Bíblia de Estudo Online Diego Nascimento

Neemias Estudo: Livro de Neemias

O livro de Neemias é o último da categoria dos históricos do Antigo Testamento, que narra o retorno dos exilados judeus que voltaram do cativeiro na Babilônia. Neemias registra os três retornos a Jerusalém, enquanto Esdras narra os acontecimentos dos dois primeiros retornos ocorridos entre 538 a.C e 457 a. C.

O foco do livro de Esdras é a reconstrução o Templo, enquanto Neemias dá atenção a reconstrução dos muros de Jerusalém.

Contudo, em ambos os livros é possível perceber a importância do renovo espiritual e a consagração a Deus e à sua Palavra.

Estes dois homens de Deus foram contemporâneos. Neemias servia como copeiro do rei Artaxerxes, na corte real e enquanto desenvolvia seu excelente trabalho, soube que seu povo estava vivendo miseravelmente em Judá.

Após um período em jejum, oração e lamento, o Senhor Deus criou oportunidades e inclinou o coração do rei a permitir que Neemias fosse a Jerusalém, para ajudar seu povo.

Ele é com certeza um grande exemplo de servo de Deus, líder, e amor ao próximo. Abriu mão do conforto da corte para se expor a diversas tribulações durante a reforma.

Capítulos de Neemias:

Capítulo 1: A Oração do Intercessor

Capítulo 2: O Pedido do Intercessor

Capítulo 3: Começa a Reconstrução do Muro

Capítulo 4: Lidando Com os Problemas

Capítulo 5: Escassez e Problemas Sociais

Capítulo 6: Com a Ajuda de Deus

Capítulo 7: A Reforma Continua

Capítulo 8: Esdras e a leitura da Lei

Capítulo 9: O Deus Doador

Capítulo 10: O Decreto é Aprovado

Capítulo 11: A Estratégia do Governador

Capítulo 12: Dedicação dos Muros

Capítulo 13: O Governador Purifica Jerusalém

 

O Livro de Neemias

Este livro continua a história dos filhos do cativeiro, os pobres judeus, que tinham recentemente voltado da Babilônia para sua própria terra. Nessa época, não só a monarquia persa prosperava em grande pompa e poder, mas Grécia e Roma começavam a tornar-se notáveis.

Temos relatos autênticos existentes dos acontecimentos desses estados respeitados e poderosos; mas a história sagrada e inspirada toma conhecimento somente do estado dos judeus.

Não menciona outras nações, a não ser as relações que o Israel de Deus mantinha com elas: “Porque a porção do SENHOR é o seu povo” (veja Deuteronômio 32.9).

Eles são o seu tesouro particular, e, em comparação com os outros povos, o restante do mundo não passa de trastes.

O Valor dos Servos de Deus

Na minha ótica, Esdras, o escriba, e Neemias, o tirsata, embora nenhum deles tenha chegado a usar uma coroa, ou comandasse um exército, conquistasse países, ou fosse famoso pela filosofia ou oratória, ambos, sendo homens piedosos e de oração, e muito úteis em seus dias para a Igreja de Deus e os interesses da religião, eram realmente homens maiores e mais honráveis, não somente do que qualquer cônsul ou ditador romano, mas do que Xenofonte, Demóstenes ou Platão, que viveram na mesma época, e eram considerados os adornos brilhantes da Grécia.

Temos um relato completo neste livro da atividade de Neemias para o avanço do estabelecimento de Israel, seus próprios comentários e memórias, em que ele registra não somente as obras de suas mãos, mas os sentimentos do seu coração, na administração dos negócios públicos.

Ele insere na história muitas reflexões e exclamações devotas, que mostram um traço muito profundo de séria piedade, que é peculiar ao seu escrito.

Por doze anos, desde seu vigésimo ano (Neemias 1.1) até o seu trigésimo segundo ano (Neemias 13.6), ele foi governador da Judéia, debaixo de Artaxerxes, rei da Pérsia. De acordo com o Dr. Ligthfoot, este é o mesmo Artaxerxes de quem Esdras recebeu a sua comissão.

O Livro de Neemias Relata:

1. A preocupação de Neemias por Jerusalém e a comissão que obteve do rei para ir até lá (caps. 1; 2);

2. Sua construção do muro de Jerusalém, apesar de grande oposição (caps. 3; 4);

3. Neemias repreende as queixas do povo (cap. 5);

4. Neemias conclui a construção do muro (cap. 6);

5. Neemias conta e registra o povo (cap. 7);

6. As solenidades religiosas da leitura da lei, do jejum, da oração e renovação dos seus concertos, para as quais convocou o povo (caps. 8-10);

O cuidado que tomou com o repovoamento da cidade santa e o assentamento da tribo santa (caps. 11; 12);

Seu zelo em corrigir vários abusos (cap. 13);

Alguns chamam esse livro de “O Segundo Livro de Esdras”, não porque Esdras fosse o autor dele, mas porque é uma continuação da história do livro anterior, com o qual está conectado.

Este foi o último livro histórico escrito, da mesma forma que Malaquias foi o último livro profético do Antigo Testamento.  (Henry, Matthew, Comentário de Josué a Ester)

Sobre o autor | Website

Diego Nascimento é membro da Primeira Igreja Batista de João Pessoa, e estudante de Teologia. Seu amor por Jesus e pela Bíblia o inspirou a fundar esse site.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

2 Comentários

  1. Graça disse:

    Gostei muito desse comentário. Louvo ao Senhor pela vida desse irmão estudioso que tanto contribuiu para o entendimento e a visão contextualizada desse livro. Deus continue dirigindo sua vida, irmão. Abraço

  2. claudio disse:

    gloria a Deus.

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.
});