negará socorro em uma emergência, e nesta circunstância ou ele nos ajudará por amor ou para se livrar do incômodo. De qualquer forma, obteremos aquilo que pedimos, independente da motivação (Lucas 11:8).

A partir daí, o Mestre prepara o nosso raciocínio para incluir o nosso relacionamento com Deus.

Pedir. Buscar. Bater

“Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta. Pois todo o que pede, recebe; o que busca, encontra; e àquele que bate, a porta será aberta. (Lucas 11:9,10)

Jesus concluí a reflexão da parábola com uma exortação: Peçam, busquem e batam (Veja o estudo: Oração Forte em 9 Etapas). Há um poder extraordinário na oração, contudo precisamos ter um bom entendimento sobre o assunto, do contrário faremos orações frias e incrédulas (Lucas 11:9,10).

O Senhor nos apresenta também, o motivo pelo qual devemos estar sempre orando e não desistir de orar. Utilizando a figura de um pai, Jesus diz que ele não negará ao filho, pão para saciar sua fome (Lucas 11:11-13).

Recentemente meu filho Nicolas, nasceu.

Nossa! Como eu o amo.

É interessante, que o Senhor Jesus utiliza exatamente a figura humana, para estabelecer uma referência: “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos…”

Meu amor por Nicolas parece infinito, mesmo eu sendo mal. Quando eu, hoje, reflito sobre o quanto Deus me ama, chego a ficar admirado. Impactado.

Siga esse raciocínio.

Deus ama você como ninguém jamais o fez ou fará. Ele está à espera de sua orações, e no tempo certo responderá a elas.

Conclusão

Com a parábola do amigo importuno o Filho de Deus nos estimula a orar e orar constantemente. Não devemos desanimar com a espera ou permitir que a incredulidade lhe domine como um polvo domina sua presa.

Livre-se dos tentáculos da incredulidade e pense no seu Deus e Pai, que é bom e quer ajudar você, não importa a circunstância.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here